segunda-feira, 25 de abril de 2016

Dependentes do aluguel social, mulheres da Vila Liberdade cobram o Demhab por atraso

Foto Elisamar Rodrigues
Mulheres da Vila Liberdade foram recebidas pela direção do Demhab

Com cartazes e tampas de panela, mulheres da Vila Liberdade foram ao Demhab reivinidcar uma solução para o problema

Da Redação Sul21

Dependentes do aluguel social, mulheres da Vila Liberdade, na Capital, foram com cartazes e tampas de panela até o Departamento Municipal de Habitação (Demhab), no começo da tarde desta segunda-feira (25), cobrar a regularização do pagamento, que estaria atrasado há três meses. Acompanhadas pela vereadora Sofia Cavedon (PT), elas foram recebidas pela diretora-geral do Demhab, Luciane Skrebsky de Freitas, no auditório.

Foto Elisamar Rodrigues 
Na Vila Liberdade, Bairro Humaitá, há cerca de 400 famílias mantidas pelo aluguel social, que seria de cerca de R$ 400 ao mês. Conforme a vereadora, a diretora do Demhab explicou que o atraso no pagamento teria sido causado pela mudança do sistema operacional e que no começo de maio deverá ser regularizado. “A situação é dramática, elas são ameaçadas de despejo”, relatou Sofia, sobre a cobrança que é feita pelos donos das moradias devido à falta de pagamento.

Como é de responsabilidade da Prefeitura o pagamento do aluguel, a vereadora sugeriu que as questões sobre atraso sejam tratadas diretamente pelo Executivo com os proprietários para evitar constrangimentos.

Sobre o loteamento que deve abrigar boa parte das famílias da Vila Liberdade, frisou a vereadora, não há uma perspectiva, já que, de acordo com informações repassadas pela diretora do Demhab, os projetos nem foram aprovados, pois há trâmites burocráticos sobre o registro da área, que foi ampliada, que precisam ser cumpridos primeiro. A petista ressaltou que essas famílias são mantidas por esse aluguel há três anos, enquanto aguardam por uma casa. Hoje, informou Sofia, 1,9 mil famílias na Capital dependeriam do aluguel social.

Fonte: Portal Sul21.