segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Mostra do Teatro Glênio Peres começa na sexta-feira

Arte Marta Resing
Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres é uma iniciativa da vereadora Sofia Cavedon, que a institui por Projeto de Resolução da Mesa Diretora durante a sua gestão na presidência da Casa Legislativa.

A banda Trem Imperial vai abrir a agenda de espetáculos no dia 30

A Câmara Municipal de Porto Alegre divulgou o calendário de apresentações da II Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres, que terá 11 atrações de música, teatro, dança e circo com entrada gratuita até o final do ano.

Foto Divulgação/CMPA
Os espetáculos começam nesta sexta-feira (30/9), às 20 horas, com o show Louca Viagem, da banda Trem Imperial, da Capital, que também vai se apresentar no dia 1º de outubro (sábado) no mesmo horário.

Os ingressos (limitados a um por pessoa) para os shows dos dias 30/9 e 1º/10 devem ser retirados nesta terça-feira (27/9), na Seção de Memorial da Câmara (Avenida Loureiro da Silva, 255), das 9 às 12 horas e das 14 às 18 horas. Caso sobrem entradas, serão distribuídas até duas (2) por pessoa a partir de quarta-feira (28/9) nos mesmos horários.

Confira as atrações da II Mostra do Teatro Glênio Peres, com datas, horários e faixa etária indicativa:

30/9 e 1º/10 - 20 horas – Louca Viagem - Banda Trem Imperial – Música – Livre;
7/10 e 8/10 - 16 horas – Feito Criança – Cia. Rústica - Teatro – Livre;
15/10 e 16/10 - 16 horas – O Magnífico Circo Praça – Circo Híbrido - Circo – Livre;
22/10 e 23/10 - 19 horas - Brechó da Humanidade – Projeto Solos Animados – Teatro – 14 anos;
26/10 e 27/10 - 20 horas – Formas de falar das mães dos mineiros enquanto esperam que seus filhos saiam à superfície - Teatro – 12 anos;
12/11 e 13/11 - 20 horas – Abobrinhas Recheadas, o Jogo – Macarenando Dance Concept - Dança – 12 anos;
19/11 e 20/11 - 20 horas – Gotas de Cristal - Circo – Livre;
26/11 e 27/11 - 16 horas – Flamenco Imaginário – Cia. De Flamenco Del Puerto – Dança – Livre;
1º/12 e 2/12 - 20 horas – Tonho Crocco e Banda Partenon 80 – Música – Livre;
8/12 e 9/12 - 20 horas – Instrumental Picumã, lançamento do 1º CD – Música – Livre;
16/12 e 17/12 - 20 horas – Ânima Cia. de Dança 25 Anos – Dança – Livre.

Trem Imperial 

Surgida há nove anos, a banda Trem Imperial é formada por Andrei Corrêa (vocal e guitarra), Filipe Narcizo (baixo e vocal) e Lucas Kinoshita (bateria e vocal). No show Louca Viagem (mesmo nome do CD lançado em maio de 2016 no Theatro São Pedro), o grupo vai mostrar, durante uma hora, o resultado de sete anos de pesquisa musical, com canções que falam do cotidiano e diretamente ao coração. Como afirma a banda, as faixas mesclam reggae, rock, funk, psicodelia e MPB. Entre as influências, eles citam Os Mutantes, Bob Marley, Pink Floyd, Steel Pulse, The Police, Beatles e Gilberto Gil.

O grupo já se apresentou em diversas cidades do interior gaúcho, no Festival Morrostock de 2013 e também no Uruguai e na Argentina. Completam a equipe da Trem Imperial: Clauber Scholles (técnico de som), Ronaldo Treme (técnico de luz), Sandra Narcizo (produtora executiva) e Camila Sequeira (assessora de imprensa). Michele Kisiolar assina o figurino. As apresentações da banda no Teatro Glênio Peres terão participação especial de Carmen Correa, em 30/9, e de Marietti Fialho, no dia 1º.

 O Teatro Glênio Peres fica no segundo piso da Câmara (Avenida Loureiro da Silva, 255) e tem estacionamento gratuito. O público deve entrar pelo pórtico lateral do prédio. A portaria da rampa estará fechada. Informações: (51) 3220-4318.

