terça-feira, 24 de abril de 2018

Sofia Cavedon na Rede Soberania

Assista a entrevista de Sofia Cavedon, professora e vereadora do PT de Porto Alegre, dada para Luiz Müller da Rede Soberania, nesta terça-feira, 24.

Na pauta política, educação, cultura, PT e a campanha pela libertação de Lula.

#LulaLivre #EmDefesaDaDemocracia

  

Protásio Alves - Escola precisa de apoio para ampliação de cursos técnicos

Foto Elisamar Rodrigues
Vereadores e Vereadora, professoras e representante da Suepro tratam da abertura de novos cursos técnicos no Colégio Estadual Protásio Alves. Estudantes acompanharam a reunião.

A Comissão de Educação Cultura, Esporte e Juventude (Cece), da Câmara Municipal de Porto Alegre reuniu-se, na tarde desta terça-feira (24/4), para tratar da abertura de novos cursos técnicos no Colégio Protásio Alves, localizado na Avenida Ipiranga, Bairro Azenha. O encontro contou com a presença de alunos, representantes da instituição e da Superintendência da Educação Profissional do Estado (Suepro). 

Além do Ensino Médio, atualmente o colégio, fundado em 1931, trabalha com os cursos técnicos de Informática, Informática para Internet, Administração e Contabilidade. A expetativa do corpo docente este ano é de que os cursos técnicos de Recursos Humanos e Logística se somem à grade de ensino profissionalizante. Para isso, a escola precisa do aval dos órgãos públicos responsáveis.

A reunião foi solicitada pela diretora da escola, Eliana Alves Flores, com o intuito de conseguir apoio para alavancar as atividades da instituição e qualificar a educação pública. De acordo com ela, a ampliação do Ensino Técnico se faz necessária na medida em que a exigência do mercado de trabalho vem aumentando ao longo dos anos. “Temos um grupo de professores qualificados e um grande espaço físico para abrir mais cursos. É uma escola bem equipada e bem localizada”, disse.

Foto Portal Rádio Guaíba
Ao resgatar a história de ensino da instituição, a professora Jussara Oliveira, coordenadora de abertura dos processos dos cursos técnicos, contou que a escola trabalha com a profissionalização de pessoas desde a década de 1950. “Os alunos saem capacitados para atuar no mercado”, afirmou. Conforme a educadora, o colégio possui um capital humano, por ser um local que contém um público de diversas regiões da cidade e da Região Metropolitana. “O propósito é proporcionar uma educação digna de qualidade”, sintetizou.   

Representando a Suepro, a diretora-superintendente e administrativa financeira, Denise Araújo Villas Boas, informou que a situação econômica do Estado impediu a autorização da abertura de novos cursos técnicos. No entanto, ela explicou que, no ano passado, foi elaborado um documento com os critérios das justificativas para a criação dos novos cursos. Segundo ela, a escola já vem cumprindo alguns desses critérios, como a discussão com a comunidade e com representantes do poder público, como a Câmara.

Na ocasião, os alunos Gustavo Vieira e Régis Rafael manifestaram gratidão pelo trabalho que a escola vem fazendo. Para eles, a instituição sempre motiva os alunos com diversos incentivos. “A gente reconhece isso de todos os professores”, disse Gustavo, representante da turma de Informática. 

Em sua manifestação a vereadora Sofia Cavedon (PT) se disse orgulhosa do movimento entre alunos e professores para garantir a qualificação do ensino público, que permite oportunidades e capacitação técnica. Ela também destacou o cuidado e a gestão da escola.  “A gente apoia integralmente a causa”, afirmou.  Sofia disse ainda que lutará com a comunidade escolar pela abertura do refeitório da escola.

A comissão ainda pretende se reunir novamente para analisar encaminhamentos para a reunião. 

Fonte: Portal da CMPA.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Previmpa e os números do Prefeito

... não vamos aceitar a versão de déficit no Previmpa, com essa versão, já passou no ano passado de 11 para 14% a contribuição dos municipários e municipárias, que ainda estão com salários congelados...

