terça-feira, 12 de julho de 2016

Vereadoras repudiam agressão sofrida por sindicalista

Através de uma Moção de Repúdio da Procuradoria Especial da Mulher, coordenada pela vereadora Sofia Cavedon (PT), as vereadoras da capital repudiam, de forma veemente, a agressão sofrida pela sindicalista Anitamar Maciel Lencina, pelo atual presidente do Sindisaúde/RS, Arlindo Nelson Ritter. O fato ocorreu no dia 06 de julho durante processo de eleição da comissão eleitoral, no salão da Igreja Pompeia em Porto Alegre.

Leia abaixo a íntegra da Moção

Senhor Presidente:

As Vereadoras que estas subscrevem, através da Procuradoria Especial da Mulher desta Câmara, requerem que, após os trâmites regimentais, com fundamento no art. 95 do Regimento deste Legislativo e no parágrafo único do art. 55 da Lei Orgânica do Município de Porto Alegre, seja encaminhada a seguinte

MOÇÃO DE REPÚDIO

Ao presidente do Sindisaúde/RS Arlindo Nelson Ritter pela agressão a diretora da entidade durante a assembleia que elegeu a comissão eleitoral na Iigreja Pompeia dia 6 (seis)  de julho, em Porto Alegre.

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Além das ameaças e provocações verbais, o assédio moral constante praticado pelo Sr. Arlindo à frente do sindicato, tem sido cotidiano e reincidente, a entidade é o segundo maior sindicato do RS e representa uma categoria composta por 80 % de mulheres.

A violência contra as mulheres é a manifestação da opressão estrutural que é o machismo e o sistema de dominação patriarcal, vem servindo historicamente ao capitalismo na manutenção do controle das mulheres dentro da sociedade de classes, sobretudo as mulheres trabalhadoras. O presidente Arlindo manifesta-se como operador deste sistema, chegando ao seu ápice na última quarta, quando mesmo sendo vencedor no resultado eleitoral, não bastasse toda opressão, assédio e violência moral e psicológica que o mesmo vem praticando contra funcionárias, parte pra cima de Anita sacudindo uma folha de forma agressiva próximo ao seu rosto, finalizando com um tapa.

Lutamos pela erradicação da violência contra mulher e não iremos cessar força para que caso como este não se repita novamente. Disputas políticas através de debates, contraponto de ideias, são necessários e salutares, mas de forma alguma justifica qualquer discriminação e violência contra a mulher.

Neste sentido as vereadoras desta casa, através da Procuradoria Especial da Mulher da Câmara Municipal de Porto Alegre, veem a público repudiar a postura machista e violenta do presidente Arlindo a frente desta entidade. A violência sofrida pela diretora Anitamar, atinge a todas nós mulheres, e deve ser combatida, assim como qualquer forma de violência, machismo e discriminação contra todas as mulheres.

A moção será encaminhada aos/as destinatários/as relacionados/as: Presidente do Sindisaúde/ RS, FEESSERS, CUT/RS e CUT Nacional.