segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Deputada Sofia e Vereadora Telda unem forças

A deputada Sofia Cavedon esteve em Cachoeira do Sul no final de semana em encontro com a vereadora Telda Assis.

Professoras, as duas parlamentares petistas irão trabalhar juntas em defesa da Educação e políticas públicas para as mulheres.

Nossas Escolhas - Boletim Semanal - Edição 02/2019

Nossas Escolhas - Edição 02 - 18/Fevereiro/2019

Acompanhe o mandato pelo Face - Acesse aqui.

Você recebeu este e-mail porque faz parte da nossa lista de contatos. Se desejar, desvincule-se deste boletim.
1º Grande Expediente de Sofia será em defesa das empresas e dos serviços públicos do RS
Arte Marta Resing
A deputada Sofia Cavedon (PT) ocupará o Grande Expediente de quinta-feira, 21 de fevereiro, às 14h, na sessão plenária da ALRS..

"O Povo gaúcho, a democracia, o plebiscito e o destino das empresas gaúchas" é o tema que Sofia traz para a reflexão do parlamento e para a sociedade gaúcha.

O Grande Expediente marcará o início das atividades de luta, que terá a noite o lançamento da Frente em Defesa do Patrimônio Público do RS.

Saiba mais...
POLÍTICA
Foto Josias Belvanger
GOVERNO DO ESTADO
Foto Josias Belvanger
- Sofia questiona falta de investimentos em educação. Saiba mais...
- O salário do Magistério gaúcho fica mais longe do piso. Saiba mais...

- Sofia apresenta ao Cpers/Sindicato estudo sobre Piso do Magistério e investimentos em Educação no RS. Saiba mais...
PORTO ALEGRE
Foto Josias Belvanger
- Funcionalismo de Porto Alegre mais uma vez é ameaçado por projeto de Marchezan! Saiba mais...

- MP-RS abre investigação sobre fundo para obras no Mercado Mercado Público de Porto Alegre. Saiba mais...

- Falta de água na Capital: Sofia participa de protesto dos/as moradores/as. Saiba mais...

- O desmonte do DMAE. Saiba mais...
RS e REGIÃO METROPOLITANA
Foto Estela Vilanova
- Veranópolis - Deputada Sofia visita Colégio São Luiz Gonzaga. Saiba mais...

- Cachoeira do Sul - Demandas da Educação pautaram visita de Sofia. Saiba mais...

- Taquari - Combate ao machismo - Iniciativa de Sofia é Lei no Município. Saiba mais... 

- Viamão - Estado autoriza aterro em área de produção agroecológica. Saiba mais...
Boletins Dia a Dia da Vigília #LulaLivre - Acesse aqui.
 FACEBOOK TWITTER YOUTUBE FLICKR WhatsApp51.986390428
Gabinete: Praça Marechal Deodoro, 101, 10º Andar, Sala 1003 - Centro Histórico
Porto Alegre/RS - Fone (51) 3210.1397 - Jorn. Marta Resing

sofia.cavedon@al.rs.gov.br / mandatosofiacavedon@gmail.com

domingo, 17 de fevereiro de 2019

1º Grande Expediente de Sofia será em defesa das empresas e dos serviços públicos do RS

A deputada Sofia Cavedon (PT) ocupará o Grande Expediente de quinta-feira, 21 de fevereiro, às 14h, na sessão plenária da ALRS.

"O Povo gaúcho, a democracia, o plebiscito e o destino das empresas gaúchas" é o tema que Sofia traz para a reflexão do parlamento e para a sociedade gaúcha.

O novo governador não quer ouvir a população e pretende dar continuidade ao governo Sartori, que não apresentava outra alternativa que não o desmonte do estado. Leite tem afirmado e defendido, contrariando o discurso eleitoral, a retirada da exigência de plebiscito para privatização da CEEE, CRM e Sulgás.

O Grande Expediente marcará o início das atividades de luta, que terá a noite o lançamento da Frente em Defesa do Patrimônio Público do RS.

Cachoeira do Sul - Demandas da Educação pautaram visita de Sofia

Foto Estela Vilanova
E lutará pela recuperação do Posto de Atendimento das Mulheres vítimas de violência

Em sua estada no município de Cachoeira do Sul neste Sábado (16) a deputada estadual Sofia Cavedon (PT) comprometeu-se com diversas demandas, em especial as da área da educação,  em reunião com a juventude, educadoras e educadores da cidade

Foto Estela Vilanova
Outra luta assumida pela Deputada, em parceria com a vereadora Telda Assis (PT) que também se fez presente no encontro, é a recuperação do Posto de Atendimento das Mulheres vítimas de violência.