 Manifestação de Sofia Cavedon (PT) após a Tribuna Popular que tratou da Previdência Municipária, com o representante do Simpa, Edimilson Todeschini, presidente do Conselho de Administração do Previmpa.

Sofia também mostrou como o Prefeito joga com os números, quando em reunião com lideranças da Casa Legislativa apresentou um powerpoint sobre o comprometimento de pessoal nas despesas do município. "Só que o powerpoint de Marchezan não combina com o certificado que o Tribunal de Contas do Estado publicou em seu site", afirma a parlamentar.

 Assista aqui:

Assembleia Geral dos Municipários e Municipárias na Quinta, 26

Na quinta-feira, 26 de abril acontece a primeira assembleia geral da categoria no ano com o objetivo de debater a data-base 2018. Será às 18h na Casa do Gaúcho. Até lá, é fundamental que todos os municipários e municipárias procurem saber quando serão as assembleias de seus Cores setoriais, participem de reuniões por local de trabalho e da assembleia geral para debater o dissídio.

Apesar de garantido em lei, no ano passado Marchezan negou o reajuste da inflação. E agora, se organiza para, mais uma vez, negar o deste ano. A falta da correção anual e o aumento do custo de vida dos trabalhadores têm piorado a vida de nossas famílias.

Conforme levantamento do Dieese, a previsão do IPCA acumulado no período de maio 2016 até abril de 2017 foi de 6,85%. Por isso, a falta de reajuste inflacionário no ano passado ocasionou perdas salariais de 6,41% até este momento.

É importante destacar que Porto Alegre é a terceira capital do país onde a cesta básica é mais cara: R$ 434,70 e que, em 2017, a média de gastos com alimentação foi de R$ 694,98. Mas, o valor do auxílio alimentação dos servidores é de apenas R$ 505,50.

Para negar o aumento aos municipários, a gestão Marchezan tem dito que falta dinheiro em caixa. Mas, os dados mostram que isso não é verdade: tem dinheiro e a opção de não pagar os servidores é política. Afinal, de acordo com o Portal da Transparência da própria Prefeitura, o gasto com pessoal é de 50,86%, portanto, abaixo do limite prudencial estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 51,30%.

Outro dado que desmente a falácia do governo é que em 2017, a receita tributária de Porto Alegre cresceu 5,5%. Também no ano passado, Porto Alegre recebeu R$ 815 milhões em recursos do SUS, um acréscimo de 4,4% em relação a 2016. Mas, o Fundo Municipal de Saúde gastou pouco mais de R$ 1 milhão com pagamento de pessoal em 2017. Outro ponto importante é que segundo determina a lei, 60% do valor do Fundeb pode ser utilizado com a folha de pagamento, o que não tem sido feito.

Em 2017, a mobilização da categoria resultou numa greve histórica que conseguiu sensibilizar vereadores e, assim, barrar a tramitação do pacote de Marchezan. E neste ano não será diferente: somente a nossa organização e construção coletiva podem barrar as ações de Marchezan que retiram direitos e acabam com os serviços públicos.

Saiba mais no Portal do Simpa.

domingo, 22 de abril de 2018

Mostra de Artes do Teatro Glênio Peres - Inscrições abertas para a 4ª edição

A Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres é uma iniciativa de Sofia Cavedon (PT), construída com o Sindicato dos Artistas do RS (Sated), e instituída por Projeto de Resolução da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Porto Alegre.

Poderão participar da seleção artistas-solo e grupos de dança, circo, música e teatro, e os espetáculos terão entrada gratuita

A Câmara Municipal de Porto Alegre publicou, no Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa) de segunda-feira (9/4), o edital da IV Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres. O evento, promovido pelo Legislativo da Capital, será realizado de 3 de agosto a 15 de dezembro, reunindo 14 atrações com entrada gratuita de dança, circo, música e teatro para os públicos adulto e infantil. 

