quinta-feira, 12 de maio de 2016

“Não existe injustiça maior que condenar um inocente”, afirma Dilma

Foto Divulgação Gabinete
Hoje é um dia muito triste, grave, sério para a Democracia brasileira. Não tem contra a presidenta Dilma nenhum crime ou processo legal. Essas acusações aconteceram talvez pela sua condição de mulher. Michel Temer está condenado em São Paulo e investigado em várias operações, inclusive na Lava-Jato. Ele também deveria ser impedido.

Dilma representa a aposta na democracia, a aposta na justiça social, na esperança da juventude brasileira. Não deixaremos o Brasil ser submetido a golpistas que não conseguem pelo voto impor suas medidas neoliberais de privatização, retirada de direitos, de corrupção, de ficha suja!”- Vereadora Sofia Cavedon, Líder da Bancada do PT

Dilma está sendo punida por um crime que não cometeu

Foto Planalto
A presidenta Dilma Rousseff discursou durante pronunciamento à imprensa após votação do Senado que determinou o seu afastamento

A presidenta eleita Dilma Rousseff afirmou na manhã desta quinta-feira (12) que não vai desistir da luta. Primeira mulher eleita presidenta no país, Dilma afirmou que sente a dor da injustiça, pois está sendo punida por um crime que não cometeu, mas que não vai esmorecer. A presidenta também convocou a população a permanecer lutando pela democracia.

Dilma Rousseff saiu do Palácio do Planalto apoiada pela população. Milhares de pessoas demonstraram o apoio à Dilma na frente do Palácio do Planalto. A presidenta eleita foi afastada temporariamente após a decisão do Senado Federal, que admitiu o processo de impeachment contra a presidenta eleita, mesmo sem crime de responsabilidade demonstrado.

“Eu já sofri a dor indizível da tortura, da doença, e agora eu sofro mais uma vez a dor inominável da injustiça. Sou vítima de uma farsa jurídica e política. Mas não esmoreço”, afirmou ela. Para a presidenta, punir alguém inocente é uma das maiores brutalidades que pode ser feita contra uma pessoa.

Foto Divulgação Gabinete
“O maior risco para o Brasil é ser dirigido pelo governo dos sem voto. Que não terá legitimidade para propor e implementar soluções para o desafio do Brasil”, afirmou. Para ela, o governo interino de Michel Temer (PMDB) nasce de um impeachment fraudulento, uma espécie de eleição indireta.

Dilma convocou o povo brasileiro à luta pela democracia. “É uma luta que pode ser vencida e nós vamos vencer”, disse a presidenta. “Eu lutei a minha vida inteira pela democracia. Aprendi a confiar na capacidade de luta do nosso povo. Já vivi muitas derrotas e grandes vitórias. Nunca imaginei que seria necessário lutar de novo contra um golpe no meu pais”, disse ela.

Dilma reafirmou que não cometeu nenhum crime, e que sequer assinou os atos das chamadas pedaladas fiscais pelas quais está sendo suspensa do cargo. “Não tenho contas no exterior, não recebi propina, não compactuei com a corrupção”, lembrou.

De acordo com o anunciado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), Dilma manterá prerrogativas da presidência. Continuará morando no Palácio da Alvorada, e terá direito a transporte (carro e avião) e equipe a serviço do gabinete pessoal da Presidência.

Impeachment sem crime

A partir de agora, a presidenta ficará 180 dias fora do cargo e o presidente interino Michel Temer (PMDB) assumirá temporariamente. Nesse meio tempo, ocorrerá a fase de julgamento no Senado, presidida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski. Nessa fase, acusação e defesa serão ouvidas, provas apresentadas e o Senado funcionará como um tribunal que decidirá se a presidenta volta ou não ao exercício da função.

Em uma primeira fase, a Comissão do Impeachment deve elaborar um novo parecer discutindo se a Dilma cometeu ou não crime de responsabilidade. Se aprovado por maioria simples, Dilma vai ser julgada em sessão plenária e destituição só será ser aprovada caso tenha dois terços da casa.

Como reafirmou o Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo, na defesa de Dilma no Senado Federal, não existe crime de responsabilidade no processo de impeachment, e a Constituição Federal está sendo rasgada com abertura do processo. “Está nesse momento condenando uma mulher honesta e inocente. Se está cometendo uma injustiça histórica. A história escreverá o que aconteceu”, afirmou ele.

Da Redação da Agência PT de Notícias