sexta-feira, 5 de abril de 2013

Gremistas não querem a elitização do esporte

Foto Tonico Alvares/CMPA
"O direito de torcer, de ter preços populares e evitar a elitização do esporte, foram os principais questionamentos apresentados na reunião da Cece nesta terça". A afirmação é da vereadora Sofia Cavedon (PT-PoA), presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esportes e Juventude (Cece) da Câmara Municipal de Porto Alegre.

 Torcedores querem avalanche e assistir a jogos em pé na Arena

Torcedores, conselheiros e dirigentes do Grêmio foram unânimes em defender que a nova Arena do clube, localizada no Bairro Humaitá, na Zona Norte, tenha garantido um espaço para que os jogos sejam assistidos de pé e que a avalanche, considerada marca registrada dos gremistas, seja liberada. Essa foi a tônica do debate ocorrido na noite desta quarta-feira (4/4), em reunião da Cece realizada no Auditório Ana Terra.

Liberação 

Segundo o vice-presidente do Grêmio, o projeto prevendo as modificações no espaço da geral, onde deveria ocorrer a chamada avalanche, já foi encaminhado ao Ministério Público, que determinou a interdição após o acidente ocorrido no jogo contra a equipe da LDU, pela Copa Libertadores da América. Conforme Hein, é praticamente dada como certa a liberação do espaço para que os torcedores assistam aos jogos em pé naquele local, sendo que, no entanto, barras anti-avalanche serão colocadas para impedir a manifestação desse movimento pelos gremistas que estiverem na geral.

Hein, Silva, Gutierres e Muni foram coesos em defender que, apesar de não concordarem com o veto, compreendem que o momento de comoção pela tragédia de Santa Maria é um fator determinante para a proibição. Pediram, porém, o auxílio dos vereadores para que, ressalvadas todas as condições de segurança necessárias, ela possa vir a ser liberada em breve.

Foto Tonico Alvares/CMPA
O representante da FNT cobrou providências quanto à qualidade do material utilizado para a construção da Arena. Disse ainda que o acidente no jogo contra a LDU se deu porque as grades não estavam sequer parafusadas, conforme fotos apresentadas em um telão aos presentes. Silva também cobrou a responsabilização sobre o fato e disse que a Arena não é um teatro, para salientar a necessidade de revisão para outros impedimentos à torcida, como não assistir ao jogo sem camisa e o uso de cigarros e assemelhados no estádio.

Como encaminhamento, ao final do encontro, ficou deliberado que a Cece irá agendar o mais rápido possível uma reunião com os promotores do MPE, a fim de encaminhar pedido para que seja agilizada a análise do projeto já encaminhado pelo clube com a anuência do Corpo de Bombeiros. Durante a reunião ainda foram tratados temas relativos ao reaproveitamento dos funcionários do Olímpico na Arena, a relação contratual do clube com a construtora OAS e a valorização da administração do novo estádio para com os torcedores.

O encontro, presidido por Sofia contou ainda com a presença do seu colega de bancada Alberto Kopittke; do comandante do 11º Batalhão da Brigada Militar (11º BPM), major Marcelo Tadeu Pitta Domingues; do presidente da Frente Nacional dos Torcedores (FNT), João Hermínio Marques de Carvalho e Silva; do vice-presidente do Grêmio Foot-Bal Porto Alegrense, Nestor Hein; do conselheiro do clube André Gutierres e do representante da torcida Geral do Grêmio, Daniel Muni. Também foram convidados, mas não compareceram à discussão, representantes do Executivo Municipal, da Construtora OAS, do Ministério Público Estadual e do Corpo de Bombeiros.

Íntegra da matéria no Portal da CMPA.