Inscrições vão até o dia 25 de Maio

As inscrições de projetos estarão abertas até o dia 25 de maio, devendo ser feitas das 9 às 17 horas, de segundas a sextas-feiras (com exceção dos feriados), na Seção de Memorial da Câmara Municipal (Avenida Loureiro da Silva, 255, térreo). Confira AQUI o edital. Os anexos estão no Dopa do dia 9 de abril de 2018 (Legislativo). Informações: (51) 3220-4318.

Seleção e ajuda de custo

Foto Adriana Marchiori
Conforme o edital, os projetos inscritos e habilitados serão analisados por “uma comissão de seleção composta por até cinco pessoas com notório conhecimento a respeito das categorias previstas na Mostra, preferencialmente vinculadas a entidades representativas das classes artísticas em questão, bem como por um representante do Conselho Municipal de Cultura e um representante da CMPA, que presidirá a comissão”.

Cada projeto selecionado receberá recursos financeiros como ajuda de custo para a montagem dos espetáculos: de R$ 13.500 para grupos e de R$ 8 mil para artistas-solo. Serão duas apresentações para cada atração, sempre com entrada gratuita. A agenda começará no dia 3 de agosto de 2018 e se encerrará em 15 de dezembro deste ano. O Teatro Glênio Peres fica no segundo piso da Câmara Municipal de Porto Alegre e conta com 80 assentos, espaço e acessibilidade para cadeirantes e ainda disponibiliza a colocação de cadeiras extras.

O evento

Criada em 2013 pela Câmara, por sugestão da vereadora Sofia Cavedon (PT), a Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres tem atraído grande público. Desde a primeira edição, realizada em 2014, houve espetáculos de artistas e grupos celebrados, como Nei Lisboa, Tonho Crocco, Luciano Mallmann, Alemão Ronaldo, Deborah Finocchiaro, bandas Trem Imperial, Conjunto Bluegrass e Instrumental Picumã, Orquestra Villa-Lobos, Cia. Rústica de Teatro, Circo Híbrido, Transforma Cia. de Dança, Ânima Cia. de Dança, Tablado Andaluz e Flamenco Del Puerto.

Fonte: Portal da CMPA.

Solidariedade aos e às Artistas

Moção de apoio de Sofia Cavedon, vereadora do PT, à luta dos e das artistas em defesa do registro profissional, ameaçado por uma ação da Procuradoria Geral da República, foi protocolada nesta segunda-feira, 16, na Câmara Municipal de Porto Alegre. A Moção será votada na quarta-feira, 25.

A ação judicial, publicada em 2013, está tramitando novamente pelo Supremo Tribunal Federal e causando mobilização nacional. Trata-se de uma Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 293, pleiteada pela Procuradoria Geral da República (PGR) e colocada em pauta pela então ministra Carmem Lúcia – presidente do STF. A ação questiona a ”obrigatoriedade de diploma ou de certificado de capacitação para registro profissional no Ministério do Trabalho como condição para o exercício das profissões de artista e técnico em espetáculos de diversões”.

A profissão de artista foi regulamentada em 24 maio de 1978, data na qual foi estabelecida a obrigatoriedade de registro profissional no Ministério do Trabalho. 

Só no Rio Grande do Sul 17 mil profissionais ficarão sem direitos

Caso seja acatado pelo Supremo, o texto pode extinguir o Registro Profissional e desregulamentar a profissão de artista - músicos, cineastas, teatreiros, quem tem a arte como ofício. O Atestado de Capacitação Profissional emitido pela Delegacia Regional do Trabalho (DRT) foi conquistado em 1978 e, além dos direitos ao acesso aos benefícios da previdência como aposentadorias, auxílios doença e maternidade – consolidou também no reconhecimento social do trabalho de artistas e técnicos.

Após votada, a Moção, se aprovada, será encaminhada para o Supremo Tribunal Federal, Conselho Nacional de Políticas Culturais, Conselho Estadual de Cultura do RS, Conselho Municipal de Cultura de Porto Alegre, Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio Grande do Sul - SATED/RS, Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio Grande do Sul e Companhia de Arte.

