terça-feira, 25 de março de 2014

Cece visita propriedades que pedem debate sobre Zona Rural

Foto Desirée Ferreira/CMPA
“Belíssimo passeio pela zona que esperamos volte a ser rural - no plano diretor - onde pudemos ver a agricultura orgânica e a preservação ambiental que promovem nossos agricultores, e as necessidades de apoio como uma coleta e manejo corretos do lixo, a manutenção das estradas, divulgação e programas para levar a população da capital até lá, e a vigilância contra desmatamentos e invasões de áreas de preservação! É nosso presente para Porto Alegre!” – Sofia Cavedon 

A Comissão de Educação, Cultura, Esportes e Juventude (Cece) deverá conhecer, na próxima semana, o projeto que recria a Zona Rural de Porto Alegre. A matéria está sendo finalizada pelos técnicos da Secretaria de Urbanismo (Smurb), e a previsão é de que o Executivo a encaminhe para a análise do Legislativo em abril deste ano.

Foto Desirée Ferreira/CMPA
Os vereadores(a)s da Cece visitaram na manhã desta terça-feira (25/3), as propriedades rurais no Extremo Sul da cidade. A solicitação da apresentação prévia do projeto deve ser encaminhada ainda nesta semana à Smurb. Após o recebimento oficial do projeto, a ideia é que a Cece realize uma audiência pública para debater a proposta com a sociedade, especialmente com os produtores rurais que ainda mantêm suas atividades mesmo com o fim da Zona Rural no Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental, de 1999.

Foto Desirée Ferreira/CMPA
Nesta terça-feira, foram visitadas quatro das 20 propriedades integrantes do roteiro Caminhos Rurais, que estimula o turismo e a valorização da produção agrícola em chácaras da Zona Sul de Porto Alegre. A iniciativa da visita surgiu durante reunião da Cece realizada no dia 18 de março. Foram visitados o Sítio do Mato, a Granja Santo Antônio, o Sítio Capororoca e a Cabanha Costa do Cerro.

O roteiro foi apresentado pelo ex-presidente e pelo atual vice da Associação Porto Alegre Rural, Mauri Webber e Nairo Guerisoli, respectivamente.

Preservação

Defensores da recriação da Zona Rural e, principalmente, de mecanismos de proteção à fauna e à flora restantes da reserva de Mata Atlântica dos morros que costeiam a orla do Guaíba, os dirigentes da entidade apresentaram uma realidade diferente da que promovem quando o público alvo dos passeios é formado por turistas e estudantes. Aos vereadores e assessores que participaram do roteiro, eles expuseram problemas como o acúmulo de lixo em diversos pontos ao longo do caminho, as ocupações irregulares nas margens das avenidas e estradas, os loteamentos clandestinos, o desmatamento, a insegurança e a falta de incentivo aos produtores para que permaneçam no campo.

Foto Desirée Ferreira/CMPA
Conforme Webber é nítida a falta de articulação entre as diversas secretarias municipais para evitar que situações como essas não se proliferem e se consolidem como “algo normal”. Ele lembra que Porto Alegre tem a segunda maior área rural entre as capitais brasileiras, “perdendo apenas para Palmas (TO), com a diferença que Porto Alegre tem 240 anos e uma expansão urbana decorrente desse período, e Palmas foi fundada há apenas 25 anos”.

De acordo com Nairo Guerisoli, é preciso reavivar a denominação Zona Rural como forma de conter a especulação imobiliária e garantir a preservação da natureza. Em sua propriedade, a Cabanha Costa do Cerro, encontra-se a única Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) da Capital, que abrange cerca de 10 hectares do total de 37 que totalizam a área. “Algumas pessoas devem nos achar loucos, já que o que defendemos desvaloriza financeiramente as nossas terras. Mas, enquanto eu viver vou lutar para preservar isso aqui”, disse.

Para a presidente da Associação Porto Alegre Rural, Isabel Pacheco, proprietária da Granja Lia, uma das visitadas pelos vereadores nesta terça-feira, é preciso mais apoio na divulgação do roteiro, que, distante 30 quilômetros do Centro, permite conhecer desde agricultura orgânica, funcionamento das cabanhas, turismo de aventura, atividades educativas, observação da fauna e flora e de vivência. “As pessoas se encantam ao saberem que temos uma área rural tão bela a ser apreciada”, disse.

Caminhos Rurais 

Foto Desirée Ferreira/CMPA
O Caminhos Rurais nasceu da soma de dois projetos junto ao Orçamento Participativo no final da década de 90. Um, elaborado pela equipe da professora Norma Moesch, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), e o outro de valorização da região do bairro Belém Velho, de iniciativa da Associação Comunitária de Belém Velho. “A partir daí, em 2000, começaram alguns roteiros de turismo ecológico em datas especiais como as das semanas de Porto Alegre e da Primavera. Logo adiante nasceu a proposta da Linha Turismo e depois o roteiro Caminhos Rurais, que, a partir da criação da Associação Porto Alegre Rural, em 2005, ganhou mais qualidade”, destacou Webber.

O ex-presidente da Associação, que se tornou guia dos Caminhos Rurais, ressaltou que a produção rural de Porto Alegre é muito diversificada. “Vai de hortifrutigranjeiros ao arroz, vinho, pecuária de corte, criação de cavalos, porcos, entre outras atividades”. Para saber mais sobre o roteiro basta acessar o endereço eletrônico: www.caminhosrurais.tur.br ou www.portoalegre.travel .

Leia mais: 
Câmara deve receber em abril projeto que recria a Zona Rural 

Fonte: Portal da CMPA.