Educação

A deputada Sofia também encaminhará Pedidos de Informação ao Governo do Estado sobre quatro situações de escolas que se encontram com algumas dificuldades, sendo:

Foto Estela Vilanova
- Sobre a obra inacabada há mais de 10 anos de uma Escola de Ensino Médio na Comunidade Piquiri -  região rural que tem cerca de 150 alunos/as que precisam se deslocar 20 km para estudar na cidade;

- Sobre a falta de de um/a técnico/a agropecuário efetivo - Na Escola Técnica Estadual Nossa Senhora da Conceição, no Distrito de Três Vendas, a instituição conta apenas com um técnico em agropecuária por contrato temporário apenas para a docência, não tendo previsão de tempo de preparo da prática, pois não tem contrato para aulas de planejamento.

Foto Estela Vilanova
- Na Escola Estadual de Ensino Fundamental Zilah da Gama Mor a deputada quer saber o porquê, mesmo tendo ganhado recursos no Orçamento Participativo e em várias Consultas Populares, a escola ainda não conta com o seu refeitório.

- E, na Escola Estadual de Ensino Fundamental Professora Marieta Ribeiro de Almeida, localizada na periferia da cidade, Sofia quer saber o motivo da falta de reparos estruturais no estabelecimento, que também foi contemplada com recursos do OP, inclusive para a construção de uma sala de Biblioteca, mas que nunca chegaram para a escola.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

Funcionalismo de Porto Alegre mais uma vez é ameaçado por projeto de Marchezan!

Nesta segunda-feira (18) vamos à Câmara Municipal que já derrotou duas vezes esse projeto!

Muito triste ver uma cidade só ter de seu governante iniciativas que atacam seus servidores e servidoras! Onde estão as propostas de inovação e a competência de gestão?

#EmDefesaDaCapital
#NenhumDireitoAmenos

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Sofia Cavedon apresenta ao Cpers/Sindicato estudo sobre Piso do Magistério e investimentos em Educação no RS

Foto Josias Belvanger
A deputada Sofia Cavedon reuniu-se nessa sexta, 15, com a presidenta do Cpers/Sindicato, Helenir Schürer e o 2º vice-presidente da entidade, Edson Garcia, para debater o piso da categoria nacional, estadual, desde 2009 e os investimentos em Educação no estado nos últimos quatro anos.

Na oportunidade, a parlamentar entregou em mãos dos representantes dos professores, um documento com um estudo realizado pela Bancada do PT na Assembleia Legislativa com dados e análise técnica sobre os dois temas abordados no encontro.

Com o reajuste do Piso Nacional para 2019, hoje o Piso Estadual atual equivale a apenas 49,3% do Piso Nacional, o menor desde a criação do Piso Nacional. O reajuste necessário no Piso Estadual para igualar ao Piso Nacional, que era de 34,7% em final de 2014, agora passou para 103%.”, destacou a deputada.

A presidenta do Cpers lembrou da grave realidade dos(as) educadores(as), que amargam quatro anos sem reajuste e 38 meses de salários parcelados.

Veja também:
- Sofia questiona falta de investimentos em educação
- O salário do Magistério gaúcho fica mais longe do piso
- Deputada Sofia visita Colégio São Luiz Gonzaga, em Veranópolis

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Sofia participa de ato contra a Reforma da Previdência

A deputada Sofia Cavedon (PT) participou na noite desta quinta, 14, na Esquina Democrática em Porto Alegre, do Ato Unitário Contra a Reforma da Previdência, chamada pelas centrais sindicais.

Sofia destacou em sua manifestação que a Previdência é superavitária. Aposentadoria com dignidade é um direito daquelas e daqueles que dedicaram uma vida de trabalho ao desenvolvimento de nosso país. Não a esta Reforma da Previdência do governo de extrema-direita de Bolsonaro que quer fazer o povo trabalhar até morrer!! Queremos direitos. Este é o clamor das ruas no dia de hoje!

Viamão - Estado autoriza aterro em área de produção agroecológica

A deputada Sofia Cavedon em espaço de liderança da Bancada do PT na sessão plenária desta quarta-feira (14), denunciou a decisão do governo do Estado de autorizar a instalação de um aterro sanitário em uma região de produção agroecológica em Viamão. De acordo com a parlamentar, a comunidade foi surpreendida com a notícia, sem que houvesse qualquer forma de consulta pública.

A área, localizada na Fazenda Monte Verde, faz vizinhança com o assentamento Filhos de Sepé, produtor de arroz orgânico. O espaço também é lindeiro a uma reserva indígena, onde se encontram sete nascentes de água. “As nascentes tem sua ligação com o aquífero que, de um lado, leva ao rio Gravataí e, de outro, ao Lami, na zona sul de Porto Alegre”, destacou Sofia.