Veja também:
Mostra do Teatro Glênio Peres - Lançado edital para a 4ª edição

Lançamento no RS da Frente Nacional pela Democracia, Soberania e Direitos do Povo Brasileiro

Nesta Quinta-feira, 26 de abril, às 18h30min, ocorre o lançamento da Frente Nacional pela Democracia, Soberania e Direitos do Povo Brasileiro. O encontro será no Teatro Dante Barone - Praça Marechal Deodoro, 101, Porto Alegre.

Acampamento #LulaLivre em Curitiba

Em atenção às inúmeras chamadas e solicitações de pessoas para irem a Curitiba prestar solidariedade ao Presidente Lula, o PT Porto Alegre divulga as iniciativas da Frente Brasil Popular e organizações parceiras para levar a companheirada ao Acampamento #LulaLivre em Curitiba.

Acompanhe abaixo as 2 caravanas que sairão nos próximos dias e nos ajude a compartilhar a resistência à prisão política de Lula!

Atenção para mais caravanas que sairão em breve de Porto Alegre rumo ao acampamento #LulaLivre em Curitiba - Informações 3211.4888

Saída dia 25/Abril - CUT

No dia 25 de abril a CUT-RS está disponibilizando transporte com 30 lugares para acompanhar o acampamento em Curitiba.  Este ônibus sairá de Porto Alegre no dia 25/04, às 21h; o ponto de encontro é o estacionamento Haudi Park. Precisamente: Rua Largo Vespasiano Júlio Veppo, 127 (próximo a Rodoviária de Porto Alegre | Veppo). As inscrições devem ser encaminhadas para cut.rs@cutrs.org.br até dia 24/04 às 11h. O retorno será no dia 28/04 com saída de Curitiba às 19h.
Para a inscrição é obrigatório:  Nome Completo, RG, Telefone celular, Nome da entidade.

Saída dia 30/Abril - PT PoA

Sairá no dia 30 de abril às 21h e retorna no dia 1° de Maio. Custo: R$ 140,00, podendo parcelar no cartão. Contato: 32114888, sede do PT Porto Alegre, falar com Lu, Sílvio ou Natália, a partir de segunda, 23 de abril.

Fonte: Página do Facebook do PT PoA

sexta-feira, 20 de abril de 2018

O futuro do CETE - MP visitará o local

Foto Gabinete
Audiência com o promotor de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística do  Ministério Público Estadual (MP), Cláudio Ari Pinheiro de Mello, e representação de diversas Federações, dos Moradores, da Universidade Federal/ UFRGS e vereadora Sofia Cavedon, membro da Comissão de Educação, tratou da transferência da sede do Corpo de Bombeiros para o Centro Estadual de Treinamento Esportivo (Cete), proposta pela Brigada Militar apresentada à Câmara Municipal em março.

Conforme Sofia Cavedon, nas manifestações ficou caracterizado, pelos diversos segmentos, a especificidade e singularidade do Cete que vai da inclusão à excelência em 21 modalidades de esportes e lutas. "São 1600 jovens, crianças, adolescentes que praticam, diariamente, aulas de  esporte no local. Além disso, todos os praticantes espontâneos chegam de três a quatro mil por dia", destaca a vereadora.

Foto Gabinete
O Dr. Cláudio Ari instaurou a abertura de inquérito administrativo e fará uma visita oficial ao Centro na quarta-feira, 25/abril, a partir das 17h30min. Conforme declarou, após a visita, se o MP entender que a obra não provocará maiores danos o inquérito será arquivado. Se entender que as edificações serão um problema, iniciará negociações com o Corpo de Bombeiros em busca de uma solução consensual que pode variar desde a alteração do projeto até a busca de um novo endereço.

Frente Parlamentar

Foto Luiza Dorneles/CMPA
Depois da audiência n o MP a Frente Parlamentar em Defesa do Direito Social ao Esporte, ao Lazer e à Recreação da Câmara Municipal, coordenada pela vereadora Sofia Cavedon, reuniu-se e decidiu fazer um manifesto de apoio a manutenção do Cete e procurar os candidatos a governador para se manifestarem. As entidades também irão formalizar um pedido de Audiência Pública para ser realizada na Casa Legislativa da capital. Outra ação aprovada no encontro e o de acompanhar a visita do Dr. Cláudio Ari, do MP, no local.

