terça-feira, 9 de julho de 2013

Caravana das Boas Práticas Pedagógicas Alunos utilizam diários de classe como instrumento de evolução pedagógica

"sou do barracão,
aqui não é mole não,
mas na escola
mudo minha história"

Foto Ederson Nunes/CMPA
A primeira visita do projeto Caravana das Boas Práticas Pedagógicas, que nesta sua segunda edição é promovido pela Comissão de Educação, Cultura, Esportes e Juventude (Cece) da Câmara Municipal de Porto Alegre, ocorreu nesta terça-feira (09/7) quando foi apresentado o trabalho desenvolvido na Escola Estadual Motta e Silva, localizada no bairro Santa Teresa.

O projeto da escola está auxiliando na evolução do aprendizado dos conteúdos pedagógicos e do autoconhecimento individual e coletivo. Trata-se, salienta a professora Maria Elisabete Machado, que coordena o projeto, de um velho conhecido, o diário de classe, caderno onde são descritos os momentos vivenciados no dia-a-dia de cada uma das crianças e que tem servido como um forte aliado para a mudança de comportamento.

Foto Ederson Nunes/CMPA
A experiência da escola foi apresentada aos vereadores integrantes da Comissão de Educação, pelos alunos e alunas do quarto ano, que contaram como é a sua relação com o diário, fizeram perguntas e cantaram uma música em ritmo de rap "sou do barracão, aqui não é mole não, mas na escola mudo minha história". A composição fala de seus sonhos e da busca e construção de um mundo melhor, sem violência, a partir da educação.

Também se destacaram depoimentos como: “Saber ler, escrever e pensar o que estamos sentindo é o objetivo do diário” – “Cada um tem a sua autonomia para usar o diário”. A atividade desenvolvida pela Cece, segundo a sua presidente, vereadora Sofia Cavedon (PT-PoA), pretende acumular o expertise desenvolvido por algumas comunidades escolares para, depois, democraticamente, compartilhá-los com outras instituições de ensino.

No encontro a presidente da Cece entregou um diário para cada professora, para que no final do semestre seja entregue a Comissão, que fará divulgação dos trabalhos apresentados.

Caravana das Boas Práticas Pedagógicas 

Arte Mario Pepo
Iniciado em 2011 pela Câmara Municipal de Porto Alegre, em parceria com a Editoria de Ensino do jornal Correio do Povo, com o objetivo de conhecer, registrar e socializar práticas pedagógicas desenvolvidas por escolas públicas municipais e estaduais do Rio Grande do Sul.

O projeto nasceu do compromisso do Legislativo com o direito à educação e de sua busca permanente de sintonia com as comunidades, a fim de melhor avaliar e propor iniciativas legislativas, bem como acompanhar a execução desta política pública na cidade. O projeto foi registrado e compartilhado através de um caderno, vídeos e uma mostra de trabalhos, que produziram debates e circulação em 2012; e reinicia, neste ano de 2013, com visitações da Caravana a comunidades escolares. Tomando Paulo Freire como uma referência, a Caravana das Boas Práticas Pedagógicas tem a intenção de desafiar os professores para além do relato, de modo a fazerem a reflexão teórica e socializarem suas vivências e saberes num seminário de compartilhamento do currículo que revelam.

A nova edição da Caravana se volta para o registro do próprio professor e alunos em diários; e na organização de um seminário, que permita a reflexão de suas práticas no diálogo com os demais e com a universidade, bem como o aprofundamento da fundamentação teórica que subjaz as mesmas.

Saiba mais: Caravana das Boas Práticas Pedagógicas - Desvelando e socializando práticas curriculares emancipatórias

Demandas 

Antes da apresentação, a diretora da escola falou sobre a relação com a comunidade e as dificuldades que enfrenta em uma região conhecida pela violência. “Temos alguns problemas com o lixo e pedras que são jogados para dentro da escola, especialmente nos finais de semana, mas apesar de sabermos da violência que existe no lado de fora, nunca fomos alvo dela diretamente”, ressaltou Beatriz Rocha Gonçalves.

A escola, que teve a primeira sede inaugurada na Vila Barracão há 43 anos, possui 664 alunos, e segundo a diretora, hoje as principais demandas são a construção do ginásio de esportes, o preenchimento das necessidades de educadores de séries iniciais, supervisão, coordenação pedagógica e de uma merendeira. Também estão nos planos da direção a conquista de melhorias nos equipamentos de segurança, do sinal de internet e apoio em transporte para atividades complementares externas.

Além de Sofia estavam presentes os vereadores Tarcíso Flecha Negra (PSD) e Professor Garcia (PMDB). 

Com informações da Assessoria de Imprensa da CMPA.