sábado, 13 de dezembro de 2014

Trabalhadoras terceirizadas da Prefeitura de Porto Alegre paralisaram os serviços nas escolas

Foto Divulgação Atempa
Com atraso do pagamento dos salários de dezembro e sem receber vale-refeição, vale-transporte e o 13º terceiro salário da Cooperativa de Trabalho Riograndense (Cootrario), as trabalhadoras terceirizadas da Rede Municipal de Educação de Porto Alegre paralisaram suas atividades, nesta sexta-feira (12). Pela tarde, cerca de 100 funcionárias realizaram um ato de protesto no centro da cidade, seguido de Assembleia Geral no Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa).

Na segunda-feira, dia 15 de dezembro, por solicitação da vereadora Sofia Cavedon (PT), haverá uma reunião da categoria com o Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul (MPT-RS), com o Procurador-Chefe da Procuradoria Regional do Trabalho da 4ª Região Dr. Fabiano Holz Beserra, onde as trabalhadoras entregarão as denúncias relativas à cooperativa.

Foto Divulgação Gabinete
Além dos diretos trabalhistas básicos que não são cumpridos pela Cootrario, as funcionárias denunciam o acumulo de até três férias vencidas e a não arrecadação do INSS. Atualmente, as terceirizadas ganham um salário de R$ 692,18, menos do que o piso regional. “Eu estou indo a pé para o colégio trabalhar porque não tenho o vale-transporte. Só vou mesmo porque gosto do que faço!”, falou uma das auxiliares de cozinha da Rede Municipal. A funcionária preferiu não se identificar com medo de retaliações por parte da cooperativa e da Prefeitura Municipal.

Na tarde de ontem (11), o Coordenador do Setor Financeiro da Secretaria Municipal de Educação (SMED), Ramiro Tarrago, garantiu que a Cootrario faria o pagamento dos salários e benefícios até hoje e, no dia 17 de dezembro, o pagamento do 13° salário, com as férias vencidas. Até o fim da tarde, os pagamentos não foram efetivados. A Cootrario não se manifestou a respeito. As funcionárias da cooperativa não conseguem entrar em contato pelo telefone indicado e as portas do endereço disponibilizado estão fechadas.

Além da denúncia ao Ministério Público do Trabalho, foi retirado na assembleia de hoje a formalização de um documento para ser enviado a Smed, informando os motivos concretos da paralisação e um pedido para que a Secretária Municipal de Educação, Cleci Jurach, oriente as direções das escolas da rede a negociar os dias parados. Após a reunião com o MPT-RS, haverá nova assembleia geral das terceirizadas, às 16h, no Simpa.

Fonte: Portal da Atempa.

Veja também:
Terceirizadas da Rede Municipal de Ensino protestam na Prefeitura de Porto Alegre