Fonte: Portal da CMPA

Veja também:
Mostra de Artes Cênicas e Música na Câmara de Porto Alegre

Plenária de Reta Final e Agenda de Mobilização desta Segunda-feira

Vamos organizar a última semana de campanha deste 1º Turno. 
Com Sofia Vereadora e Raul Pont Prefeito

Participe, Compartilhe, Convide:

Agenda de Mobilização desta Segunda-feira - 26 de Setembro

7h -8h - Equipe 2: E. M. Wenceslau 134, R. Mil Novecentos e Quarenta e Oito, 36 - Rubem Berta
8h - 11h -  Equipe 2: Panfleteação no em torno Escola Wenceslau
9h - 17h - Equipe 1: Panfletagem no bairro CEFER 1 e 2; o dia todo 
9h - 17h - Equipe 3: Panfleteação no bairro Sto Antônio. Encontro na Oscar Pereira com a Dr. Malheiros 
9h30 - Raul faz panfletagem no Terminal Triângulo – encontro no centro interno do Terminal 
11h -13:30 Sofia conversa com estudantes Campus Saúde
12:15h - Núcleo Saúde da majoritária faz mutirão PA Bom Jesus 
13h - 13:30 - Equipe 2: E.M. Timbuava, próximo ao Cesmar 
13:30 - 17h - Equipe 2: Panfleteação caminhada Safira ( Timbaúva e Sabiá)
16h - 18h - Sofia participa de debate sobre a Cultura com SATED
18:30 - 1h - PLENÁRIA DE RETA FINAL SOFIA 13113
19h -21h  -  Festa de aniversário da Eve – Bar do Marinho

sábado, 24 de setembro de 2016

Plenária de Reta Final nesta Segunda-feira

Vamos organizar a última semana de campanha deste 1º Turno. 
Com Sofia Vereadora e Raul Pont Prefeito

Participe, Compartilhe, Convide:

Agenda de Mobilização do Final de Semana

24/09 - Sábado

9h -12h - Equipe 1: Caminhada na Bom Jesus com Sofia, ponto de encontro   na Feira do Jd. do Salso
9h - 12h - Equipe 2: Panfleteação Vila Jardim – Concentração Estrada do Forte com Saturnino
10h - 12h - Equipe 3: Panfleteação na Restinga – Encontro na Escola Dolores
10h - 12h - Equipe 4: Panfletagem nas Ilhas
12h - 14h - Encontro com Trabalhadoras/es da Educação com Sofia – na Garcias Churrascaria
13h - 18h - Equipe 1: Morro da Cruz/ Cont. da panfleteação. Ponto de encontro: EMEF Prof. Judith Macedo de Araujo - Rua Saul Constantino, 100 - São José
14h - 17h - Equipe 3: Lomba do Pinheiro - Escola Vila Lobos na Vila Mapa
14h - 17h - Equipe 2: Panfleteação Vila Jardim – Concentração Estrada do Forte com Saturnino
14h - 17h - Equipe 4: Panfleteação nas Ilhas (Continuação) – Ilha Grande dos Marinheiros
14:30 - 17h - Núcleo Humaitá: Sofia faz caminhada na ocupação Zumbi com Dona Laura
17h - 19h Sofia vai a inauguração do novo espaço da Acompar
20:30 Sofia participa PoA em Cena – Teatro do Sesi - BiT – Compagnie Maguy Marin (França)
21h - 22:30 - Equipe 5: Teatro SESI, 23º POA em Cena (Equipe Noturna)
23hSofia participa aniversário do Kaiper

25/09 - Domingo

8h -12h - Equipe 2: Feira Ponce de Leão – R. Dom Claudio Ponce de Leon, Vila Ipiranga -Concentração Loja D’Pascoal
9h -18h - Banca no Brique da Redenção
9h - 10:30 - Bicicletada da Vitória - nos Arcos da Redenção com Raul e Olívio
9h - 11hSofia participa do Fala Rua – Praça dos Açorianos
9h - 12h - Equipe 3: Aberta dos Morros
9h - 14h -Equipe 4: Parque Marinha do Brasil
15h -17hSofia vai à Festa na Praça Mafalda Veríssimo
16:30 - Equipe 5: Concertos UFRGS no MARGS (Equipe Noturna)
17h - 18h Sofia vai ao Consertos Comunitários da Primavera – Araújo Vianna (Entrada Franca)
18h - Equipe 5: Concertos Comunitários na Redenção (Equipe Noturna)
19h - 21hSofia vai ao Teatro - PoA em Cena - Sala Álvaro Moreyra (CMC) - Cadarço de sapato ou ninguém está acima da redenção.

