terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Mobilizados pela nomeação dos trabalhadores da Segurança Pública

Foto Divulgação Gabinete
Não é possível o governo se considerar impossibilitado pelas finanças, a proteção da vida se impõe! Ao decretar a suspensão de nomeação para a Segurança e para a Educação, Sartori dá declaração de incompetência! O governador Tarso Genro havia autorizado à nomeação de mais dois mil brigadianos e 650 policiais civis e assim procedeu em todo seu governo, enfrentou a renegociação da dívida e a construção de uma previdência sustentável para os servidores, medidas que darão fôlego ao estado. Sofia Cavedon 

Apoio aos aprovados em concurso na área da segurança pública 

Foto Divulgação Gabinete
Com o objetivo de tratar da nomeação e convocação imediata dos candidatos aprovados no concurso público da Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil, a Câmara Municipal de Porto Alegre, através da Comissão de Defesa do Consumidor, Direitos Humanos e Segurança Urbana (Cedecondh), promoveu na tarde desta terça-feira (24/02), no Plenário Otávio Rocha, um grande encontro com a participação dos atores envolvidos na luta em defesa do chamamento dos aprovados em concurso público para área de segurança pública do Estado.

Um total de 661 pessoas aprovadas no concurso da Polícia Civil aguardam definição e nomeação do governo do estado para cursar a Acadepol e combater a criminalidade e proteger a sociedade gaúcha.

Déficit 

Conforme o representante da Associação de Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Abergs), Ubirajara Pereira Ramos, é preciso haver uma eficaz melhoria na área da segurança pública no Estado. “Deveríamos ter um efetivo de 11 mil policiais atuando no Corpo de Bombeiros." Atualmente, no Rio Grande do Sul, existem 2.600 servidores em atividades operacionais e administrativas. Em Porto Alegre atuam 300 soldados. Já a Brigada Militar possui um efetivo de 21 mil brigadianos, incluindo os bombeiros, mas necessita de cerca de 33.700 trabalhadores. 

Aprovados 

O ativista do Sindicato da Polícia Civil do RS (Simpol), Mário Flamir Martins, destacou que os 661 candidatos aptos e aprovados em todas as fases do concurso da Polícia Civil fizeram investimento acreditando que seriam chamados, o que agora não ocorreu. “O edital apontava, na verdade, 700 vagas. Os primeiros 700 aprovados já foram chamados, mas no total foram aprovadas 1400 pessoas e esperávamos que fosse chamado o restante na 2ª fase, já que é notória a necessidade de um maior efetivo nas ruas da Capital”, sinalizou.

Luta 

Foto Divulgação Gabinete
Representando a Brigada Militar, o vereador Tenente Bruno, de Pelotas, afirmou que a BM, Policia Civil e o Corpo de Bombeiros irão caminhar juntos nesta luta pelos seus direitos. “Nós temos aprovados, nos concursos públicos, jovens, homens e mulheres que investiram seu tempo, dinheiro e estudo e tudo o que não tinham para serem aprovados neste concurso. Muitos agora estão aqui no sacrifício, sem dinheiro para passagem. O quartel do 4º BPM tem uma situação privilegiada. Estamos com viaturas paradas no pátio porque não existem patrulheiros nem efetivo”, salientou o tenente, reiterando: “Somos todos iguais e vamos defender a sociedade gaúcha. Aguardamos a nomeação pelo governo do Estado para combater a criminalidade”.

Encaminhamentos

Uma das principais resoluções decorrentes do encontro é a organização de uma audiência pública com a presença da Casa Civil, a ser realizada na Assembleia Legislativa do RS, para tratar da aprovação e nomeação imediata dos trabalhadores.

Leia a íntegra da matéria no Portal da CMPA.