sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Obras do Pisa: Moradores vivem dentro de um canteiro de obras

Foto Sandra Ilíbio Braz 
Morando no meio de um canteiro de obras, cerca de 25 casas ainda tem de duas a três famílias em cada lote na comunidade da Vila Icaraí, que está sendo atingida pelas obras do Programa Integrado Sócioambiental (Pisa), na zona Sul da capital.

Chamada para ajudar na intermediação com a Prefeitura, a assessora comunitária do mandato da vereadora Sofia Cavedon (PT/PoA)Sandra Ilíbio Braz, esteve no local esta semana. Conforme relataram os moradores, eles ainda aguardam uma solução do Socioambiental, mas, apesar das inúmeras tentativas dos representantes da comunidade, nenhuma informação é repassada. “Nos tratam como se fossemos invisíveis”, lamentam.

Foto Divulgação Gabinete
No local onde as casas estão, existe um enorme canteiro de obras, com máquinas, guindastes e crianças circulando juntos. “A situação hoje é muito grave, enormes máquinas no local trabalhando, existe uma casa que ficou em situação de risco, após muita escavação”, ressaltam. Eles dizem ainda que as máquinas trabalham desde domingo, a partir das 7h30min, e ligam o gerador a partir das 5h. O bate-estaca, quando começa a trabalhar, "treme" todas as casas. As máquinas ficam transitando pela comunidade ao invés de usar a saída do Jóquei Clube.

Segundo os moradores foi prometido que as famílias iriam para os 40 apartamentos que estão sendo construídos pelo Minha Casa, Minha Vida na Travessa Escobar, porém estes apartamentos eram para estar prontos em junho, passou para agosto, depois dezembro e agora para fevereiro de 2014 .

Foto Sandra Ilíbio Braz 
Eles afirmam que o “grande problema é que não existe comunicação entre a Prefeitura e os moradores”. Alguns alegam que queriam o bônus, outros tem um pequeno comércio no local (dizem que um bônus é pouco), pessoas que saíram das casas com o bônus e outros ocuparam a casa novamente. Visando dar encaminhamentos as diversas situações, foi marcada uma reunião para a semana que entra, enquanto a comunidade aguarda o pronunciamento da Coordenação do Sócioambiental.