quinta-feira, 23 de maio de 2013

Sinpro/RS recebe homenagem por seus 75 anos

Foto Elson Sempé Pedroso/CMPA
O Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS) foi homenageado pela Câmara Municipal de Porto Alegre pelo transcurso dos seus 75 anos de fundação. O ato ocorreu por iniciativa da mesa diretora no período de Comunicações da sessão plenária da tarde desta quinta-feira (23/5).

Em nome dos integrantes da Mesa, a vereadora Sofia Cavedon (PT) destacou a importância da data para o ensino gaúcho. Lembrou que o Sinpro foi o primeiro sindicato de professores criado no Estado, em 21 de maio de 1938. Disse ainda ter consciência de que, “apesar de lidar com a instabilidade no emprego e de, por isso, ter mais dificuldade de fazer a luta sindical, tem tido resultados positivos de qualificação do ensino e da valorização dos profissionais, não só em escolas privadas, mas na educação no sentido mais amplo”, afirmou.

A parlamentar lembrou que o conceito “sindicato cidadão”, adotado na década de 90, é exercitado na prática pelo Sinpro. “A presença de representantes do sindicato é constante em vários debates realizados na Comissão de Educação desta casa, assim como em conferências e outras atividades sobre a qualificação do ensino neste país”, salientou.

Foto Elson Sempé Pedroso/CMPA
Representando cerca de 30 mil professores do ensino privado do Rio Grande do Sul, Cássio Filipe Galvão Bessa, integrante do colegiado que comanda a entidade, destacou que o Sinpro/RS, apesar da sua raiz estar fixada na defesa da classe que atua no ensino privado, está integrado às lutas de uma educação pública de qualidade, participando da organização sindical do país, sendo filiado à Federação dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Rio Grande do Sul (Fetee/Sul), à Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee) e à Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Bessa citou atividades do Sinpro, como a política de descentralização através da presença das 13 regionais, das ações nas duas sedes em Porto Alegre e de Canoas, o espaço de debate no jornal Extra Classe, da manutenção da Casa do Professor, e dos muitos embates em defesa da segurança, qualidade de vida e condições de trabalho dos seus filiados, como a que luta pela remuneração do trabalho dos educadores fora da sala de aula, em atividades de correções de provas, trabalhos, preparação e planejamento.

Fonte: Portal da Câmara Municipal de Porto Alegre