sexta-feira, 17 de junho de 2016

Segurança em crise – Salvar vidas e diminuir as situações de risco

Foto Guilherme Almeida/CMPA
Preocupada com a grave crise na segurança pública de Porto Alegre, a vereadora Sofia Cavedon (PT) tem apresentado diversas propostas, que estão sendo aprovadas na Câmara Municipal, com o objetivo de salvar vidas e diminuir as situações de risco que a população enfrenta diariamente.

Sinal Vermelho

A Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou na Indicação ao governo municipal, de autoria da vereadora Sofia Cavedon, sugerindo que a EPTC não multe os veículos que avançarem o sinal vermelho, em baixa velocidade, no período noturno, enquanto perdurar a crise da segurança pública na capital.

A indicação ao Prefeito, sugerindo que a EPTC não multe os veículos que avançarem o sinal vermelho, em baixa velocidade, no período noturno, enquanto perdurar a crise da segurança pública na capital, foi aprovada na segunda-feira (13/6) pela Câmara Municipal.

Sofia justifica informando que dados da Secretaria de Segurança Pública, em 2015, mostram que ocorreram, em Porto Alegre, 584 homicídios dolosos, 4.206 furtos de veículos e 9.480 roubos de veículos.

“Muitos desses roubos e homicídios certamente ocorreram no período noturno, envolvendo motoristas que pararam no semáforo. Por isso, propomos que a EPTC não multe os veículos que avancem o sinal vermelho, em baixa velocidade, no período noturno. A presente proposta não pode ser confundida com licença para dirigir de forma irresponsável, que coloque em risco a vida dos demais motoristas e pedestres. Esta indicação tem o sentido de preservar a vida, diminuindo a exposição dos motoristas e passageiros a situações de risco”, salienta a parlamentar.

Leia aqui a íntegra da Indicação.

EPTC, Samu e Guarda Municipal no Centro Integrado

Foto Rafaela Valente/SSP
E nesta quinta-feira (16/6), o plenário da Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou, em votação simbólica, a Indicação 028/16., de autoria da vereadora Sofia Cavedon. A proposta sugere, ao Executivo Municipal, a instalação de células da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e da Guarda Municipal junto ao Centro Integrado de Emergências, da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul.

Na justificativa, a parlamentar salienta que a saída dos órgãos do Município do Centro Integrado, após a realização da Copa do Mundo de 2014, retarda procedimentos que poderiam ser instantâneos, salvando vidas e otimizando os recursos. “Esta demanda é do próprio comando do Centro Integrado e tem sido apresentada por comunidades que se organizam na busca por segurança”, afirma Sofia.

Leia aqui a íntegra da Indicação.

Com informações do Portal da CMPA.

Segurança em eventos particulares - Responsabilidade do organizador

Outra proposta da Vereadora, que tramita desde 2013, é o projeto de lei que define o organizador como responsável pela segurança em eventos particulares. A ideia é que os organizadores dos eventos deverão dispor de agentes de segurança, na quantidade e qualificação estabelecidas pelos órgãos competentes.

Os organizadores poderão utilizar segurança privada ou firmar convênio com a Brigada Militar, este prevendo o ressarcimento das horas extraordinárias do efetivo empregado, bem como do custeio exigido pelo serviço prestado”, destaca a vereadora.

Com essa regulamentação a segurança nas vias públicas não fica prejudicada, aumentando o efetivo da Brigada Militar nas ruas da cidade.

Conheça o projeto de lei.

Conselho Comunitário de Justiça e Segurança (CCJS) de Petrópolis

A vereadora Sofia também integra o Conselho Comunitário de Justiça e Segurança (CCJS) de Petrópolis, bairro onde reside, recentemente constituído para enfrentar a insegurança local.

O Conselho tem se reunido semanalmente e tem em sua proposta estreitar o relacionamento com a Brigada; criar relacionamento com a Polícia Civil; criar ações de fortalecimento dos efetivos dos departamentos de segurança pública; fazer articulação entre as associações de bairros para pressionar o governo, prefeitura e guarda municipal; criar evento para pressão do bairro a cidade; criar panfleto divulgando as ações do grupo, telefones e contatos da brigada; fazer evento na praça da Encol; criar estratégias visuais para o bairro visando alertar para as questões da segurança; realizar palestra com a comunidade e agentes de segurança sobre ações de segurança; e envolver o comércio local nas ações de segurança.