sexta-feira, 4 de março de 2016

Investigação virou “show midiático”, diz Lula

Foto Paulo Pinto/Fotos Públicas 
"Eu não tenho complexo de vira-lata. Eu sei o que eu fiz. As pessoas me procuravam para saber como eu fiz para aprovar o Prouni, como aprovei as cotas, como levei luz para mais de 15 milhões de brasileiros pobres”, afirmou. "Se a polícia encontrar um real que não deveria estar na minha conta, eu não mereço ser desse partido". Luiz Inácio Lula da Silva

Se quiseram matar a jararaca, bateram no rabo. A jararaca está viva, diz Lula

Matéria publicada no Portal Sul21

Em pronunciamento no diretório do PT, em São Paulo, na tarde desta sexta-feira (4), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentou o depoimento de mais de três horas que prestou à Polícia Federal pela manhã, em razão do mandado de condução coercitiva emitido contra ele. Em um discurso inflamado para militantes, Lula disse estar indignado com o fato de ser coagido a depor, que se tratava de uma falta de respeito com ele, e que sempre esteve à disposição para prestar esclarecimentos à Polícia Federal e ao Ministério Público.

O ex-presidente também afirmou que o incidente reacendeu sua chama e que, a partir da semana que vem, irá percorrer o país. “Se quiseram matar a jararaca, não bateram na cabeça. Bateram no rabo. A jararaca está viva”, disse Lula ao encerrar sua fala sob gritos de “Lula, guerreiro, do povo brasileiro”.

Ele ainda afirmou que os acontecimentos desta sexta-feira podem servir para fortalecer o Partido dos Trabalhadores. “Embora eu esteja magoado, eu acho que o que aconteceu hoje era o que precisava acontecer para o PT levantar a cabeça. Há muito tempo que todo santo dia alguém faz o PT sangrar. A partir da semana que vem, quem quiser um discursinho do Lula, é só acertar a passagem de ônibus que eu estou disposta a viajar esse país. Nós vamos recomeçar de novo”, afirmou o Lula, dando a entender ainda que, a menos que tenha problemas de saúde, deve ser candidato à presidência em 2018. “Não sei se serei candidato em 2018. A natureza é implacável com quem já passou dos 70, mas a ciência também avançou bastante”, complementou.

“Falta de respeito”

Foto Paulo Pinto/Fotos Públicas
Lula começou o pronunciamento afirmando que considerava uma falta de respeito o modo de operação do judiciário e que nunca se negou a prestar depoimento. “Hoje, na minha vida, é o dia da indignação, da falta do respeito democrático, o dia do autoritarismo de pessoas do Judiciário, porque seria tão simples ter me convidado para prestar depoimento que eu iria”, disse Lula no início do pronunciamento. “Esse ano eu fui prestar três depoimentos, um inclusive eu estava de férias. E fui prestar depoimentos de seis horas para me fazerem as mesmas perguntas que me fizeram antes e me fizeram hoje”.

Lula afirmou que entrou com pedido na Justiça para não prestar depoimento sobre ao seu suposto triplex do Guarujá para o Ministério Público de São Paulo porque o procurador já teria feito um pré-julgamento.

Ele acusou o juiz Sérgio Moro e a força-tarefa do MP e da Polícia Federal de arrogância e prepotência na condução da operação Lava Jato. “O Moro não precisaria ter mandado a coerção da Polícia Federal na minha casa, na casa dos meus filhos. Era só ter me convidado”, disse.

Ele também criticou o judiciário pelo vazamento de informações à imprensa antes mesmo de os advogados de defesa terem acesso a informações. “Enquanto os advogados não sabiam nada, alguns meios de comunicação já sabiam. É lamentável que uma parcela do poder judiciário brasileiro esteja trabalhando em parceria com a imprensa”, afirmou.

“Quem condena é uma manchete”

Lula acusou a imprensa de querer criminalizá-lo e ao PT para impedir que ele concorra à presidência em 2018. “Hoje, nesse país, ser amigo do Lula parece que virou uma coisa perigosa. É preciso criminalizar o PT, criminalizar o Lula, porque esses caras podem querer continuar no governo”, ironizou o ex-presidente. “Eu não estou indignado com os jornalistas não, estou indignado com o comportamento de determinados meios de comunicação. (…) “Hoje, quem condena é uma manchete”, complementou.

Ao falar sobre o depoimento que prestou nesta manhã. Lula negou envolvimento em qualquer ato ilícito. “Se a PF, o MP ou quem quer que seja encontrar um real de desvio na minha conduta, eu não mereço ser desse partido”, disse. Ele também voltou a negar que seja dono do sítio que frequenta em Atibaia (SP) e de um apartamento triplex no Guarujá (SP), que o MP investiga por suposto ocultamento de patrimônio. Ele ainda ironizou a cobertura intensiva da mídia sobre o tema.

“Eu vou à chácara de um amigo porque os inimigos não me oferecem, bem que a Globo poderia me oferecer o triplex em Paraty”, afirmou o ex-presidente. “Eu quero saber quem vai me dar o apartamento quando esse processo terminar, se vai ser a Globo ou o MP. Alguém vai ter que me dar e alguém vai ter que me dar a chácara”, complementou, sob aplausos.

Fonte: Portal Sul21.

Ouça a íntegra da entrevista de Lula