domingo, 22 de maio de 2016

Empossado o Conselho Comunitário de Justiça e Segurança (CCJS) de Petrópolis

Foto CCJS
Na noite desta terça-feira ((17), foi empossada a primeira coordenação do Conselho Comunitário de Justiça e Segurança (CCJS) de Petrópolis, recentemente constituído para enfrentar a insegurança no bairro. O encontro, realizado no auditório do Colégio Santa Inês, contou com a palestra do tenente-coronel da Brigada Militar, Francisco Vieira.

Entre as metas e objetivos apresentados pelo presidente do Conselho, João Henrique Macedo, estão: estreitar o relacionamento com a Brigada; criar relacionamento com a Polícia Civil; criar ações de fortalecimento dos efetivos dos departamentos de segurança pública; fazer articulação entre as associações de bairros para pressionar o governo, prefeitura e guarda municipal; criar evento para pressão do bairro a cidade; criar panfleto divulgando as ações do grupo, telefones e contatos da brigada; fazer evento na praça da Encol; criar estratégias visuais para o bairro visando alertar para as questões da segurança; realizar palestra com a comunidade e agentes de segurança sobre ações de segurança; e envolver o comércio local nas ações de segurança.
Foto Marta Resing

João Henrique informou ainda que foi constituído um Grupo no WhatsApp, que irá atuar junto com a unidade de segurança que trabalha no bairro.

Centro Integrado

Foto Marta Resing
A vereadora Sofia Cavedon (PT), moradora do bairro e integrante do Conselho Comunitário, protocolou nesta quarta-feira, uma Indicação ao Prefeito para que o Governo Municipal instale junto ao Centro Integrado de Emergências da Secretaria Estadual de Segurança, uma célula da EPTC, SAMU e da Guarda Municipal.

Sofia justifica a solicitação tendo em vista que durante a Copa do Mundo, o Governo Federal investiu na construção e equipou um moderno Centro de Monitoramento na capital, para onde vão todas as chamadas realizadas pelo 190, tendo computadores potentes, conexão com mais de 700 câmeras e telões.  No entanto, diz a vereadora, terminou a Copa e a Prefeitura retirou todos os seus órgãos do Centro. “Isso retarda os procedimentos que poderiam ser instantâneo e salvar vidas”.

Sofia afirma que a demanda é do próprio Comando do Centro Integrado e tem sido exigência das comunidades que se organizam na busca de segurança.