terça-feira, 14 de outubro de 2014

Movimentos Sociais se encontram com presidente Dilma

Reforma Política - A presidenta Dilma Rousseff recebeu das mãos de representantes da sociedade civil o resultado do Plebiscito Popular por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político, no qual o povo expressa a necessidade de uma Reforma Política no País. A entrega do documento foi realizada em Brasília e teve a participação de 19 entidades das 480 que realizaram o plebiscito.

“Só a mobilização popular pode ser capaz de criar as condições para a Reforma Política, mãe de todas as reformas. Não podemos achar que o Congresso se autorreforma. Acho que nenhuma instância se autorreforma sem a manifestação popular”, afirmou Dilma durante o encontro.

Dilma apontou que está de acordo com propostas relacionadas na pauta da Reforma Política, como o fim do financiamento empresarial de campanha; o fim das coligações proporcionais; e em favor de eleições proporcionais em dois turnos, com a paridade entre homens e mulheres como candidatos. 

Paola Estrada, da Secretaria Operativa Nacional do Plebiscito Popular da Constituinte, lembrou que a consulta popular recebeu 7,7 milhões de votos. Destes, 7,5 milhões votaram a favor a realização da Constituinte. Mais de 1,8 mil comitês populares espalhados em todos os estados coletaram votos.

“Se o Congresso não realiza a Reforma Política, nós realizaremos. Estamos aqui mandatados por 8 milhões de pessoas que participaram do plebiscito. Seguiremos firmes e corajosos até que a vitória seja nossa”, afirma Paola Estrada.

No ano passado, milhares de pessoas saíram às ruas pedindo melhorias em vários segmentos, inclusive no campo político. O plebiscito foi feito justamente para mostrar que esta continua sendo a vontade do povo.

Segundo Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), só a força da mobilização fará o Congresso convocar o plebiscito oficial. “Se não houver mobilização popular, este Congresso não vai fazer. Se não fosse esta militância, especialmente a juventude, o Brasil não teria o contraponto”, afirmou.

João Pedro Stédile, um dos principais dirigentes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), destacou que o povo quer também outras melhorias. “O povo quer mudanças para frente, como transporte de qualidade e Reforma Agrária. Todas estas mudanças só serão possíveis se combinarmos com a Reforma Política, porque o poder econômico das empresas sequestrou a democracia no Brasil”, afirmou.

Veja também:
Plebiscito Constituinte - Sofia participa de encontro com a presidenta Dilma

Fonte: Portal do PT.