terça-feira, 1 de julho de 2014

Mais Médico diminuiu superlotação das emergências, diz ministro da Saúde

Nunca estivemos tão bem na área da saúde e nunca investimos tanto. Hoje pude conferir os dados no seminário Mais Médicos, Mais Saúde. - Sofia Cavedon

Foto Divulgação Gabinete
O impacto do programa Mais Médicos na assistência à população gaúcha foi apresentado nesta terça-feira (01/7) pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro aos prefeitos e secretários municipais de saúde do RS, entre outros gestores, em seminário no Ritter Hotel.

Quadruplicaram as consultas não agendadas no Rio Grande do Sul, quase dobraram os atendimentos de pré-natal nas cidades próximas a Porto Alegre e foram cumpridas as demandas de empregar 1.081 médicos na atenção básica em 369 municípios e distritos indígenas do nosso Estado. Esses dados respaldam a afirmação do Ministério da Saúde de que o Programa Mais Médicos — que completa um ano neste mês — tem impacto positivo na assistência à população.

Em todo o Brasil, o Ministério da Saúde está investindo R$ 15 bilhões até 2014 para melhorar a infraestrutura dos serviços de saúde, sendo que R$ 7,4 bilhões já estão em execução e R$ 5,5 bilhões são recursos novos, além de R$ 2 bilhões para 14 hospitais universitários.

Os recursos novos compreendem R$ 4,9 bilhões para construção de 6 mil UBS e reforma e ampliação de 11,8 mil unidades, e R$ 630 milhões para construção de 225 UPAs. Os R$ 7,4 bilhões estão distribuídos da seguinte forma:

Unidades básicas de Saúde 

R$ 2,4 bilhões destinam-se à reforma, ampliação e construção de aproximadamente 16 mil.Unidades Básicas de Saúde (UBS), promovendo melhoria do acesso e da qualidade da Atenção Básica.

Para equipar as unidades, estão sendo adquiridos 4.991 equipamentos (desde instrumentos de uso dos profissionais de saúde a mobiliário para as unidades), num investimento de R$ 415 milhões. Os recursos beneficiam 3.968 municípios de todos os Estados.

Urgência e Emergência

Ao todo, 818 hospitais estão em obras, com aplicação de R$ 3,2 bilhões, incluindo a compra de 2.459 equipamentos.

Para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA), o Ministério da Saúde está disponibilizando R$ 1,4 bilhão para a realização de obras de construção, reforma e ampliação de 877 estabelecimentos.

Para melhorar a estrutura física das unidades, o Ministério também aumentou a área total mínima das obras. A UBS de porte I aumentou de 153,24 m², para 297,72 m² e a UBS de porte II aumentou de 293,28 m² para 374,04 m². Além disso, estão sendo financiadas UBS de porte III, com 481,32 m², e UBS de porte IV, com 564,84 m².

Além dos recursos de infraestrutura, o Ministério também investe na qualificação da atenção primária, através do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ). No primeiro ciclo do programa (2011/2012), 4 mil municípios foram contemplados com um investimento de R$ 874,8 milhões em recursos adicionais. Para o período 2013/2014, o valor total previsto é de R$ 3,3 bilhões, para 4.811 municípios.

Fonte: Portal da Zero Hora.