Veja também:
Comunidade do Menino Deus demonstra preocupação com o futuro do Cete

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Jornada pela Educação - Muitas crianças de 4 a 6 anos estão sem vagas na Escola em Porto Alegre

Foto Sandra Ilibio Braz
Nesta quinta-feira, 19, a vereadora Sofia Cavedon em sua Jornada em defesa da Educação, esteve na EEEF Marechal Mallet, localizada na Vila Jardim, que foi fechada pelo governo Sartori (PMDB) este ano.

Somente em meia hora na frente da escola, relata a vereadora, quatro crianças de 4 a 6 anos apareceram, sem escola, moradoras próximas a Cel Mallet, fechada pelo Governo do Estado: Alexia, 4,Maikele, 5, Richard 6 e Pedro Henrique de 4 anos.

Foto Sandra Ilibio Braz
"Como que o Governador fecha uma escola sem conversar com o Município para saber da  demanda para a educação infantil? Este prédio abandonado poderia muito bem atender o ensino infantil da região", ressalta Sofia.

Sofia esteve no local a pedido da comunidade que está se mobilizando através de um abaixo-assinado para que seja instalado na região uma escola para a educação infantil. Conforme representantes da Pastoral da Criança da Igreja Nossa Senhora do Trabalho a demanda é muito grande.

A vereadora está encaminhando um pedido de audiência específica junto ao Ministério Público Estadual (MP) sobre o regime de colaboração entre estado e município para que o município avalie as escolas que foram fechadas pelo governador Sartori para a possibilidade de atender a educação infantil na capital.

Sofia ressalta que desde 2016 o município é obrigado a cumprir as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) que prevê universalizar a Educação Infantil na pré-escola para as crianças de 4 a 5 anos de idade e ampliar a oferta de Educação Infantil em Creches de forma a atender, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos até o final da vigência do PNE, em 2024. O PNE é uma lei federal, sancionada em 2014, que prevê metas para melhorar a qualidade do ensino brasileiro em um prazo de 10 anos, desde a educação infantil até a pós-graduação.

"Em nossa Jornada em defesa da Educação vamos verificar em todas as regiões da cidade a demanda da Educação Infantil, essas crianças tinham que estar em aula!", informa a parlamentar.

Assista aqui a manifestação da comunidade:

Assista o depoimento de uma mãe:

Essa é a 13ª escola que Sofia visita nessa Jornada em defesa da Educação. Em sua Jornada pela Educação a parlamentar já esteve nas EMEFs Villa LobosSão Pedro 1 e 2Wenceslau FontouraIldo MeneguettiChico MendesGrande OrienteAramy SilvaPessoa de BrumMariano BeckNeeja Darci Vargas e Nossa Senhora de Fátima.

A educação confinada - Por Sofia Cavedon*

Foto Candace Bauer/CMPA
Artigo publicado no Portal Sul21 desta quinta, 19

Assim percebi a educação ao visitar pelo menos 12 escolas municipais de Porto Alegre nesse início tardio de ano letivo.  Aprisionada em regras anacrônicas impostas à organização da rotina e currículos escolares - um engessamento que afronta a gestão democrática consagrada em lei e resultante de intensa e longa construção coletiva da rede municipal de ensino e da luta pela democratização das políticas públicas no Brasil. São limites restritos para sábados letivos, determinação por diário oficial de início e término do ano, do tempo máximo no dia do professor na escola, proibição de apoio pedagógico no momento da alimentação, controle por meio eletrônico de qualquer alteração de cumprimento de tempo escolar, indicando para isso dezenas de códigos a serem comprovados com centenas de atestados anexados ao sistema eletrônico de ponto, verificados meses depois, exigindo dias de trabalho e retrabalho da equipe de direção da escola numa burocracia inócua, esvaziada de pedagógico, persecutória e engessadora da rotina escolar.

