segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Segurança em estádios de futebol

Imagem Web
Na pauta da semana está o debate sobre a segurança nos estádios de futebol e de quem é a responsabilidade.

Desde o dia primeiro de março deste ano que tramita na Câmara Municipal de Porto Alegre, projeto de Lei definindo a responsabilidade da segurança em eventos esportivos, culturais e de entretenimentos de natureza particular realizados em estádios, ginásios, centros de eventos, locais de espetáculos e similares na capital.

A proposta, da vereadora Sofia Cavedon (PT-PoA), determina que os organizadores dos eventos deverão dispor de agentes de segurança, na quantidade e qualificação estabelecidas pelos órgãos competentes. “Os organizadores poderão utilizar segurança privada ou firmar convênio com a Brigada Militar, este prevendo o ressarcimento das horas extraordinárias do efetivo empregado, bem como do custeio exigido pelo serviço prestado”, destaca a vereadora.

O comandante-geral da Brigada Militar (BM), coronel Fábio Duarte Fernandes, é favorável a ideia, e tem falado da possibilidade dos clubes pagarem pelo trabalho da Brigada ou contratarem segurança privada. Nos jogos de média complexidade em Porto Alegre, são mobilizados, no mínimo, 300 PMs para a segurança nos estádios. O custo estimado do gasto da Corporação gira em torno de 100 mil reais por partida. "Quando tenho 300 PMs no estádio de futebol, eu deixo de ter 300 nas ruas. Fazemos também as escoltas. Não estamos nos negando a fazer isso, mas a sociedade precisa refletir se quer a polícia nas ruas ou dentro dos estádios", destacou Fernandes.

Conheça o projeto de lei de Sofia. 
Segurança em estádios – Responsabilidade do organizador