sábado, 3 de outubro de 2015

Ato da Frente Brasil Popular em defesa da Petrobras marca 62º aniversário da estatal

Caminhada da Frente Ampla em defesa da democracia e da Petrobras

Por Luís Eduardo Gomes/Sul21

O sábado (3) foi marcado, no centro de Porto Alegre, por um ato de lançamento da Frente Brasil Popular, que busca unificar movimentais sociais, organizações sindicais, partidos políticos e demais alas de esquerda da sociedade. A data escolhida também é o dia do aniversário de 62 anos da Petrobras, e foi registrada nas falas do movimento que defende a estatal contra os interessados em sua privatização.

O ato começou por volta das 10h com uma concentração em frente à Prefeitura de Porto Alegre. Enquanto militantes de movimentos sociais, sindicais, estudantis e da juventude iam chegando ao local, oradores se revezavam no carro de som em manifestações em defesa da democracia, da continuidade do governo Dilma Rousseff (PT) – apesar de críticas à sua política econômica – e da Petrobras.

Representantes do Sindipetro-RS criticam projetos que preveem a concessão da exploração do pré-sal sem a participação da Petrobras

Foto Guilherme Santos/Sul21 
De acordo com Claudir Nespolo, presidente da Central Única dos Trabalhadores no RS (CUT-RS), a Frente defende a manutenção de conquistas que aconteceram no governo Lula, como a mudança no modelo de concessão para partilha na exploração do petróleo e a produção de equipamentos com conteúdo nacional. “Neste momento, o Senado debate o PLC 131, é um projeto que objetiva desconstituir essas conquistas e, pior que isso, retirar da Petrobras a exclusividade da produção e do controle do pré-sal, especificamente”, disse.

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), que também integra a Frente, destacou no ato o papel do Congresso na atual conjuntura. “Precisamos defender a democracia e evitar o golpe para evitar retrocessos políticos e sociais que tivemos em nosso país. Queremos avançar e resistir contra todos os tipos de golpe, principalmente esse que querem dar a nós trabalhadores no Congresso Nacional”, afirmou Guiomar Vidor, presidente da CTB/RS.

Eram 11h20 quando os manifestantes iniciaram uma marcha em direção à Praça da Alfândega, subindo a Avenida Borges de Medeiros, passando pelas ruas Riachuelo e Caldas Júnior até chegar à Torre do Petróleo, monumento localizado na praça.

Caminhada subiu a Borges de Medeiros na manhã deste sábado

Frente para unir a esquerda
Foto Guilherme Santos/Sul21 

Lançada nacionalmente em setembro, a Frente Brasil Popular tem o objetivo de unificar as forças de esquerda no País e reconstruir posições que foram se enfraquecendo ao longo dos 13 anos de governo federal do PT. “Estamos convocando setores para construir uma plataforma junto, que recupere esses conceitos de aprofundar as mudanças e combater o rentismo e o neoliberalismo”, diz Nespolo, que salienta que a frente ainda está em um estágio “embrionário”.

Como dialogar com a população?

Após mais de uma década de um governo liderado por um partido de esquerda, um dos principais desafios da Frente é justamente fazer o diálogo com o restante da sociedade se apresentando como um modelo alternativo também de esquerda.

Para o ex-governador Olívio Dutra (PT), o Brasil vive um momento em que a democracia está ameaçada, mas reconhece que o PT tem uma parcela de culpa no enfraquecimento das forças de esquerda que poderiam se mobilizar pela defesa do governo Dilma.

“O Partido dos Trabalhadores é, nesse momento, um complicador, porque temos uma direção que não respondeu às coisas erradas que foram cometidas por figuras do partido e com cargos importantes no governo. Erros seríssimos que feriram um patrimônio ético e moral de um partido de esquerda, que não é a esquerda, mas é a parte de uma esquerda do Brasil. Não podemos jamais cometer os erros que cometemos”, diz.

Cedenir de Oliveira, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no RS, avalia que a Frente deve retomar o trabalho político de base e fazer uma recomposição das forças de esquerda para enfrentar o pensamento conservador.

Leia a íntegra da matéria no Portal Sul21.