quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Entidade convida para a Marcha das Mulheres Negras

Foto Guilherme Almeida/CMPA
No espaço destinado à Tribuna Popular, na sessão plenária desta quinta-feira (15/10) da Câmara Municipal, a ONG Sempre Mulher - Instituto de Pesquisa e Intervenção sobre Relações Raciais convocou a sociedade a participar da Marcha das Mulheres Negras 2015, contra o Racismo, a Violência e pelo Bem Viver, que acontecerá no dia 18 de novembro em Brasília.

Falando pelo Instituto, Maria Luiza Pereira de Oliveira disse que o objetivo é denunciar o racismo e o ceticismo presente no dia-a-dia. “A ideia de realizar a marcha objetiva juntar pessoas e dialogar”, fato que culminará com o início da década internacional dos afro-descendentes da Organização das Nações Unidas (ONU).

Foto Guilherme Almeida/CMPA
Trata-se de um movimento libertador e emancipatório caracterizado pelo conceito de bem viver”, acentuou Maria Luiza, revelando que o conceito se baseia na formação de políticas públicas. Segundo ela, a sociedade deve ser “igualitária e qualitativa”, respeitando gêneros e manifestações com o foco na saúde, no trabalho e na educação. "Nesse contexto, está incluída a voz dos excluídos”, acrescentou. O bem viver, segundo ela, contém pontos como agenda ambiental, reforma política, terras quilombolas, produção de riqueza e regras de divisão da riqueza, para citar algumas metas.

De acordo com Maria Luiza, o número de mulheres negras brasileiras, segundo o último censo, é de 49 milhões, o que corresponde a quase 25% da população. Os números despertaram a necessidade de fundação de representações regionais, como é o caso do Fórum Livre das Mulheres do Rio Grande do Sul, dedicado às ações plurais, visando à mobilizações na busca de políticas públicas, bem como despertar a sociedade para um compromisso com a “equidade de gênero e raça”.

Por fim, Maria Luiza pediu o apoio da Câmara "pela ação protagonista que exerce e a interface que tem com a sociedade", para também se juntar ao lema que retrata o objetivo das mobilizações em todo o país. “Nossos passos vêm de longe, uma sobe e puxa a outra”, afirmou.

Fonte: Portal da CMPA.

Veja também:
Marcha Nacional das Mulheres Negras