sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Programa para o RS continuar se desenvolvendo

Um caderno com 106 páginas com conteúdos, dados, gráficos, análises e propostas concretas foi distribuído nesta sexta-feira (29), para os mais de 500 participantes do almoço de lançamento do programa de governo da Unidade Popular pelo Rio Grande (PT, PTB, PCdoB, PPL, PTC, PR, PROS).

Os compromissos que a coligação do governador Tarso Genro assume para os próximos quatro anos de gestão à frente do Palácio Piratini foram construídos de forma coletiva, com a participação de mais de 3 mil pessoas ao longo dos últimos meses. “Aqui está o nosso governo, tudo o que foi feito e também aquilo que faremos nos próximos anos”, apontou Tarso Genro.

Apesar de haver representação de todas as sete siglas que compõem a Unidade Popular pelo Rio Grande, o coordenador do programa de governo, Marcelo Danéris, salientou que o encontro era dedicado ao protagonismo cidadão, que, ao longo dos últimos três meses, construiu as 500 propostas de forma coletiva. “Aqui neste almoço, os partidos deram lugar à sociedade que construiu esse programa de governo”, explicou Danéris.

E assim foi efetivamente: um a um, representantes de uma dezena de setores abrangidos pela política inclusiva e desenvolvimentista do atual governo – que é a base para aprofundar os avanços nos próximos quatro anos – foram fazendo seu testemunho sobre as transformações pelas quais o Rio Grande do Sul passou desde 2011 e deixando sobre a mesa algum símbolo do seu segmento.

Diversidade simbolizada sobre a mesa

A mesa de Tarso, Abgail e Olívio ficou repleta de cestas de presente. Os povos de terreiro entregaram plantas medicinais e deixaram “um axé” para Tarso. Movimentos de agricultores levaram produtos orgânicos e defenderam a continuidade do atual governo “porque os outros, quando falam em enxugar, é também enxugar o suor do trabalhador para trazer lucro só para eles”, brincou o agricultor Leandro Freitas.

A economia solidária presenteou um tecido proveniente da fibra do pet e agradeceu. “Desde antes da posse pedimos a criação de uma secretaria específica e já nos primeiros dias, vocês incluíram todos os agentes e fizeram esse setor prosperar”, sublinhou Clóvis da Silva, representante das entidades da Ecosol. Objetos de um bazar constituído com Microcrédito simbolizaram esse abrangente programa. Estavam na mesa também empresários, que fizeram questão de aplaudir a política industrial do governo do Estado, que atraiu R$ 50 bilhões em investimentos privados e gerou mais de 65 mil empregos. Houve também quem optasse por apenas realizar um depoimento, caso de uma vítima de violência doméstica que, após a criação da Patrulha Maria da Penha, passou a sentir-se “muito mais segura” e viu “aumentar sua auto-estima”.

A diversidade de atores presentes no ato político emocionou Tarso, que recordou a importância de se governar “para todos, mas com um olhar especial para os mais necessitados”. “Nos preocupamos em desenvolver o Rio Grande do Sul de baixo para cima, observando e compreendendo a sua base produtiva, utilizando como ativos a terra, o trabalho e o valor agregado de nossos produtos”, explicou o governador.

Projetos antagônicos se apresentam

Os segmentos representados no evento de lançamento do programa de governo são a marca da diferença entre os projetos que se apresentam na atual eleição. Um, lembrou Tarso, governa exclusivamente para as “elites", enquanto o outro atenta para os mais pobres e para a classe média produtiva. “Derrotamos aqueles que acham que essas pessoas não existem, que são invisíveis. Por isso estamos mudando este Estado e queremos melhorar ainda mais a vida da população”, concluiu o governador.

Abgail Pereira lançou mão da poesia de Cora Coralina para resumir o ato. “Uma obra só é importante quando ela toca o coração, quando ela impacta na vida das pessoas”, referiu a candidata a vice, para logo completar: “O povo gaúcho é empreendedor e trabalhador, mas precisava da mão do Estado para induzir o desenvolvimento. Nós cumprimos esse papel”.

Já o postulante ao Senado, Olívio Dutra, recordou que o programa de governo da UPPRS foi construído “pelas mãos e cabeças de todos nós”. O Galo Missioneiro também reconheceu o aporte dos sete partidos que integram a coligação, “que não são um amontoado de siglas, mas que estão comprometidos com ideias e projetos muito concretos para o Rio Grande”.

Fonte: Portal Tarso13.