A parlamentar petista ressaltou que todos os indicadores e especialistas dizem que é um grande equívoco licenciar um aterro nesta região. Lembrou que ninguém é contra aterro, mas que estes devem ser instalados em lugares apropriados. Sofia Cavedon defendeu a realização de audiência pública, com a presença dos órgãos e entidades ambientais. “Precisamos saber o impacto desta obra, do funcionamento do aterro, do tráfego constante de caminhões, terá na fauna e na produção agroecológica desta região”, disse.

 Texto: Claiton Stumpf/PTSul

MP-RS abre investigação sobre fundo para obras no Mercado Mercado Público de Porto Alegre

Foto Marta Resing
Ação no MP de Contas foi iniciativa da deputada Sofia Cavedon quando vereadora da capital, que na época solicitou informações sobre a situação do FunMercado como, valores arrecadados, valores em caixa, destinação dos recursos arrecadados entre 2012 e 2017, e funcionamento dos mecanismos de gestão do Fundo.

Matéria publicada na edição do Jornal do Comércio desta quinta-feira (14)

Por Igor Natusch/JC

Foto Claiton Dornelles/JC
O Ministério Público do Estado (MP-RS), por meio da Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística, abriu procedimento para investigar a gestão do Fundo Municipal do Mercado Público de Porto Alegre (Funmercado).

Na última quarta-feira, o MP-RS enviou ofício à prefeitura, pedindo que o município "informe detalhadamente" sobre como funciona a administração do fundo, que deveria custear obras, reformas e ações de manutenção e animação do prédio, tombado como patrimônio histórico.

A investigação, solicitada pela vereadora Sofia Cavedon (PT), é disparada pelo edital de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), liberado pela prefeitura em maio do ano passado com vistas a uma futura parceria público-privada (PPP) em torno do Mercado.

Em documento juntado aos autos, o promotor Cláudio Ari Pinheiro de Mello considera que "a possibilidade jurídica e conveniência urbanística" de uma PPP é questionável, e que os recursos do Funmercado deveriam, em teoria, ser "suficientes para a administração adequada do equipamento".

Criado em 1987, o Funmercado é abastecido com a receita arrecadada a partir das permissões de uso do Mercado Público. A gestão dos recursos caberia à Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc) e à prefeitura. No entanto, vereadores de oposição vêm denunciando, há anos, que os recursos vêm sendo desviados para o caixa único do município, o que é ilegal.

O Funmercado estava entre os fundos públicos municipais que a prefeitura pretendia extinguir no ano passado, como parte de um pacote voltado à diminuição e racionalização de gastos no Executivo.

A alegação do governo municipal era de que várias dessas contas estavam inativas há anos, ou que não dispunham de recursos suficientes para que as entidades beneficiadas cobrissem suas despesas. Além disso, o projeto propunha reverter os saldos de cada fundo ao caixa único municipal, inclusive de forma retroativa. Em setembro de 2018, o projeto de lei complementar foi rejeitado na Câmara, por 14 votos a cinco.

Procurada pela reportagem, a Procuradoria-Geral do Município afirmou não ter conhecimento da investigação, pelo menos até o fechamento da matéria. A Ascomepc também não se pronunciou, apontando que precisava se informar sobre o conteúdo da investigação do MP-RS. - Jornal do Comércio.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Sofia questiona falta de investimentos em educação

A deputada estadual Sofia Cavedon (PT) falou, nesta quarta-feira (13) na sessão plenária da Assembleia Legislativa do RS, sobre os salários dos professores que estão muito abaixo do piso nacional e os problemas na estrutura física das escolas estaduais.

Sofia também foi empossada nesta quarta-feira como titular na Comissão de Educação, deu dois exemplos de deterioração das escolas. O primeiro no Instituto de Educação General Flores da Cunha, primeira escola pública do Estado que completa neste ano 150 anos, que agora está dividido em quatro espaços e teve a educação infantil fechada. De acordo com a deputada, uma obra de restauro da ala que atenderia a educação infantil estava prevista para o espaço da educação infantil, mas não foi concluída.

Outra escola que está em situação precária é o Colégio Estadual São Luiz Gonzaga, de Veranópolis, que está com parte do prédio interditada há um ano e meio. Segundo Sofia, uma obra de restauro estava programada para iniciar em janeiro, mas até agora não começou. “A educação estadual começa com muitos desafios. Temos que pensar no respeito e na dignidade dos professores, mas o espaço físico também precisa ser seguro. Não podemos começar o ano letivo com uma escola escorada como é a São Luiz Gonzaga de Veranópolis”.

Veja também:
- O salário do Magistério gaúcho fica mais longe do piso
- Deputada Sofia visita Colégio São Luiz Gonzaga, em Veranópolis

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

O desmonte do DMAE

A deputada Sofia Cavedon (PT) denunciou na tribuna da Assembleia Legislativa do RS nesta terça-feira (12), o que chamou de desmonte do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) de Porto Alegre.

De acordo com a parlamentar, apesar de ser superavitária (tendo quase R$ 150 milhões em caixa), a autarquia não tem condições melhorar o abastecimento da Capital, por conta da política adotada pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior.

A voracidade e o desejo de privatização faz com que dois mil cargos estejam vagos e apenas 1506 estejam ativos, gerando um esforço de horas extras sobre-humano, aumentando o risco de acidentes e comprometendo a qualidade técnica do trabalho”, criticou.

Veja também: Falta de água na Capital: Sofia participa de protesto dos/as moradores/as


Reunião preparatória a Marcha Mundial das Mulheres debate realidade feminina no mercado de trabalho

Publicado no site do SindiBancários/RS por José Antonio Silva

Debate com Marilane Teixeira 

Foto Marta Resing
Números apontam que as trabalhadoras precisam de políticas públicas de qualificação profissional e que as mulheres negras recebem os menores salários

Na atual crise brasileira, as primeiras pessoas a perderem seus empregos são as que não possuem qualificação. Por outro lado, como o índice de trabalhos com carteira assinada caiu  em todo o país, o que mais cresceu foi o trabalho das mulheres negras, porém em condições de total informalidade, ganhando pouco e sem direitos nem garantias.

Os dados constam do trabalho “Mulheres, trabalho e reformas”, apresentado na manhã desta terça-feira, 12/02, no auditório do SindBancários, pela professora da UniCamp (SP) Marilane Teixeira. Ela dividiu a mesa do encontro – preparatório para a Marcha Mundial das Mulheres, que acontece anualmente desde 2000 – com a diretora de Mulheres da CUT-RS, Ísis Marques, e a deputada estadual Sofia Cavedon (PT).

Sem empregos qualificados

Foto Marta Resing
“A economia brasileira não está mais gerando empregos qualificados”, afirmou a professora. “No ano passado só o setor de Serviços empregou, e não a Indústria como um todo nem o Agronegócio, que alavanca a economia mas não dá empregos”, destacou. Com um foco voltado especialmente ao setor mais desfavorecido da população brasileira – as mulheres negras – a professora diz que o que mais avançou foi o trabalho por conta própria, sem carteira de trabalho, e mais entre mulheres do que entre os homens. “Os dados de 2018 mostram que a renda média das mulheres negras no país é de R$ 843,00, menor do que o valor do salário mínimo”, acrescentou.

Conforme Marilane Teixeira, atualmente 49% das mulheres negras brasileiras não conseguem contribuir para a Previdência. Outro número significativo trazido pela professora, sobre o perfil dos aposentados do INSS no ano passado, é que 98% dos aposentados rurais ganham um salário mínimo, e entre os trabalhadores urbanos, 80% atinge até o máximo de dois mínimos.

Produção de desigualdade

Foto Marta Resing
A deputada estadual Sofia Cavedon lembrou que hoje vive-se uma disputa de visões de mundo, e que os setores organizados precisam esclarecer que as políticas de direita – como a do atual governo brasileiro – produzem desigualdade. Ela focou na questão do professorado estadual, que ao final do governo Tarso Genro, utilizando uma política de completivos salariais, chegou-se próximo do piso nacional da categoria. “Hoje, tanto no governo Sartori quanto no atual, de Eduardo Leite, a situação salarial piorou e 76% da categoria teriam que receber o completivo para chegar ao piso nacional”, exemplificou.

“Com a atual apologia da crise, foram congelados os planos de carreira do funcionalismo”, lembrou a parlamentar. Entre outros desafios, atualmente a pauta de reivindicação foi rebaixada. Neste sentido, Sofia Cavedon lembrou um fato recente: “Num encontro de professores estaduais com as autoridades, havia um cartaz que dizia ‘Nenhum emprego temporário a menos’”, exemplificou a deputada. Abrindo ao panorama nacional, ela enfatizou que, ao mesmo tempo em que os trabalhadores e trabalhadoras sofrem todo o peso da crise, setores como o Judiciário, o Legislativo e as Forças Armadas seguem tendo reajustes e aumentos frequentes.

Fonte: Imprensa SindBancários

O salário do Magistério gaúcho fica mais longe do piso

Informações importantes para todas as professoras e professores conseguirem entender o que aconteceu neste tempo de Sartori e que o novo governador pretende continuar.

Leia matéria com a deputada Sofia Cavedon publicada na edição desta terça, 12, no jornal Correio do Povo.

Falta de valorização dos professores e professoras do Estado e os riscos de reduzir ainda mais os salários do funcionalismo é destacado por Sofia que tem em seu mandato a defesa da Educação pública e de qualidade.

Assista aqui a sua manifestação na tribuna da Assembleia Legislativa.