Confinada à métrica da redução de custos a qualquer custo, onde a conta final em números de profissionais é o objetivo central. Explico: de no máximo 15 horas/aula a cada 20 h de trabalho, o prefeito passou para 17 as horas aula a serem cumpridas, como se não fosse preciso prepará-las e avaliá-las. Ter reduzido de 4000 professores em 2004 para 3800 em 2018, mesmo a rede e as matrículas tendo crescido, é a evidência de quem aposta numa escola pobre para os filhos e filhas dos trabalhadores, de quem não se importa com falta permanente de professores.

Foto José Porto 
Educação confinada ao preenchimento das horas de turno integral, sem considerar a faixa etária das crianças, impondo aos pequenos que ficam todo o dia na escola, aulas com vários professores.  Assim, projetos de alto nível de desempenho como a Robótica, a Dança, Esportes e Música estão acabando por serem enquadrados ao horário para fechar turno integral, desconhecendo interesse e talento dos e das alunas.

Educação submetida à insegurança pela perda da política de apoio da guarda municipal que tinha o caráter de garantir o serviço público – patrimônio e servidor – lá na periferia da cidade onde estão as escolas, os postos de saúde, a assistência social, a atividade esportiva. Agora a guarda sombreia as funções da Brigada Militar, da Fiscalização municipal e reprime movimentos sociais, desguarnecendo quem mais precisa de sua atuação.

Foto José Porto
Retirada toda a autonomia da gestão do tempo escolar e do cumprimento da carga horária dos profissionais, o trabalho de ensinar na sua dimensão imaterial, de pensamento, pesquisa, leituras, ampliação cultural, foi cerceado pelo limite do espaço físico e pela métrica do relógio ponto. Em pleno século 21, da pós-modernidade, da tecnologia e da produção remota do planejamento e avaliação da prática pedagógica, Marchezan pensa a escola na era da revolução industrial, século XVIII, aplica métodos onerosos e obsoletos de controle burocrático do ofício de mestre. Ele que vibrou com carregadores de celular em paradas de ônibus na França, não quer gastar com equipe campeã de robótica classificada para o mundial, precisava ver como estão desmantelados os ambientes informatizados das escolas e as caras lousas digitais todas encaixotadas! Confina estudantes ao seu território, cerceando a produção de ponta do conhecimento.

A efervescência da reestruturação curricular de anos de construção da escola cidadã, de ambiente e currículo criativos, inclusivos, humanizadores e promotores de aprendizagem, estão gravemente ameaçados! Mas não há quem submeta a utopia que move educadores/as e comunidades que já produziram uma escola referência para o mundo, e logo as cercas que a aprisionam serão derrubadas pelos ventos da rebeldia pedagógica do compromisso com o direito à educação de qualidade de todas e todos.

*Professora e Vereadora do PT/Porto Alegre

Finanças da Prefeitura - Contas do prefeito divergem do TCE

"Prefeito pressiona vereadores/as para aprovar projetos que tiram direitos com base em dados que divergem do TCE - "Enquanto isso a cidade sofre com a incompetência da gestão de 7 bilhões no orçamento", afirma Sofia Cavedon.

"Não tem como questionar o Tribunal de Contas do Estado (TCE), ele é o órgão máximo de análise das finanças públicas, e em seu último relatório sobre Porto Alegre indicou que o comprometimento de gastos com pessoal em 2017 foi de 43,87% das receitas do município, enquanto o prefeito, em recente audiência na Câmara Municipal, projetou em PowerPoint informações divergentes sobre as finanças da Prefeitura indicando o dado de 50,86%, em "despesa" com os/as municipários/as, ou seja, 7% a mais que o TCE apurou".

A afirmação é da vereadora Sofia Cavedon (PT) salientando que o Prefeito ainda projetou em seu PowerPoint a indicação de comprometimento folha de pagamento para 2019 em torno de 54% passando do limite prudencial. "Ele tenta modificar o que é fato, comprovado pelo TCE, mente porque quer aprovar projetos que destrói a carreira dos/as municipários/as, para abrir espaço para a meritocracia e justificar PPPs, tercerizações e privatizações".