E na Segunda-feira:

Acompanhe também a agenda Raul Pont - 13 - Prefeito

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

MP do Ensino Médio é publicada em edição extra do Diário Oficial

Da Agência Brasil

Foto Lidyane Ponciano/Sind-UTE/MG
Após de ter anunciado ontem (22) a medida provisória (MP) que reestrutura e flexibiliza o ensino médio no país – e depois de ter dito que sua publicação só sairia na semana que vem – o governo federal acaba de publicá-la em edição extra do Diário Oficial da União de hoje (23). Sobre a polêmica em relação à obrigatoriedade do ensino de sociologia, filosofia, arte e educação física, a questão será decidida pela Base Nacional Comum Curricular, que ainda está sendo definida. Por enquanto, essas disciplinas continuam obrigatórias nos atuais currículos.

A Base Nacional Comum Curricular é um documento que, desde o ano passado, está sendo definido, com o objetivo de nortear e definir o conteúdo que os alunos deverão aprender a cada etapa de ensino. A Base específica para o ensino médio começará a ser discutida no próximo mês, de acordo com o Ministério da Educação (MEC) e deverá ser finalizada até meados do ano que vem.

Conteúdos

Ao publicar nesta sexta-feira (23) a MP 746/2016, o governo torna obrigatória para os três anos do ensino médio apenas o ensino de português e matemática. Inglês também torna-se obrigatório, mas não necessariamente para os três anos.

Os demais conteúdos serão definidos pela Base. A fim de possibilitar que isso seja feito, o governo exclui a obrigatoriedade do ensino de arte, filosofia, sociologia e educação física no ensino médio.

As mudanças só virão provavelmente a partir de 2018 – de acordo com o texto da MP, no segundo ano letivo subsequente à data de publicação da Base Curricular, mas podendo ser antecipado para o primeiro ano, desde que com antecedência mínima de 180 dias entre a publicação da Base e o início do ano letivo. Ou seja, nada muda nos atuais currículos.

Horas

De acordo com a MP, cerca de 1,2 mil horas, metade do tempo total do ensino médio, serão destinadas ao conteúdo obrigatório definido pela Base Nacional Curricular. No restante da formação, os alunos poderão escolher seguir cinco trajetórias: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas – modelo usado também na divisão das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – e formação técnica e profissional.

As mudanças pretendem favorecer também a aplicação dos conhecimentos em diversas áreas – inclusive no dia a dia dos alunos e na realidade do Brasil e do mundo. Pelo Plano Nacional de Educação (PNE), até 2024, 50% dos matriculados cumprirão jornada escolar em tempo integral de, no mínimo, sete horas por dia, somando 4,2 mil horas em todo o ensino médio.

Escola em tempo integral

Segundo o ministro da Educação, Mendonça Filho, a pasta investirá R$ 1,5 bilhão para ofertar o ensino integral a 500 mil jovens até 2018. O tempo integral passará a ser fomentado a partir do ano que vem. “O tempo integral retira os jovens da vulnerabilidade nas grandes e médias cidades do Brasil e garante uma educação de qualidade”, diz Mendonça Filho.

Notório saber

De acordo com a MP, as aulas do ensino técnico e profissional poderão ser ministradas por profissionais com notório saber - ou seja, sem formação acadêmica específica na área que leciona -, reconhecido pelos respectivos sistemas de ensino para ministrar conteúdos afins à sua formação. “Isso não vale para os demais conteúdos, se eu tenho o ensino de filosofia, eu vou continuar tendo que ter um professor formado em filosofia, isso não muda. Vale apenas para o ensino técnico”, disse o secretário de Educação Básica, Rossieli Silva, ontem (22), no anúncio da reforma. Com isso, disciplinas como matemática e português continuarão sendo ministradas por professores formados nessas áreas.

