domingo, 14 de fevereiro de 2016

‪ Para além dos mosquitos, as enchentes!

Foto Bancada PT/PoA
#‎AlertaCidade‬ ação coletiva dos vereadores e vereadoras do PT de Porto Alegre

Integrada à ação nacional contra o mosquito da dengue e do assustador Zika vírus, o Aedes aegypti, a bancada de vereadores e vereadora do PT da Câmara Municipal de Porto AlegreAlberto Kopittke, Engenheiro Comassetto, Marcelo Sgarbossa e Sofia Cavedonvisitou e dialogou na manhã deste sábado (13/2), com a comunidade Vila Ipê II - Zona Leste da Capital.

Foto Bancada PT/PoA
Rodeada de novos empreendimentos Rossi América – 2900 apartamentos em 29 torres. Melnick com mais de 500 casas e apartamentos e Parque Plaza localizado na Av. Ipiranga, todos construídos nos últimos 6 anos, é atingida por toda água, esgoto pluvial e cloacal, em função de nenhuma obra ter sido feita nos dutos que recolhem os mesmos em função de tamanha densificação. A única contrapartida reconhecida pelos moradores é a suposta “Bacia de contenção do Rossi” que se encontra toda tomada de lixo e de arbustos.

Foto Bancada PT/PoA
Resultado é que testemunhamos, diz a líder da Bancada Petista, vereadora Sofia Cavedon, o sofrimento, desespero e indignação de centenas de moradores antigos que convivem com o mau cheiro constante, com mosquitos em grande quantidade e o pavor dos alagamentos. “O que vimos lá foram portas, portões e janelas lacrados por cimento na tentativa de salvar o patrimônio, ruas e calçadas destruídas pelo constante alagamento, mobílias e a saúde das pessoas em frangalhos pelo descaso, morosidade e omissão do poder público”. A vereadora lembra ainda que “como comunidade consolidada, tem muitos moradores idosos que ficam isolados, sem poder sair, ir ao médico, fazer compras. Viajar nem pensar sem alguém ficar por perto”.

”Não temos direito a dormir quando chove”

Foto Bancada PT/PoA
Somos um bairro refém do tempo pelo licenciamento irresponsável e criminoso do poder público” afirma Paulo Francisco Correa, presidente da Associação de Moradores e dirigente da Creche Comunitária Pequeno Príncipe, que resiste aos poucos recursos atendendo crianças de 0 a 5 anos. Ele conta que entre 80 e 90 casas são atingidas a cada enxurrada.

Ação judicial já definiu a obrigação da prefeitura em realizar a obra de drenagem, mas nada foi feito até o momento. Um bolo mostrando 5 anos de luta recepcionou a comitiva e encaminhamentos como, tribuna popular na Câmara e ação por improbidade administrativa contra a prefeitura, foram construídos, além da indicação à Secretaria da Saúde de locais a serem visitados em função de retenção de lixo e água, criadouros de mosquito.

A Bancada petista destaca que é “dessa forma que a gestão Melo/Fortunati está tratando as comunidades de periferia da cidade. As pessoas estão fazendo sua parte para combater o Mosquito,mas a Prefeitura não!"