terça-feira, 8 de novembro de 2016

Situação da Usina das Artes é debatida em Comissão

Participantes pediram pressa na reforma no Gasômetro e reclamaram da falta de edital de seleção.

Vereadora Sofia Cavedon (PT) sugeriu uma audiência pública, como solução, e declarou que “é uma irresponsabilidade deixar os artistas nessa insegurança”.

Ocorreu na tarde desta terça-feira (8/11) a reunião da Comissão de Educação, Cultura, Esporte e Juventude (Cece) sobre a situação dos grupos que fazem parte da Usina das Artes, ocupação na Usina do Gasômetro formada por companhias de teatro, artes plásticas, circo, dança e outras áreas culturais, visto que o espaço está sendo reformado.

A reunião foi sugerida pela vereadora Fernanda Melchionna (PSOL) que declarou que o projeto “nasceu com a resistência” e ressaltou a preocupação com o sucateamento do Gasômetro e com o futuro dos grupos antes, durante e depois da reforma. “Além disso, o edital, que é anual, deveria ter saído este mês”, questionou a vereadora.

Foto Josiele Silva/CMPA
Robson Reinoso, representante da companhia Cambada de Teatro em Ação Direta Levanta Favela, falou pelos dez grupos contemplados, afirmando que lá ocorrem diversos cursos, oficinas e ensaios abertos à comunidade e que isso “torna Porto Alegre uma das mais importantes rotas artísticas do Brasil”. “Caso haja uma interrupção dessas atividades, todos saem perdendo. O patrimônio imaterial é tão importante quanto o material”, declarou Reinoso. Desde o lançamento do edital, em 2005, 95 grupos já foram beneficiados.

Questionado sobre a previsão de início das obras e realocação das companhias, o secretário adjunto da Cultura de Porto Alegre, Vinícius Caurio, alega que a abertura do espaço acontecerá ainda neste ano, mas o término das obras depende da entrega dos projetos complementares, de responsabilidade do arquiteto. Sobre o edital de seleção, Caurio declarou: “Ele pode ser iniciado no próximo governo, já que o atual vale até maio de 2017”. Alexandre Dill, do Grupo Jogo de ExperimentAção Cênica, questionou o fato de ainda não ter sido divulgada nenhuma data, uma nova cláusula no edital que autoriza a retirada dos artistas sem aviso prévio, e o atraso no repasse de verbas para as companhias.
Foto Web

Vinícius Vieira, do Conselho Estadual de Cultura, sugeriu, como encaminhamento, propor um encontro de apresentação do projeto arquitetônico com a comunidade ainda este ano, mesmo que não esteja pronto. Fábio Cunha, presidente do Sated/RS, propôs que os artistas construíssem um edital em conjunto com a Secretaria e que ele fosse apresentado ao governo ainda neste ano.

Ao final, todas as sugestões de encaminhamento foram aceitas, e um documento por escrito dos participantes da Usina das Artes foi entregue à SMC.

Fonte: Portal da CMPA.