quinta-feira, 23 de abril de 2015

Sofia lamenta a derrota dos trabalhadores e trabalhadoras no Congresso Nacional

Foto Cassiana Martins/CMPA
Na terceirização da telefonia, da energia elétrica, de crédito e cobrança isso já acontece, não tem mais a relação direta do cliente e do vendedor, é um terceiro, um quarto intermediando, e ficamos numa relação com um 0800, na verdade. A tua relação não é mais com uma empresa, como consumidor, como cliente; a tua relação é com uma máquina, é com um telefone, e tem que ir à luta, tem que entrar na Justiça para conseguir reparar o dano que a terceirização faz na sua casa, nos serviços de telefonia, de televisão, de Internet. Sofia Cavedon.

Na tribuna da Câmara a vereadora Sofia Cavedon (PT) lamentou a derrota dos trabalhadores e trabalhadoras no Congresso Nacional com a aprovação da terceirização das atividades fim. “É um retrocesso em relação aos avanços e à Constituição de 88”, disse, acrescentando que, no Brasil, existem lutas que não foram superadas, como o fator previdenciário e as 40 horas semanais.

Sofia enfatizou que as e os trabalhadores terceirizados em Porto Alegre ganham mal, não têm depositados seus direitos, como Previdência e Fundo de Garantia. “Quando acaba o contrato, os donos das empresas somem, sobrando para o Executivo o ônus de pagar os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras”, afirmou.

A parlamentar afirmou também  que o programa Mais Médicos não representa a terceirização da saúde. "Por mais que fizessem concursos públicos para médicos brasileiros, não seria possível suprir a demanda nacional da categoria, pois os próprios médicos não estão interessados nos cargos", disse.

Sofia destacou que é preciso que o Executivo Municipal crie e aceite projetos de incentivo e valorização dos médicos , ressaltando ainda que é dever do poder público garantir a qualidade e a legalidade da terceirização dos serviços, "para que não tenhamos serviços sucateados e trabalhadores e trabalhadoras sem direitos".

Leia aqui a íntegra de sua manifestação.

Veja aqui quais deputados votaram a favor da terceirização