quinta-feira, 2 de maio de 2013

Educação infantil e escola da Embratel pautaram reunião com a Cece

Foto Divulgação SC
Sofia Cavedon, vereadora do PT da capital e presidente da Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) da Câmara Municipal, e lideranças comunitárias da região Glória, em Porto Alegre, reuniram-se nesta quinta-feira (02/5) quando discutiram as demandas da comunidade referente à educação.

No encontro, novamente foi reivindicado ao governo municipal mais vagas para a educação infantil e a imediata construção da Escola da Embratel “que já devia ter sido construída e vem sendo protelada há anos pela Secretaria Municipal de Educação (Smed)”, destaca a presidente da Cece.

Foto Divulgação SC
Na tribuna da Câmara de Porto Alegre, Sofia disse que não existe nenhuma sinalização por parte da Smed de como serão fornecidas vagas para atender demanda de alunos de pré-escola e educação infantil. A vereadora lembrou que a partir de 2016, por determinação constitucional, será obrigatório o ensino dos quatro aos 17 anos. “Isto vai colocar a educação brasileira em outro patamar”, salientou. “Mas a prefeitura não está evoluindo nisso. A única política que existe é de creches conveniadas.”

Sofia também criticou o adiamento de licitação, que estava prevista para este ano, para a construção da escola Alto Embratel, na Glória. “A licitação ficou para 2013”, informou.

Encaminhamentos:

Sofia informa que do encontro ficou encaminhado a realização de uma tribuna popular e uma audiência pública na Câmara de Vereadores da capital. "As lideranças também irão denunciar a redução de vagas da educação infantil na região ao Tribunal de Contas e ao Ministério Público (MP), porque a comunidade quer pressionar para a costrução da escola a Embratel sair este ano e não ser mais adiada", destaca a vereadora.

Ela lembra que as reduções no primeiro ano escolar estão ocorrendo nas escolas:
- Instituto  São Benedito - Praça Belém Velho, 2011 - 150 vagas da pré-escola;
- Escola Leopoldo Neis -  Cascata, 50 -  vagas na pré e 50 no primeiro ano. Seguirá fechando turmas, pois as Irmãs não manterão mais a escola e a Smed não oferece alternativa;
- Lar Fabiano - Pedro Boticário, 336, Glória - também fechou 150 vagas em 2010 e não reabriu mais.

Veja também: 
14 de janeiro de 2011
Escola da Embratel é a principal reivindicação da comunidade
9 de outubro de 2012
Comunidade escolar protesta contra fechamento de escola