sábado, 2 de agosto de 2014

Nova direção do Cpers/Sindicato toma posse, com a meta de promover a valorização da escola pública

Novo comando do sindicato inicia mandato com audiência com o governador do Estado

Foto Ramiro Furquim/Sul21
Uma nova era vai começar no Cpers/Sindicato. É o que promete a nova presidente da entidade, Helenir Oliveira. A direção eleita em junho assumiu na noite desta sexta-feira (1), em solenidade que aconteceu na Casa do Gaúcho, seguida de festa e show de rock. Pela parte da tarde, ela e os outros 14 integrantes da nova direção se reuniram no auditório do do Cpers para a primeira entrevista coletiva do novo comando da entidade.

“Nosso compromisso é com a educação”, afirmou Helenir

Professora formada em Letras, Helenir, 60 anos, assumirá o segundo maior sindicato da América Latina, que tem cerca de 81,5 mil filiados, com a missão, conforme ela, de valorizar a escola pública e os trabalhadores da área. Meta que contempla a luta pelo pagamento do piso nacional do magistério. “Nosso compromisso é com a educação! Queremos ser a gestão que reabriu o debate pedagógico no Estado”, afirmou a nova presidente.

Um das primeiras ações será o lançamento de uma campanha pela valorização da escola pública, que a professora pretende sugerir para se expandir em nível nacional. “Muita coisa boa ocorre nas escolas públicas, só que fica entre quatro paredes”, explicou Helenir, que, a partir de segunda-feira (4), pretende mobilizar os 42 núcleos para se engajar na iniciativa.

Ao mesmo tempo, ela quer mobilizar a categoria, a exemplo do que ocorreu no movimento “Diretas Já”, para participar na luta por uma Constituinte exclusiva para fazer a reforma política. “Nada na nossa vida se aparta de decisões políticas. A reforma política é necessária para se votar em um candidato que tenha um programa”, argumentou Helenir.

Pauta com o governo 

Na próxima segunda-feira, a nova diretoria irá solicitar ao governo do Estado uma audiência para discutir as reivindicações da categoria. A pauta, segundo ela, “será construída pela base do sindicato”. No entanto, a nova presidente adiantou alguns temas a ser abordados, além do pagamento do piso, a realização de concurso público para servidores e o aumento do vale-refeição, que hoje é de R$ 166. A nova direção pretende, ainda, convidar todos os candidatos ao Palácio Piratini para apresentar suas propostas para a área de educação, oportunidade em que o Cpers também colocará sua posição sobre a política para o segmento.

Sobre a realização de greves, ela defendeu o diálogo e garantiu que “não será a direção que vai dizer a hora de fazer greve”. Helenir garantiu, ainda, que não haverá “partidarização” dentro do sindicato. “Cada um tem direito de ter seu partido, mas dentro do Cpers a luta é pela educação”, afirmou ela, que é filiada ao PT, acrescentando que dentro da categoria há professores integrantes de diferentes partidos, como há os que não possuem filiação partidária.

Também é meta da nova diretoria “resgatar a credibilidade” do Cpers, que registrou seis mil desfiliações nos últimos seis anos. Além disso, dos 81,5 mil filiados, votaram na eleição de junho cerca de 35 mil professores. “A categoria não se sentia representada. Não podemos errar, não temos esse direito”, afirmou Helenir, sobre a expectativa dos professores. A chapa de Helenir terá três anos para fazer o trabalho à frente da entidade, podendo concorrer à eleição.

Principais propostas da nova gestão:
- Pagamento do piso nacional do magistério
- Disputar, para a educação, os recursos do pré-sal e os royalties do petróleo e aplicação dos 10% do PIB previstos no Plano Nacional de Educação e os 35% previstos na Constituição
- Manutenção e ampliação do IPE Saúde
- Nova lei do vale-refeição
- Publicação das promoções, com efeito retroativo, para professores, funcionários de escolas e aposentados - Realização de concursos para professores e funcionários com nomeação imediata dos aprovados
- Recuperação do protagonismo do Cpers e retoma a discussão pedagógica

Fonte: Portal Sul21.