terça-feira, 23 de setembro de 2014

Descumprimentos trabalhistas nas escolas municipas da capital são denunciados pelas trabalhadoras da Cootrario

Foto Leonardo Contursi/CMPA
Denúncias envolvendo a Cootrario, cooperativa que presta serviços de limpeza e de cozinha nas escolas municipais, foram apresentadas por funcionários nesta terça-feira (23/9) à Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) da Câmara Municipal de Porto Alegre. As queixas dos trabalhadores se referem a pagamentos parcelados do vale-alimentação e do vale-transporte. 

Conforme eles, a Cootrario também tem atrasado as férias, reduzido o número de trabalhadores e não está fazendo os depósitos para o FGTS.

Após ouvir os relatos das trabalhadoras, a vereadora Sofia Cavedon (PT), vice-presidente da Comissão e que coordenou a audiência, fez contato com o vice-prefeito Sebastião Melo, que marcou reunião com uma comissão de funcionários para hoje, às 15h30min.

Foto Guilherme Almeida/CMPA
Trabalhadores de várias escolas compareceram à reunião coordenada por Sofia e fizeram relatos da situação. "Por que a Smed pressiona os trabalhadores mas não faz nada contra a Cootrario? Somos cobrados, mas eles (a Cootrario) não", questionou uma das trabalhadores presentes à reunião. Ela confirmou que tudo é sempre pago com atraso e que o vale-transporte e o vale-refeição são depositados diariamente.

Uma funcionária demitida recentemente denunciou que ao encaminhar os papéis da demissão descobriu que desde fevereiro de 2013 a Cootrario não deposita o Fundo de Garantia. "Além disso, seguram a Carteira de Trabalho, o que impede a gente de conseguir o seguro-desemprego ou de procurar um outro emprego."

Outra confirmou que, apesar de ter o desconto todo mês no contracheque para o FGTS, em três anos tem saldo zero na conta do Fundo. Outra trabalhadora denunciou que, no último mês, o salário só foi depositado no oitavo dia útil do mês. "Ligaram para a escola ontem e ameaçaram de demissão por justa causa. Nosso salário é de fome. Trabalho há quatro meses e nem exame de admissão fiz ainda. Ela também confirmou que o vale-refeição, de R$ 12,00, tem sido depositado diariamente.

Em outro relato, uma funcionária disse que há três anos trabalha sem conseguir tirar férias. "A gente liga para a firma e para a Smed e não tem nenhuma informação. Se faltamos ao trabalho, vamos para a rua. Só queremos os nossos direitos."

Conforme uma das funcionárias, que trabalha para a Cootrario há cinco meses, o salário que recebe é de R$ 691,00. "Incluem o adicional por insalubridade no salário, mas na realidade pagam um básico inferior ao salário mínimo, que é de R$ 742,00." Alguns trabalhadores chegaram a abandonar o emprego pela falta de condições, acrescentou ela.

Coragem 

Foto Leonardo Contursi/CMPA
Sofia elogiou a coragem das trabalhadoras em comparecer à reunião para apresentar as denúncias. "Ficamos sabendo inclusive de ameaças da Secretaria Municipal da Educação (Smed) de que seria cortado o ponto de quem viesse na reunião. Ligamos para o vice-prefeito Sebastião Melo e dissemos que isso era inadmissível." A vereadora observou que tem sido somente através da pressão que os trabalhadores terceirizados têm obtido avanços nas relações trabalhistas. "Desde 2011, por exemplo, todos têm carteira assinada."

A vereadora informou que Smed, Cootrario, o Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação de Porto Alegre (Sindiasseio) e o Ministério Público do Trabalho (MPT) foram convidados para a reunião. Lamentou, porém, que nenhum deles compareceu ao encontro. "Há uma posição deliberada de não vir dar explicação sobre o tema." Para evitar o corte do ponto ou alguma punição aos trabalhadores, a Cece forneceu atestado para ser levado pelos funcionários à escola.

Fonte: Portal da CMPA.

Leia também: