segunda-feira, 18 de julho de 2016

Porto Alegre vive “total ausência de gestão pública”, avalia Raul Pont

Por Débora Fogliatto/Sul21

Foto Guilherme Santos/Sul21 
Único dos pré-candidatos à Prefeitura de Porto Alegre que já exerceu o cargo anteriormente (1997-2000), o petista Raul Pont tenta, quase 20 anos depois, voltar ao posto. Ele, que também já foi vice-prefeito, deputado estadual e federal, avalia que a situação da política nacional, com o afastamento da presidenta Dilma Rousseff, influencia diretamente nas eleições municipais. Por isso, também, defende uma aliança do campo da esquerda que votou contra o impeachment, reunindo PT, PCdoB, PSOL e PDT, em um possível segundo turno contra algum candidato identificado com a direita.

Para o primeiro turno, Pont relata que o partido busca aliança com o PCdoB, que compõe a Frente Brasil Popular com o PT, e aposta na parceria com movimentos sociais e de juventude. “Com uma defesa da democracia, luta prioritária pelos direitos sociais, porque nós representamos efetivamente os setores populares, e uma defesa das funções do Estado, das empresas públicas”, afirmou. Ele ainda critica a gestão atual, desde o governo de José Fogaça, passando pelas administrações de José Fortunati com o vice Sebastião Melo, os quais menciona que transformaram o Orçamento Participativo em algo “para inglês ver”, ou seja, que não tem real influência nas decisões da cidade.

O ex-prefeito também menciona discussões que estão em alta na capital gaúcha, como o Cais Mauá, a segurança pública e o déficit habitacional. “Eu parto da ideia de que o Cais tem que voltar a ser apropriado por Porto Alegre”, declarou, garantindo que gostaria de rever os contratos da empresa que atualmente tem a concessão de uso do espaço. “Acho que a primeira coisa é mudar esse contrato e denunciar esse contrato. Depois tem a discussão de se o estado ou a prefeitura serão o administrador, e eu vou retomar a luta para que o município passe a gerenciar essa área”, assegurou.

 Intenção é construir aliança com ‘identidade programática sólida’, garante.

Confira a entrevista completa no Portal Sul 21.