segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Fechamento de escola preocupa a Glória

Foto Francielle Caetano/CMPA
Tribuna Popular ocupada por mães, educadores e comunidade da Escola Leopoldo Neis, pedem que a Smed mude sua posição de fechamento e garanta esforços no sentido de ampliar as vagas nesta escola!" – Sofia Cavedon, presidente da Comissão de Educação da Câmara

Tribuna Popular - Previsão de fechamento de escola preocupa a Glória

Foto Francielle Caetano/CMPA
Mais de 300 crianças poderão ficar sem aulas se a Escola Leopoldo Neis, no Bairro Glória, se for fechada em 2015, alertaram, na Tribuna Popular da Câmara Municipal de Porto Alegre na sessão desta segunda-feira (12/8), a presidente do Centro Comunitário Jardim Renascença, Jussara Cabeda, a professora e psicopedagoga Tamar Ferreira, da Creche do Coração, e a líder comunitária Josina Marcolino. Elas pediram que a Secretaria Municipal de Educação (SME) assuma a Leopoldo Neis, que é particular, e construa logo a Escola Municipal Embratel, prometida há cinco anos.

Uma comissão de moradores luta para reverter a “questão crítica de falta de escolas na Glória, Alto Glória e Cascata”, segundo Jussara. Ela informou que, para a obra da Escola Municipal Embratel, houve lançamento do edital pela SME, mas existe a iminência de fechamento da Leopoldo Neis. “Temos apenas duas escolas de Ensino Fundamental incompleto; para continuarem a estudar, as crianças têm de descer para a Azenha e a Medianeira”, contou.

Foto Francielle Caetano/CMPA
Tamar relatou que muitos egressos da creche onde trabalha não conseguem vaga no Ensino Fundamental no bairro. Lembrou que, pela nova legislação de educação, a partir de 2016 todas as crianças de 4 e 5 anos terão de estar na escola. “Mas o que vai acontecer? Antes mesmo disso, já haverá crianças sem escola”, lamentou, informando que não existe Educação Infantil da rede pública na região, que ainda vai perder uma instituição de ensino.

Foto Sofia Cavedon
Josina alertou para os riscos à segurança dos estudantes que se deslocam por distâncias maiores até a escola, já que muitos pais não têm como levá-los. “Como vamos soltar uma criança sozinha para ir de ônibus? Vamos colocá-la em risco, à mercê do olheiro da esquina?”, perguntou. Ela agradeceu o apoio dos familiares de alunos e da Câmara, mas enfatizou a necessidade de todos olharem para as dificuldades da Glória e arredores.

Fonte: Portal da CMPA.