segunda-feira, 21 de março de 2016

Municipários temem redução salarial pelo efeito cascata

Foto Equipe Gabinete
A vereadora Sofia Cavedon (PT) assinou o manifesto e o abaixo assinado em defesa do Plano de Carreira dos Municipários e Municipárias. "Mais uma vez está sendo atacado pelo Judiciário, o mesmo que não se submete ao teto salarial constitucional, o mesmo que opera um golpe no Brasil através de arbitrariedades e seletividades", enfatiza a vereadora.

Foto Marta Resing


A Câmara Municipal de Porto Alegre recebeu, nesta segunda-feira (21/3), no período destinado à Tribuna Popular, o Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa).

Na oportunidade, os diretores do Simpa Alexandre Dias Abreu e Raul Giacobone pediram o apoio dos vereadores à manutenção das leis que corrigem o efeito cascata nas remunerações dos municipários e que estão sendo questionadas judicialmente pelo Ministério Público. Segundo os diretores, caso o Tribunal de Justiça do Estado derrube as leis aprovadas na Câmara Municipal, haverá um efeito cascata sobre os salários dos servidores públicos municipais que poderão significar perdas de até 30% sobre o valor dos vencimentos. Nesta terça-feira (22/3), às 18 horas, haverá o lançamento do Movimento em Defesa do Serviço e dos Servidores Públicos, a ser realizado no Plenário Otávio Rocha, da Câmara Municipal.

Alexandre Dias Abreu, que é diretor de Formação Sindical, destacou a importância de uma posição da Câmara de Porto Alegre referente ao tema. "A Câmara deve se posicionar em relação ao processo (que tramita na Justiça). Temos que nos unir em prol dos servidores e também do serviço público", disse. Abreu citou ainda que, como forma de protesto, os servidores ameaçam paralisar suas atividades na Capital. "Não gostaríamos de uma paralisação na cidade. Sabemos que o nosso trabalho é importante. Podemos resolver este processo de outra forma."


Segundo Raul Giacobone, diretor financeiro do Simpa, aproximadamente 25 mil famílias sairão prejudicadas caso haja a redução de 30% nos salários dos servidores. "São famílias que dependem dos municipários. Eu caracterizo esta redução dos salários como um simples capricho do Ministério Público. Este processo foi encaminhado e votado pelos vereadores. Necessitamos de uma posição da Casa sobre o assunto."

Fonte: Portal da CMPA.

Veja também:
Prefeitura admite parcelar salários a partir de julho