A MP define também que os currículos de formação dos professores terão por referência a Base Nacional Curricular.

Fonte: Portal Agência Brasil

Encontro de Sofia com Sindicalista nesta Quarta-feira

Por Nenhum Direito a Menos!

Último dia para eleger a Chapa 3 Oposição sem Assédio e sem Mordaça para o Simpa

Hoje, sexta-feira 23 de setembro - é o último dia para votar no o primeiro turno da eleição para o Sindicato d@s Municipári@s de Porto Alegre - Simpa.

O mandato da vereadora Sofia Cavedon apoia a Chapa 3 Oposição sem Assédio e sem Mordaça, que tem em sua pauta a defesa da Democracia, a luta por nenhum direito amenos, a defesa do Previmpa, o compromisso com a categoria e com a inovação e formação sindical.

Visite a fanpage Sem assedio, sem mordaça, oposição Simpa Chapa 3  e saiba mais.


Agenda de Mobilização desta Sexta-feira

Todos os dias – de Segunda a Sexta, no Largo Glênio Peres tem uma banca do nosso Comitê.  Domingos a banca estará na av. José Bonifácio – Brique da Redenção 

23/09 Sexta-feira

7h- 8h - Equipe 2: Escola Dom João Becker
8h – 11:30 - Equipe 2: Panfleteação IAPI – Concentração Ubirici
8h – 9hSofia participa das ELEIÇÕES DO SIMPA
9h – 10:30Sofia faz caminha no Residencial Vitória
9h -12h - Equipe 3: Vila São Pedro - Em frente ao Bourbon
9h – 18h - Equipe 1: Morro da Cruz/EMEF. PROF JUDITH MACEDO DE ARAUJO – P.E: Rua Saul Constantino, 100 - São José.
9:30 – 11:30 - Agenda Raul: Panfletagem comércio da Assis Brasil – encontro Viaduto Ubirici
11h – 14h - RU ESEFID – UFRGS com Sofia - R. Felizardo, 750 - Jardim Botânico
12:15 – 13:15 - Agenda Raul: Panfletagem no Hospital Conceição – na entrada do Conceição na av. Francisco Trein
13h – 13:30 - Equipe 2: Escola Gonçalves Dias
13h – 15h - Equipe 3: Lomba do Pinheiro - encontro escola Vila-Lobos na Vila Mapa
13:30 - 17h - Equipe 2: Panfleteação IAPI – Concentração Ubirici
15h – 17h - Equipe 3: Panfleteação no bairro Medianeira - encontro igreja Medianeira
15h – 17hSofia participa de chá com apoiadoras – Dona Ruth Dória - Jardim Itati, vila Ipiranga
17:30 – 19h - Equipe 4: Caminhada na vila Planetário com Sofia – encontro na Jacinto Gomes
17:30 – 18:30 - Equipe 3: Creche Elzinha
18h – 19h - Equipe 5: panfleteação das paradas da Borges e Salgado Amanda e Sílvia
18h – 19h - Plenária de Reta Final e Mobilização Raul – Auditório da Fetrafi, rua Fernando Machado, 820
18:30 – 20:30Sofia participa do jantar SIMPRO no Hebraica
21h - Equipe 5: Teatro Renascença/São Pedro/Auditório Araújo Viana Equipe Noturna

Dúvidas ou queres te agregar às nossas agendas? Manda um watts que responderemos o mais rápido possível. Ou liga para: Coordenação das Equipes – Amanda (9917.1012) - Contato Comitê: fone 98641012 endereço: Rua João Guimarães, 337 e av. João Pessoa, 741.