Sofia lembra que o Tribunal de Contas ainda não apresentou paras o Legislativo a análise da disponibilidade de recursos financeiros para o cumprimento de todas as obrigações salariais até o último dia útil do mês, pretexto usado por Marchezan para promover o parcelamento e congelamento de salários, pois o Executivo mantem sigilo sobre itens da receita. "Por quê será que o governo municipal não repassa as informações para o TCE?", questiona a parlamentar afirmando que "enquanto isso a cidade sofre com a incompetência da gestão de 7 bilhões no orçamento".

Assista aqui:

Robótica da Villa Lobos - Participação em Mundial está ameaçada

Foto Blog EMEF Villa Lobos
Sofia Cavedon solicitou agenda na Comissão de Educação (Cece) e enviou Pedido de Informação (PI) para a Smed.

O que antes era incentivado, agora está virando rotina anual a busca por recursos para que a equipe de robótica da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Heitor Villa Lobos, localizada na Vila Mapa, Lomba do Pinheiro, possa participar do campeonato mundial.

Vencedora da Competição Brasileira de Robótica na modalidade OnStage, a Dança de Robôs, no ano passado, a equipe conquistou a vaga para participar do campeonato mundial de robótica Robocup, que será disputado em Montreal, no Canadá, entre os dias 16 e 22 de junho deste ano.

Ocorre que, faltando menos de dois meses para o evento, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) informou um aluno que repassará apenas R$ 20 mil dos 60 mil necessários, o que inviabilizará a participação da Equipe, formada por alunos da periferia, sem condições financeiras para arcarem com os custos da participação no evento. A Escola não recebeu oficialmente essa informação até a data desta publicação.

Conforme Sofia Cavedon, ano passado a Escola passou pela mesma situação, quando buscaram apoio da Comissão de Educação da Câmara Municipal, tema que volta para a pauta da Cece, já solicitado pela vereadora que também encaminhou um Pedido de Informação (PI) à Smed sobre a liberação dos recursos solicitados pela Villa Lobos. 

Foto Blog EMEF Villa Lobos
Para Sofia a participação da Equipe Lobóticos no Mundial Robocup representa o esforço de professores (as) e alunos (as) da rede municipal, reconhecido em competição nacional. A participação da Equipe em Montreal significa promover internacionalmente o trabalho pedagógico desenvolvido nas escolas municipais, enfatiza a vereadora.

Em seu PI Sofia destaca a urgência na resposta da Secretaria, tendo em vista que os preços das passagens sofrem reajustes constantes, portanto, quanto mais atrasar a liberação dos recursos por parte da Smed, maior será o valor necessário para cobrir os custos da viagem.

A professora Cristiane Cabral, responsável pela equipe e pela coordenação do programa de robótica na Villa Lobos, manifestou sua preocupação com a não participação "que resultará em frustração para os estudantes, que perderão a oportunidade de mostrar o seu trabalho em um evento internacional". Ela ressalta ainda que caso a Equipe confirme a participação e não vá ao mundial o Comitê Brasileiro será punido com a perda dessa vaga para as próximas competições.

Vakinha Lobóticos no Canadá

Cristiane criou nesta quarta-feira um projeto de financiamento coletivo para tentar arrecadar os recursos (disponível aqui).

A professora lamenta a falta de apoio do poder público para crianças que conquistaram a vaga após derrotar representantes de escolas públicas e particulares de todo o Brasil na modalidade danças de robô em Curitiba (PR), no ano passado. “Eu acho um absurdo, um desrespeito. Já que a criança é de periferia, então tanto faz, não faz diferença. Só que faz toda a diferença na vida desses alunos. É uma oportunidade provavelmente única na vida deles. Então me dói”, lamenta.

Com informações do Portal Sul21

Veja também:
Ajude a Equipe de Robótica da EMEF Heitor Villa Lobos a participar de competição (2017)