terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Marcha pela Democracia e pela Reforma Política nesta quinta-feira

Central Única dos Trabalhadores do estado (CUT-RS), a Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) e um conjunto de movimentos sociais estão organizando a MARCHA PELA DEFESA DEMOCRACIA E PELA REFORMA POLÍTICA. A atividade será nesta quinta-feira, 04, com concentração às 17h, no Largo Glênio Peres, Centro Histórico de Porto Alegre.

O movimento objetiva chamar às ruas todos que acreditam na luta pelo fortalecimento da democracia, pelo combate a corrupção a partir de uma lógica de justiça e que passa necessariamente pela reforma política.

Segundo o presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, a sociedade tem que estar atenta para movimentos que representam o retrocesso e um duro golpe na democracia. “Os que se opõem a reforma política, a reforma das comunicações, a reforma agrária e todas as reformas que o país precisa, são os mesmos que ajudaram a construir um golpe que levou este país a mergulhar numa brutal e insana ditadura. Estes setores, agora se movimentam no sentido de fragilizar um governo com viés notadamente popular e que, apesar das mudanças que ainda precisa fazer, tem deixado claro uma opção pelo desenvolvimento com mais justiça social e com um olhar para os trabalhadores e seus direitos”, argumentou, acrescentando que este cenário exige da CUT e dos sindicatos filiados e movimentos sociais um protagonismo na organização de uma grande reação.

Para o dirigente, a sociedade não pode abrir mão das conquistas garantidas até agora e para isso precisa estar nas ruas, ajudando a mobilizar e a somar no esforço e no seu fortalecimento. “E isso passa pelas reformas que a CUT defende”, assinalou.

Foto Divulgação CUT/RS
A Marcha do dia 4, diz ele, é um importante momento para trazer à discussão um tema que está no centro dos debates e é como um guarda-chuva que abrange os demais, como geração de emprego e renda, reforma das comunicações, reforma do sistema eleitoral com o fim do financiamento de campanha, recuperação dos salários com fortalecimento do desenvolvimento, educação, saúde, transporte público, questão agrária e tantos outros. “Estes são temas que tem como princípio uma sociedade democraticamente forte e política e economicamente justa. Por isso, a luta dos trabalhadores por salários dignos e pela recuperação dos pisos estadual e nacional é uma luta constante e de todos”, destaca.

Nespolo reitera a importância de que todos os sindicatos da base da CUT e os movimentos sociais se organizarem para construírem, no dia 4 de dezembro uma grande e forte Marcha que não deixe dúvidas quanto a opção da sociedade gaúcha pelo fortalecimento da democracia, pela reforma política, contra a corrupção e com um não ao retrocesso.

Fonte: Portal CUT/RS.