sexta-feira, 6 de julho de 2012

...ficamos muitos, ficamos fortes, incomodativos!

Fazer política é ir ao encontro
é desacomodar-se,
importar-se e religar-se
ao destino dos outros, ao destino de uma cidade, de um país.

É perceber
que a mesma injustiça que sofre uma mulher na África
é que produz a dor da mulher do bairro Humaitá em Porto Alegre;
que a mesma violência que atinge as crianças no México,
é a que assassina jovens negros na periferia de Porto Alegre -
e ambas nascem e se alimentam da profunda desigualdade produzida
pelo capitalismo!

Da sua lógica que discrimina e marginaliza o pobre e concentra privilégios!
Fizemos a escolha de ir ao encontro:
palmilhamos esta cidade, escutando, empoderando, nos associando à dor e à luta
da nossa gente -
de olho e engajados nos destinos do Rio Grande e do País.

Por isto elegemos Dilma e Tarso
enquanto resistimos às políticas de exclusão na cidade
em nome das grande obras,
resistimos aos privilégios para o poder econômico
denunciando o abandono das políticas públicas básicas
como uma energia elétrica regular, uma água limpa nas torneira e para banho quente,
esgoto canalizado, casa com teto seguro e sem frestas, o médico atendendo no posto;
denunciamos a redução do acesso à cultura e ao esporte pela retirada de recursos e opção
de gestão e o autoritarismo e falta de investimento na formação dos professores e na
inclusão escolar...

Colocamos a Câmara no ônibus lotado, nas vias embarradas, nos montes de lixo, nas calçadas irregulares e perigosas, nas casas rachadas pelas obras, nas escolas inseguras e sem estrutura, junto às cooperativadas sem direitos, às pessoas com deficiência sem escola e sem saúde, aos artistas sem incentivo.

E de tanto ir ao encontro,
ficamos muitos,
ficamos fortes,
incomodativos!

Fizemos Leis que garantiram direitos, alteramos políticas, empoderamos a cidadania!

Tua escolha nesta eleição vai fortalecer este caminho!

Juntos, reinventemos a política e ampliemos as conquistas! Sofia Cavedon

Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem.” Rosa Luxemburgo