segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Ilegalidades nos mecanismos de democracia participativa da Capital são denunciadas

Foto Ederson Nunes/CMPA
Documento contendo denúncias foi entregue pelas Bancadas do PT, PSOL e PCdoB, à presidência da Câmara Municipal de Porto Alegre.

O vereador Engº Comassetto (PT) utilizou a tribuna na tarde desta segunda-feira, 26, para denunciar um esquema de uso da máquina pública nas eleições para conselheiros do Plano Diretor da capital. O vereador leu uma carta assinada por diversas lideranças comunitárias da Restinga e Extremo Sul intitulada "Pedido de socorro", em que, entre outros pontos, dizem estar sendo ameaçadas de morte.

"Recebemos um conjunto de denúncias graves que envolvem, além de ameaças contra a vida dessas lideranças que não concordam com as práticas utilizadas, uma série de irregularidades que precisam ser investigadas. Em síntese, o que está acontecendo é que estão roubando da população da capital, principalmente aquelas residentes nas periferias, o sentido da democracia participativa em detrimento de interesses particulares. Da tribuna pedimos a proteção dessas lideranças que estão sendo ameaçadas, a demissão imediata dos envolvidos e uma investigação profunda de todas as denúncias", frisou Comassetto.

Audiência Pública

Foto Matheus Piccini/CMPA
A vereadora Sofia Cavedon (PT), em sua manifestação, destacou que durante audiência pública realizada pela Câmara na Restinga constatou diversas situações de violência sofrida pelas mulheres nas discussões públicas, como as do Orçamento Participativo, Minha Casa Minha Vida, nas Escolas e no seu entorno.

Parabenizou as lideranças da comunidade pela coragem de denunciar os fatos e disse esperar que a prefeitura atue para impedir que esse tipo de situação continue.

A parlamentar aproveitou o espaço da tribuna para lembrar a luta das mulheres contra o câncer de mama, no Outubro Rosa, “que não é um mês para enfeitar prédios e camisetas com a cor”, mas para chamar a atenção para a gravidade do tema e de luta por uma política permanente de esclarecimento e atendimento às mulheres para apressar o diagnóstico, exames e tratamentos.

Fonte: Portal da CMPA.

Veja também:
Mulheres da Restinga pedem ações contra a violência