sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Semana Municipal pela Inclusão Escolar ocorreu esta semana

Foto Guilherme Almeida/CMPA
Semana da Inclusão Escolar na Câmara Municipal - Lei de minha autoria - discute o Estatuto da Pessoa com Deficiência, apresenta as boas práticas pedagógicas e a organização e objetivos do Fórum de Inclusão Escolar. É preciso avançar! – Sofia Cavedon

Tribuna Popular recebe Escola para Surdos Frei Pacífico
Entidade é referência na educação de crianças com deficiência

Na sessão ordinária de segunda-feira (8/8), durante o período destinado à Tribuna Popular, a Câmara Municipal de Porto Alegre recebeu representantes da Escola Especial para Surdos Frei Pacífico, entidade sediada no Bairro Santo Antônio que trabalha na educação e cuidado com crianças surdas. O tema discutido foi “A escola especial e a inclusão das pessoas com deficiência”. Conforme a Lei Municipal 10.904/2010,de autoria da vereadora Sofia Cavedon (PT), a Semana Municipal de Inclusão Escolar é celebrada na segunda semana de agosto.

Foto Guilherme Almeida/CMPA
A professora da Escola Frei Pacífico Juliane Emmert da Silva pronunciou-se através da língua brasileira de sinais (Libras). “Aprendi a linguagem de sinais, pois desde pequena frequentei uma escola para surdos”, relatou. Para ela, a convivência com pessoas diferentes é importante, e deve ser incluída no debate sobre a qualidade da educação. “O professor precisa enxergar o aluno a partir de suas capacidades e habilidades, e não por suas diferenças”, explicou.

Segundo a educadora, as escolas regulares não estão preparadas para acolher pessoas com deficiência. “Falta a preparação dos professores, além de adaptações curriculares e projetos de acessibilidade”, expôs. Ela defende que o aluno se sinta acolhido no ambiente pedagógico. “A Frei Pacífico contempla vários projetos para o convívio e promoção de cidadania aos alunos”. Após a manifestação, foi apresentado um vídeo institucional sobre a escola, com depoimentos de crianças atendidas.

Inclusão de deficientes nas escolas é tema do Período de Comunicações

Aproveitando a Semana Municipal pela Inclusão Escolar, que ocorreu na Câmara Municipal de Porto Alegre, na quarta-feira (10/8) o Período de Comunicações Temático da Sessão Ordinária foi sobre inclusão de deficientes nas escolas. Proposto pela vereadora Sofia Cavedon,  autora da Lei Municipal 10.904/2010, que institui a Semana, o período teve a presença de Olga Solange Herval, integrante do SIR (Sala de Integração e Recursos) da Escola Municipal de Ensino Fundamental Dolores Alcaraz Caldas e membro do Fórum pela Inclusão Escolar.

Foto Guilherme Almeida/CMPA
Deficiente visual e acompanhada de um cão-guia, Olga falou que, segundo pesquisa feita em 2010, há 45,6 milhões de deficientes no Brasil, o que corresponde a 24% da população. “Mas, sendo ele de 2010, proporcionalmente podemos entender que esses totais triplicaram, visto que muitas pessoas possuem mais de um tipo de deficiência”, declarou.

 Olga também comentou sobre a importância dos movimentos sociais na melhora das condições de educação brasileira para deficientes e sobre leis que vigoram em âmbitos municipal, estadual e federal, que os auxiliam em questões como “atendimento prioritário em órgãos públicos, vagas em hotéis com acessibilidade, auxilio-inclusão para o mercado de trabalho, penas para quem discrimina deficientes, vagas em faculdades, reforma das calçadas de responsabilidade do poder público e mais recursos para esportes paralímpicos”. Por fim, a professora citou a recente criação do Fórum Municipal de Educação pela Prefeitura de Porto Alegre como mais um apoio à luta dos deficientes. “Já temos muito a comemorar frente a uma trajetória de sucesso”.

A vereadora Sofia Cavedon, disse que “uma das funções do Fórum é discutir, analisar e pensar o Estatuto do Deficiente. E nós, como governo municipal, temos a responsabilidade de fazer essa interlocução”. Sofia também comentou sobre uma frase que ouviu sobre o assunto, que relaciona a deficiência como um fenômeno social: “Na verdade, a sociedade é organizada para uma suposta normalidade. Se a sociedade retira essas barreiras a deficiência desaparece”.

Fonte 1: Portal CMPA | Fonte 2: Portal da CMPA

Veja também: