quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Quatro jornalistas prestam depoimento na CPI da Ocupação

Vereadores que integram a CPI da Ocupação da Câmara Municipal de Porto Alegre colheram o depoimento de quatro jornalistas na manhã desta quinta-feira (28/11). O relator da comissão, Márcio Bins Ely (PDT), questionou a todos acerca das impressões relativas à ofensa à liberdade de imprensa e expressão durante a invasão do Legislativo, ocorrida de 10 a 18 de julho de 2013.

Sul 21 

Foto Elson Sempé Pedroso/CMPA
O primeiro a falar foi o fotógrafo Ramiro Furquim, do jornal eletrônico Sul 21. Ele afirmou ter visto vários jornalistas dentro da Câmara. Mesmo assim, reconheceu que alguns veículos de imprensa foram impedidos de entrar. “Sei que a Zero Hora e a RBS não conseguiram entrar. Na verdade, entraram e foram hostilizados, mas ninguém bateu neles. Tentei interceder a respeito de uma repórter do Correio do Povo, mas o pessoal não concordou. Eles fizeram o credenciamento deles.”

Furquim comentou o episódio envolvendo Elson Sempé Pedroso, fotógrafo da Câmara. “Não vi a agressão, mas vi as imagens. Isso foi lamentável, mas acho que foi um fato isolado. Conversei com os ativistas sobre o modo de tratar a imprensa. Disse que isso não era interessante para o bom debate que eles estavam fazendo a respeito do transporte público”, salientou.

Sobre possíveis depredações do patrimônio, Furquim contou que não viu nada pichado ou quebrado. “Vi um pessoal muito organizado e com boa vontade de deixar tudo como estava antes da ocupação. Aproveito para dizer que considero que foi uma ocupação, dado o contexto das manifestações, da luta pelo passe livre e pelos esclarecimentos sobre o valor da passagem de ônibus. Chamo de ocupação porque 30 mil pessoas saíram às ruas de Porto Alegre e esta Casa sequer cogitou convidá-los a entrar aqui.” 

Leia também no Sul21:
Jornalistas depõem na CPI que investiga ocupação da Câmara de Porto Alegre

Zero Hora

Foto Elson Sempé Pedroso/CMPA
Acompanha por uma advogada do Grupo RBS, a repórter fotográfica Adriana Franciosi, de Zero Hora, se limitou a falar sobre fatos, sem emitir opiniões pessoais. “Estava mandando fotos para o jornal quando os vereadores resolveram sentar no chão para negociar com os manifestantes. Até aquele momento todos os veículos estavam cobrindo normalmente. Foi quando os manifestantes começaram a gritar contra a RBS TV e expulsaram, com empurrões, o cinegrafista e também a repórter, que foram colocados para fora. Fotografei tudo isso.”

Adriana lembrou que a repórter expulsa chegou a chorar. “Ela foi cercada por cerca de sete pessoas que passaram a hostilizá-la por ela ser da Zero Hora. Ela tentou dialogar, de uma forma inocente. Informou o ocorrido ao editor, que determinou que todos saíssem do local. No dia seguinte, tentamos entrar e fomos impedidos por um grupo que estava na porta”, relatou, antes de também prestar solidariedade ao colega Sempé.

Rádio Guaíba 

Foto Elson Sempé Pedroso/CMPA
O repórter Gabriel Jacobsen, da Rádio Guaíba, informou que teve pequena participação na cobertura dos fatos. “Foi numa única oportunidade e tive livre acesso por todas as dependências da Casa. Na porta do plenário, me disseram que não estavam aceitando a entrada da grande mídia, mas fui tratado cordialmente”, garantiu.

Jacobsen relativizou a situação. “É bastante comum aos jornalistas não terem acesso a todas as salas, a todas as informações. Isso é normal na vida dos jornalistas. Dessa vez, não houve uma assessoria, como há em outros casos.” Antes de terminar, pediu para fazer um comentário. “Sou usuário de ônibus e acredito que não teríamos esta CPI se houvesse o mínimo de respeito a quem usa o transporte coletivo.”

Veja a íntegra da matéria no Portal da CMPA.