E no Sábado:

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Eike quis entregar repasses ao PSDB e a reação da Lava Jato foi devolver a lista

Por Cíntia Alves/Portal GGN

Foto GGN
Um empresário decide colaborar espontaneamente com a Lava Jato entregando uma lista de doações de cunho "oficial e privado" a vários partidos e políticos, incluindo o PSDB. Qual a reação dos procuradores? Descartar a informação porque extrapola o campo de combate contra as gestões petistas e devolver a lista? Pois foi o que aconteceu no caso Eike Batista e Guido Mantega

Jornal GGN - Imagine a seguinte cena: um grande empresário brasileiro lê nos jornais que a Lava Jato chegou ao casal de marqueteiros que fez as campanhas de Dilma Rousseff em 2010 e 2014 e decide, espontaneamente, procurar a força-tarefa para explicar por que fez um repasse à dupla, em conta no exterior, no valor de R$ 5 milhões.

Para mostrar boa-fé, o magnata aproveita a oportunidade para entregar à Lava Jato uma lista de doações que ele fez de maneira "oficial" ou "privada" - sugerindo uso de caixa dois com direito a formulação de contratos de prestação de serviços.

Essas doações, segundo ele, foram feitas "republicanamente", com valores iguais a vários partidos e candidatos que o empresário sequer chegou a conhecer, como é o caso do senador Cristovam Buarque (PPS). E diz a frase mágica: se teve repasse de R$ 1 milhão ao PT, teve também ao PSDB.

Qual a reação dos procuradores? Descartar a informação porque extrapola o campo de combate contra as gestões petistas e devolver a lista? Pois foi o que aconteceu no caso Eike Batista e Guido Mantega.

Em operação casada, a Lava Jato prendeu e soltou o ex-ministro da Fazenda nesta quinta (22), enquanto o Estadão, simultaneamente, publicou os vídeos da delação de Eike gravados pela própria força-tarefa.

A cena narrada acima acontece por volta dos 5’30’’ do vídeo abaixo, quando os procuradores perguntam se Eike tem alguma observação a fazer logo no começo do depoimento.



"Talvez seja importante relatar aqui… Nós temos a lista de contribuições de campanha?", pergunta o empresário ao advogado. O documento de cerca de duas páginas é entregue a Eike, que repassa a um membro da Lava Jato.

"Como eu fazia? Eu fazia, muito no espírito democrático - como meus projetos eram grandes, eu estava em todos os estados - (...) eu participei praticamente desde 2006 com o mesmo volume de recursos - um milhão de reais - para PT, PSDB… Isso daqui a gente deixa aqui", diz Eike, entregando a lista de beneficiados aos procuradores.

Nesse segundo, um procurador diz: "Perfeito, se o senhor quiser a gente pode anexar no seu termo [de delação] depois…", e segura o documento por alguns minutos, enquanto faz a conversa voltar ao dia em que Eike conversou com Mantega no gabinete do ex-ministro sobre uma doação de R$ 5 milhões para pagar dívidas da campanha de 2010.

Por volta dos 9 minutos e meio de gravação, o procurador devolve a lista com os políticos e partidos que receberam recursos de Eike Batista ao advogado do empresário.

Percebendo o pouco valor dado à lista de Eike, o advogado volta a colocar o assunto em pauta. "Desculpe interromper, mas só para deixar claro: várias dessas pessoas que receberam doações do Eike, ele nunca viu. Ele nunca procurou políticos. Eu posso falar do senador Cristovam Buarque, que o Eike nunca esteve com ele. Ele pode confirmar. Eike fez doações em caráter republicano", diz o defensor.

O procurador, mais uma vez, corta o assunto e pediu que Eike contasse novamente como Mônica, a esposa de João Santana, buscou sua empresa para fazer o pagamento de R$ 5 milhões numa conta na Suíça.

O depoimento de Eike foi feito em 20 de maio deste ano. O empresário diz que antigamente, quando seu grupo não estava em crise, R$ 5 milhões em doações eram um trocado, mas um trocado que ele não gostava de dar como "simples remessa". Ele gostava de ter uma contrapartida.

Para quitar a dívida do PT com João Santana, Eike exigiu um serviço do casal. Fez seu corpo jurídico bater um contrato de prestação de serviço. A dupla de marqueteiros entregou uma consultoria valiosa sobre investimentos que poderiam interessar a Eike na Venezuela, onde Santana tem bom trânsito por conta das campanhas que fez na América Latina.

