sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Servidores abraçam Banrisul em ato contra privatizações

Funcionários públicos aproveitaram a oportunidade para homenagear o aniversário do banco

Foto Equipe Sofia Cavedon
A vereadora Sofia Cavedon (PT) participou da iniciativa do SindBancários, do Sindiágua e do Sinergisul, e dos funcionários públicos de várias empresas estatais que lançaram na manhã desta sexta-feira (11), na praça da Alfândega, a Frente em Defesa do Patrimônio Público e após abraçaram o Banrisul, que nesse dia completou 87 anos.

Foto Sofia Cavedon
Na atividade foi lançada a campanha “Não deixe privatizar o que é teu – Nosso patrimônio não é mercadoria”. Com a pretensão de mobilizar os trabalhadores e a sociedade gaúcha sobre a importância de estatais como o Banrisul, Corsan e CEEE, as entidades sindicais querem ampliar o debate junto à sociedade. “Por trás da política do atual governo está a privatização”, afirmou o presidente do SindiBancários, Everton Gimenis. Para ele, a privatização de estatais é um retrocesso para o Estado. “O desmonte do Estado não serve para a população”, ressaltou.

O presidente do Sindiágua, Leandro Almeida, argumentou que há mecanismos de resolução para os problemas do RS que não as privatizações. Além disso, o presidente também exaltou que há inconformidade entre os trabalhadores. “Quem faz a máquina público funcionar é o servidor”, argumentou.

Confira a nota publicada pela Frente:

“O perigo é real e imediato. E volta a rondar o patrimônio público cada vez que um governo aplica o remédio amargo do discurso da crise para justificar maldades. Pois o atual governo do Estado tem dado inúmeras provas de que está disposto a levar a efeito uma política de crise para atacar os servidores públicos e entregar o patrimônio público.

Não podemos deixar isso acontecer. Entendemos que reunir em uma grande frente servidores públicos de serviços essenciais como a água, a energia elétrica e o sistema financeiro é o melhor caminho para defendermos o que é de todos nós. Essa situação se repete em estatais como a Corsan, a CEEE.

Não se enganem, estamos todos no barco, ou melhor no mesmo artigo, o 22º da Constituição Estadual, que condiciona a consulta popular, sob a forma de plebiscito, a alienação, transferência do controle acionário, cisão, incorporação, fusão ou extinção do Banco do Estado do Rio Grande do Sul – Banrisul, Companhia Riograndense de Saneamento – CORSAN, Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE, Companhia Rio-grandense de Mineração – CRM, Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul – SULGÁS e Companhia Estadual de Silos e Armazéns – CESA e Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul – PROCERGS”.

Com informações  do Portal do Jornal Correio do Povo.

Veja também:
- Educadores decidem por Estado de Greve em unidade com o Movimento Unificado
- Solidariedade e apoio aos Servidores Estaduais