segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Transporte Público - Rodoviários tem assembleia hoje

Foto Ramiro Furquim/Sul21
"Emocionante o depoimento das lideranças do quanto é estratégico o fim do banco de horas! Com o fim do banco de horas, o usuário vai se beneficiar porque rodoviários vão ter jornada mais digna e melhor qualidade no desempenho!

Alceu Weber abriu a reunião fundamentando as pautas nos dados objetivos do DIEESE: de 94 a 2013 a inflação medida pelo INPC foi de 305,01%, a tarifa de ônibus foi reajustada em 656,76% e os salários dos rodoviários em 326%! A prova que não são os salários que impactam a passagem!!! Para onde foi esta diferença? O TC apontou!" - Sofia Cavedon

Assembleia dos rodoviários pode determinar fim da greve após acordo no TRT

Por Débora Fogliatto/Sul21 

Os rodoviários em greve acenaram com a possibilidade de terminar a paralisação e colocar 100% da frota nas ruas a partir desta terça-feira (11), após a comissão de negociação firmar acordo com as empresas em reunião no Tribunal Regional do Trabalho (TRT4), em Porto Alegre.

Na mediação, pedida pelos rodoviários nesta segunda-feira (10), o Sindicato das Empresas de Ônibus (Seopa) concordou em extinguir o banco de horas, uma das principais reivindicações dos trabalhadores. Com isso, a proposta será levada à assembleia dos rodoviários às 19h, que pode decidir pelo fim da greve. 

Foto Divulgação Gabinete
Após duas horas de reunião, mediada pela vice-presidente do TRT, desembargadora Ana Luiza Kruse, a negociação terminou em um acordo que pareceu satisfazer ambas as partes. Foi determinado o fim do banco de horas, a ser feito de forma gradual até o fim de julho; o reajuste de 7,5%; vale-alimentação no valor de R$ 19 e plano de saúde com contrapartida de R$ 10. Os três últimos itens já haviam sido concordados na mediação anterior. Ao anunciar o fim do banco de horas, o advogado da Seopa, Alceu Machado, foi aplaudido pelos rodoviários presentes.

Na reunião ocorrida na quinta-feira passada (6), o Ministério Público ajuizou um dissídio coletivo para que o assunto fosse levado a julgamento pelo TRT. A audiência está marcada para o dia 17, mas caso a greve se encerre, o processo será extinto. O advogado dos rodoviários, Antônio Escosteguy Castro, argumentou que as propostas feitas eram compatíveis com o que provavelmente seria determinado pelo tribunal. “Vamos construir uma nova relação ou apostar no conflito? Se isso não for acordado na mesa, existe grande possibilidade de isso acontecer no tribunal”, defendeu ele no início da reunião.

A categoria também pedia que não houvesse desconto dos dias parados, o que não foi aceito pelas empresas. Ficou acordado que o desconto será feito parcialmente, um dia por pagamento — dois dias por mês — ou em forma de compensação enquanto durar o banco de horas. Os rodoviários tentaram defender que os dois primeiros dias, enquanto a greve estava dentro da legalidade, não fossem descontados dos trabalhadores, o que não foi aceito pela patronal. A desembargadora Ana Luiza Kruse, que presidiu todas as reuniões de mediação entre as duas partes, foi quem sugeriu que fosse descontado dois dias por mês e que as horas pudessem ser compensadas.

Foto Ramiro Furquim/Sul21
Alceu Weber, um dos integrantes da comissão, considerou que os rodoviários foram ouvidos. “É isso que sempre se pedia nas assembleias, entendemos que tivemos um ganho real”, afirmou. Ele considera que existe 70% de chance da greve ser encerrada. “É mais provável que o acordo seja aceito do que não seja”, garantiu.

Leia a integra da matéria no Portal Sul21