No final do depoimento, por volta dos 25 minutos do segundo vídeo, quando a Lava Jato abre novamente espaço para Eike dizer o que quiser, um advogado volta a destacar a lista das doações eleitorais. "(...) acho que podia esclarecer justamente, para que os senhores tenham uma noção do que que ele fez, das doações que ele fez, não só doações eleitorais. (...) Não são só doações eleitorais, mas doações de cunho privado, entendeu?"

Mais uma vez, o grupo de Eike foi ignorado. A força-tarefa não teve curiosidade em saber se essas doações ocorreram, de fato, por fora e com quais contrapartidas.



O depoimento completo pode ser lido aqui. Nele, Eike diz que Mantega pediu, "se possível", a colaboração de R$ 5 milhões, mas não fez nenhuma ameaça nem cobrou resultados após a reunião. A iniciativa de cobrar o serviço de João Santana foi do empresário.

A Lava Jato quis saber se Eike detinha contratos com o poder público à época, na tentativa de descobrir se ele se sentiu chantageado. Eike negou chantagens, mas sinalizou negócios com o BNDES.

Fonte: Portal da GGN

Greve dos Bancários e Bancárias cresce no RS

Mesmo sob ataque e silêncio dos bancos, GREVE volta a crescer no RS, com 1.007 agências fechadas em todo o Estado

Foto Anselmo Cunha 
Os bancos resolveram que a GREVE deveria ser atacada com truculência, pressão sobre funcionários para irem trabalhar e até com a Brigada Militar. A via da falta de diálogo por parte dos representantes dos banqueiros na Fenaban tem caracterizado a GREVE. Mesmo assim, em seu 17º dia, a GREVE nacional voltou a crescer. Na área de abrangência do SindBancários, nesta quinta-feira, 22/9, 297 agências ficaram fechadas, totalizando, 1.007 no Rio Grande do Sul. Em todo o Brasil, 13.159 agências foram fechadas.

Diante do crescimento da GREVE, o Comando Nacional dos Bancários decidiu se reunir na próxima segunda-feira, 26/9, em São Paulo, na sede da Contraf-CUT, a partir das 14h. Os dirigentes sindicais vão avaliar as paralisações e mobilizações da maior greve da história da categoria e definir os próximos passos a serem seguidos.

A pauta de reivindicações foi entregue aos bancos no dia 9 de agosto, mas a Fenaban não apresentou proposta decente, que contemple as reivindicações dos trabalhadores. Já foram oito rodadas de negociação sem sucesso. Mesmo após recordes diários de agências e locais de trabalho paralisados, os bancos insistem em se manter em silêncio, diante das demandas dos bancários, preferindo o uso de práticas antissindicais para tentar desestruturar o movimento grevista.

Na área de abrangência do SindBancários, o dia foi de se integrar à agenda do Dia Nacional de Lutas e Paralisações, chamado pelas Centrais Sindicais. Além do Dia Nacional de Lutas, que teve caminhadas pela cidade, e manifestação em frente ao  Palácio Piratini, os bancários em GREVE atuaram no sentido de resistir aos ataques dos bancos á GREVE.

O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, exaltou a participação dos bancários, o crescimento da GREVE e a falta de diálogo dos bancos. “Se a problemas nas agências, com filas excessivas e com as pessoas enfrentando dificuldades para realizar operações bancárias, a culpa é dos bancos. Estamos dispostos a dialogar, conversar na mesa de negociação. Mas não podemos aceitar uma proposta que não corrija nem a inflação do período”, explicou Gimenis.

A última proposta da Fenaban foi de reajuste de 7% no piso e verbas salariais (vales e auxílios) e abono de R$ 3.300,00. Os bancários rejeitaram esta proposta na mesa de 12/9. Depois disso, não houve mais nenhuma sinalização de disposição para negociar por parte da Fenbaban. “A tática dos bancos este ano é acabar com a cultura de aumentos reais que conquistamos com 13 greves consecutivas desde 2003. Por isso eles estão apostando no enfraquecimento da GREVE. A aposta deles está dando errado, porque a GREVE cresce todos os dias”, acrescentou Gimenis.

