quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Terreno para horta comunitária urbana poderá virar estacionamento

Associação das Hortas Coletivas do Centro Histórico solicitou apoio do legislativo na Tribuna Popular

Foto Josiele Silva/CMPA 
Assim que a Tribuna Popular acabou, a vereadora Sofia Cavedon (PT) entrou com uma representação no Ministério Público de Contas do RS (MPC), tendo em vista a informação de que o terreno público na José do Patrocínio, 66, será cedido pela Prefeitura para ser estacionamento do Senac.

Sofia lembra que além da reivindicação abaixo, das hortas comunitárias, o seu mandato já formalizou ao governo municipal a indicação desse terreno para a construção de uma escola de educação infantil diante da enorme demanda da cidade.  A parlamentar solicitou ao MPC que questione a Prefeitura sobre o tema,  impedindo a cedência desse privilegiado terreno, sem um debate com a população. " Nada justifica um terreno público ir para estacionamento e não para as causas da Educação, como a necessária escola infantil no centro da cidade" destaca a parlamentar..

Grupo pede liberação de terreno para horta comunitária urbana

Foto Matheus Piccini/CMPA
Em período destinado à Tribuna Popular, durante a sessão ordinária da tarde desta quarta-feira (23/11), a Câmara Municipal de Porto Alegre recebeu a diretora-secretária da Associação das Hortas Coletivas do Centro Histórico (AHCCH), Carolini Kolinski de Lima. Na ocasião, em que foi discutida a importância das hortas comunitárias no espaço urbano, a associação pediu apoio aos parlamentares para a liberação de um espaço na rua José do Patrocínio, de propriedade da Prefeitura Municipal, para a implantação de uma horta comunitária.

A engenheira agrônoma iniciou sua explanação explicando como ocorreu a formação da entidade. “Somos um grupo de vizinhos que se conheceu através das redes sociais e marcamos vários encontros e reuniões abertas em locais públicos para compartilhar experiências”, contou, dizendo que a AHCCH surgiu a partir da necessidade de formalização do grupo junto ao poder público.

“Nosso objetivo principal é criar e manter hortas urbanas a partir do princípio agroecológico”, salientou Carolini. Ela afirmou que o grupo tem intenção de não produzir apenas alimentos orgânicos. “Pretendemos cultivar também plantas aromáticas, chás, condimentos e temperos, além de resgatar as plantas medicinais”, sublinhou, acrescentando que a promoção do bem-estar social dos indivíduos é indispensável nos cuidados com a saúde.

Segundo a diretora da AHCCH, a entidade busca a liberação de um terreno na rua José do Patrocínio (nº 66), para a criação de uma horta comunitária. “Esse espaço pertence à prefeitura e está ocioso há mais de dez anos”, atestou, solicitando apoio dos vereadores para convencer o poder Executivo. “Se não este, pode ser outro terreno dentro do bairro, onde possamos desenvolver um projeto de estímulo à alimentação saudável e cuidado como o meio ambiente”, declarou.

Carolini de Lima enfatizou ainda a principal meta da associação. “Além de revitalizar espaços, queremos revitalizar as pessoas, transformando algo negativo (terreno ocioso) em algo positivo para a comunidade”, assegurou, garantindo que a AHCCH conta com o apoio de grupos de extensão rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), a Rede Minha Porto Alegre e Escola Municipal Porto Alegre (EPA), onde já são realizadas oficinas e ações com foco em hortas comunitárias.

Fonte: Portal da CMPA.