sexta-feira, 4 de julho de 2014

Hospital da Restinga simboliza novo patamar de investimentos em saúde no Estado

A vereadora Sofia Cavedon (PT-PoA) prestigiou o evento que contou com a presença da presidenta Dilma.

Foto Divulgação PT/RS
Ao descerrar a placa de inauguração do novo Hospital da Restinga e Extremo Sul de Porto Alegre, nesta sexta-feira, 4 de julho, a presidenta Dilma Rousseff não apenas saldou uma dívida histórica com a comunidade, conforme citou em seu discurso – “esse é aquele momento importante em que encontramos a sensação de dever cumprido”, disse, ao lembrar que a demanda havia sido encaminhada a vários governos sem que nenhum a assumisse.

Dilma participou de uma solenidade simbólica que mostra que o Rio Grande do Sul está em um novo patamar no que se refere a investimentos em saúde pública. Embora operada pelo Hospital Moinhos de Vento, a nova casa de saúde porto-alegrense – a primeira inaugurada na Capital em 40 anos – é voltada integralmente ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Foto Divulgação PT/RS
Para a sua construção, os governos federal e estadual somaram esforços para consolidar o investimento de R$ 110 milhões (R$ 100 milhões provenientes do programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS e o restante da Secretaria Estadual da Saúde). Os equipamentos do hospital também são fruto da responsabilidade compartilhada entre União e Governo do Rio Grande do Sul, que garantiram quase R$ 9 milhões para a compra de leitos e máquinas para exames, como raio-x, eletrocardiograma e tomografia digital. O custeio, por sua vez, igualmente será feito com recursos públicos – neste caso, 50% da União, 25% do Governo do Estado e 25% da Prefeitura de Porto Alegre.

Esse regime de colaboração, de articulação democrática, respeitosa e solidária garante que tenhamos aqui o melhor hospital do Rio Grande do Sul”, elogiou o governador Tarso Genro.

Mais de mil novos leitos no Rio Grande do Sul 

Foto Divulgação Gabinete
O Hospital da Restinga e Extremo Sul de Porto Alegre, já está operando desde a segunda-feira, 30 de junho com 87 leitos. Até 2015, esse volume chegará a 170.

Desde 2011, a política de assistência hospitalar do Rio Grande do Sul criou 1.389 novos leitos no Estado, fazendo com que os gaúchos sejam, atualmente, a população com a melhor proporção de vagas em hospitais no Brasil (excluídos os serviços de isolamento e de tratamento intensivo e intermediário), segundo dados do Ministério da Saúde e do IBGE. São 2,817 leitos de internação a cada mil habitantes, enquanto o Rio de Janeiro conta com 2,719, Goiás com 2,691 e Paraná com 2,559.

Os repasses do Governo do Estado dirigidos à hospitais também se multiplicaram, crescendo 165,8% entre 2011 e 2014. Até junho de 2014, essa conta já havia superado R$ 1,7 bilhão.

Os dados impressionaram inclusive o Ministro da Saúde, Arthur Chioro. “É notável o avanço que a Secretaria da Saúde tem feito aqui”, elogiou.

Fonte: Portal do PT/RS.