Fonte: Portal do SindBancários.

Almoço com a Educação neste Sábado

Por uma Educação sem Mordaça, Porto Alegre-se!
Informações pelo Whats/Fone = 9864.1012
(O almoço é por adesão, 20 reais, fora a bebida!)

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Reunião na Casa Civil trata sobre a Segurança da Capital

Foto Marta Resing
Nesta quinta-feira (21/9), a vereadora Sofia Cavedon (PT) entregou ao secretário Chefe em exercício da Casa Civil, José Guilherme Kliemann, documento solicitando a imediata retomada dos quatro Territórios de Paz na capital, localizados nos bairros: Lomba do Pinheiro, Restinga, Rubem Berta e Santa Teresa.

A vereadora estava acompanhada de representação do Conselho Comunitário de Justiça e Segurança (CCJS) de Petrópolis e da Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Três Figueiras (Amatres), que reforçaram as solicitações de Sofia.

Em sua manifestação, Sofia destacou a situação grave que vive os e as trabalhadoras da Educação do Município, que enfrentam diariamente a insegurança estabelecida em Porto Alegre. Ela lembrou que em 2011, quando os Territórios da Paz estavam ativos, os números de homicídios diminuíram em mais de 40%.

Além da retomada dos Territórios da Paz, a parlamentar, como já fez junto ao governo municipal, solicitou a integração dos Centros de Emergências do Estado e Município, nos moldes que funcionaram durante a Copa do Mundo de Futebol.

Na explanação do governo, algumas condições técnicas para a evolução da integração já existem, como a rede de fibra óptica da Procempa que cobre toda a cidade. O governo afirmou que está trabalhando em várias frentes com o objetivo de amenizar a insegurança que Porto Alegre vive hoje.

A vereadora Sofia também solicitou apoio para o seu projeto de lei que está para ser votado na Câmara Municipal, que define o organizador como responsável pela segurança em eventos particulares. A ideia é que os organizadores dos eventos deverão dispor de agentes de segurança, na quantidade e qualificação estabelecidas pelos órgãos competentes. “Com essa regulamentação a segurança nas vias públicas não fica prejudicada, aumentando o efetivo da Brigada Militar nas ruas da cidade”, enfatiza a vereadora.

O Secretário afirmou que o governo está trabalhando nos temas tratados. Nova reunião deverá ocorrer após o primeiro turno das eleições com o objetivo de avançar nas propostas.

Moro a um passo da encenação final contra Lula - Por Jeferson Miola

Foto CMS 
Ao acolher a denúncia “sem nenhuma prova, mas cheia de convicções” dos procuradores contra o ex-presidente Lula, o justiceiro Sérgio Moro fica a um passo da encenação final planejada para a Lava Jato: ou [1] a prisão do Lula; ou, no mínimo, [2] o seu enquadramento criminal, para impedi-lo de disputar e vencer a eleição de 2018.

O discurso cínico da corrupção sempre foi instrumentalizado pelas oligarquias golpistas para desestabilizar e derrubar governos nacionalistas, desenvolvimentistas e democrático-populares – fizeram com Getúlio, Juscelino e Jango no século passado, e com Lula e Dilma na atualidade.

Para o pensador italiano Norberto Bobbio, os fascistas não combatem de verdade a corrupção, apenas usam-na como pretexto para tomar o poder: “O fascista fala o tempo todo em corrupção. Fez isso na Itália em 1922, na Alemanha em 1933 e no Brasil em 1964. Ele acusa, insulta, agride como se fosse puro e honesto. Mas o fascista é apenas um criminoso, um sociopata que persegue carreira política. No poder, não hesita em torturar, estuprar, roubar sua carteira, sua liberdade e seus direitos”.

Em termos formais, a Lava Jato começou oficialmente em 17 de março de 2014, dia em que ocorreu a primeira fase pública com a prisão de doleiros envolvidos na lavagem do dinheiro proveniente da corrupção na Petrobrás.

