quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Rodoviários ocupam sede da categoria em Porto Alegre

A vereadora Sofia Cavedon (PT-PoA), chamada pelos trabalhadores para ajudar nas negociações, está acompanhando a manifestação.

Foto Claiton Fortunato/Rádio Gaúcha
Motoristas e cobradores pedem o retorno de dois colegas que foram demitidos, além da aplicação do Estatuto do Motorista.

Desde as 3h15min desta quarta-feira, aproximadamente 50 rodoviários ocupam a sede do sindicato da categoria, na Avenida Venâncio Aires, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre. O grupo conta com motoristas e cobradores que reivindicam o retorno ao trabalho de dois colegas da empresa Sudeste que foram demitidos. Os funcionários afirmam que a demissão dos colegas foi uma retaliação política aos que participaram de paralisações.

Eles formam um movimento contrário à atual direção, e segundo Alceu Weber, presidente da comissão de rodoviários, pedem a realização de novas eleições, onde possam votar em pé de igualdade. Os rodoviários também reivindicam a aprovação e aplicação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 271/2008, o Estatuto do Motorista.

A decisão de ocupar o sindicato ocorreu na semana passada, após o julgamento de uma ação na Justiça do Trabalho. A ação pedia a anulação da Assembleia Geral que aprovou o dissídio da categoria, em 22 de janeiro deste ano. Até o momento, a paralisação não interfere na circulação dos ônibus coletivos em Porto Alegre.

O que diz o PLS 271/2008: 

A proposta, criada pelo senador Paulo Paim (PT-RS), define que a jornada de trabalho do motorista de transporte coletivo não pode ultrapassar 36 horas semanais. O texto também inclui a profissão entre as que são consideradas de risco ou operações perigosas, e esta periculosidade assegura um adicional de 30% sobre o pagamento do funcionário. Além disso, o projeto prevê o retorno a aposentadoria especial após 25 anos de serviço e sem o fator previdenciário. 

Fonte: Portal da Zero Hora

Veja também: 
Carris: paralisação expõe problemas do transporte público de Porto Alegre