terça-feira, 12 de novembro de 2013

Professores 360° - Por Sofia Cavedon

Artigo publicado na edição desta terça-feira (12/11) no Jornal do Comércio

A robótica nos levou até a vila Mapa, na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Comunidade onde a maior possibilidade de inclusão social e de experimentação cultural é a escola municipal que ganhou o nome, sabe-se lá por qual premonição ou inspiração, do maestro Heitor Villa Lobos. E ela não deixa por menos! Em meio à falta de espaço e de recursos humanos, ela aposta no trabalho ousado, singular, includente e exigente. Assim é a robótica na Villa Lobos: os alunos e alunas ganham campeonatos, até mundiais, inventam tecnologia social e dão suporte para os pequenos no Mais Educação. O espaço é minúsculo, num fundo de corredor, e os alunos obtiveram bolsas Jovem Pesquisador da Capes. Em outro corredor, de uma sala de aula adaptada, a professora maestrina conduz, há mais de 20 anos, uma orquestra, que envolve em musicalização, coral, aprendizagem de instrumento. E o Mais Educação é articulado a partir do vão de acesso da escada; os contadores de história interagem com a robótica, as artes plásticas estão nos pilares, nas paredes – lá o extraordinário é o ordinário!

A aula agora é de 360°, anuncia o curso pré-vestibular denominado Anglo: “Aliás, aula especial é um termo pouco expressivo para o que irá acontecer. Cada pessoa aprende melhor de determinada maneira. Algumas respondem melhor ao estímulo visual, outras ao auditivo, outras através de processos de repetição. Nessas aulas, o conteúdo é abordado visando estimular ao máximo todos os sentidos do aluno, fazendo com que ele sinta que está ‘dentro’ da matéria”. “Aqui não perdemos nenhum aluno”, afirma a diretora da Escola Estadual Vera Cruz na Glória. Para os 600 alunos, disciplina e literatura, arte e regras coletivas, envolvimento de pais e projetos construídos juntos resultam em sucesso escolar e mudança de vida. É a mesma complexidade que testemunhamos, é do mesmo profissional que falamos. Professoras e professores 360° é o que são! Multidimensionais, não apenas círculo! É inteligência, amorosidade, criticidade, aprendizagem, energia física, mobilizadas o tempo inteiro para gestar humanidade.

Do contrário, como preparar e desenvolver as aulas que se propõem a “excitar as inteligências de alunos e alunas – para fecundá-los da procura do desconhecido que não foi ensinado, que não é sabido?”. Sim, estes professores não entendem a educação repetição de verdades prontas, apostam na autonomia, na “procura que gera os poemas, a literatura, as obras de arte, as invenções, as teorias” - como define Rubem Alves. 

Fonte: Jornal do Comércio.