Na prática, porém, a Lava Jato começou antes; foi idealizada com razoável anterioridade e planejada com inteligência e apuro estratégico. A Operação foi concebida como um instrumento político-ideológico para interromper o ciclo de governos do PT que a oposição liderada pelo PSDB não conseguiu em três eleições consecutivas.

As ainda hoje enigmáticas “jornadas de junho” de 2013 condensaram as condições para o nascimento da Lava Jato, que foi pacientemente gestada em laboratórios conspirativos no Brasil e no exterior. São notórios os seminários de formação brindados pelo FBI e outras agências norte-americanas a policiais, procuradores e juízes. Sérgio Moro, por exemplo, participa anualmente de eventos nos EUA – o irônico é não encontrar tempo para prestar esclarecimentos aos deputados federais na audiência da Câmara dos Deputados sobre o Projeto de Lei contra a corrupção, em 4/8/2016.

As mobilizações que começaram em março de 2013 com agendas de mobilidade urbana e do direito democrático à cidade, foram inteligentemente capturadas pelo conservadorismo que encorajou a classe média racista, homofóbica e escravocrata a ocupar as ruas desfraldando as bandeiras contra a corrupção, o sistema político, os partidos políticos e defendendo, de maneira instigante, a rejeição da até então desconhecida PEC 37 – que acabou rejeitada com o voto de 430 deputados amedrontados com a pressão da mídia e as “vozes das ruas”.

A proposta de emenda constitucional 37 pretendia retirar o poder do MP de investigar crimes, deixando tal atribuição exclusivamente para a Polícia Federal e para as polícias civis dos Estados. A investigação de Lula pelos procuradores do MP – feita com abusos, seletividade e atropelos – elucida os interesses ocultos naquela grande mobilização para derrubar a PEC 37.

Na dinâmica de 2013 foram inoculados os germens do regime jurídico de exceção que se vive hoje no Brasil. Ali nasceram “movimentos de rua” e ONGs mercenárias financiadas pelos partidos de oposição, por grupos e entidades empresariais e por órgãos estrangeiros – as organizações mais notórias são o Movimento Brasil Livre e o Vem pra Rua.

A Globo, Folha, Estadão e o conjunto da mídia canalizaram o clima de mal-estar que era difuso em relação à política e ao sistema, exclusivamente na direção do governo Dilma, que sofreu uma queda vertiginosa de popularidade em poucas semanas, que nunca foi recuperada.

O discurso da corrupção foi o cimento que deu liga oposicionista às múltiplas tensões abertas no período: a crise econômica internacional, a queda do preço das commodities, o aumento da tarifa de energia elétrica e a desaceleração econômica.

Dali em diante a história é bem conhecida: a Lava Jato carimbou a corrupção na Petrobrás com o selo de “Petrolão do PT”, ainda que o esquema tenha sido aperfeiçoado nos governos FHC; ainda que somente 3 dentre mais de 60 condenados sejam do PT; ainda que 34 deputados do PP sejam investigados; ainda que a cúpula inteira do PMDB – Temer, Cunha, Jucá, Renan, Sarney – tenham sido citados em delações e gravações escandalosas; ainda que Aécio, Serra e parlamentares do PSDB sejam multi-citados em delações; ainda que o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra tenha recebido R$ 10 milhões de propinas etc etc.

A Lava Jato não quer passar o Brasil a limpo; não pretende combater de verdade a corrupção. O objetivo da Operação é arrasar a imagem do Lula e do PT. Previmos no artigo Com ataque a Lula, Lava Jato pode incendiar o país, que Moro agiria como agiu, em que pese a unanimidade jurídica e política que condenou a denúncia espalhafatosa dos procuradores.

Apesar das dissimulações no despacho em que acolheu a denúncia, Moro dará o passo seguinte, que será pela condenação do Lula. Mesmo com a absoluta ausência de provas, ele desde o início tem uma convicção arraigada de que Lula é culpado, independentemente da inexistência de crime para a condenação. É só um jogo de cartas marcadas.

É crescente a revolta e a indignação com os abusos da força-tarefa da Lava Jato contra Lula. Os justiceiros estão assumindo objetivamente o risco do conflito social que a perseguição e a injustiça a Lula podem ocasionar.

Artigo publicado no Portal Brasil247