terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Juristas, intelectuais e movimentos sociais repudiam pacote de Temer

Em nota divulgada na sexta-feira (23), juristas, intelectuais e movimentos sociais externaram apoio à nota da CUT e CTB que repudiaram o “pacote de maldades” do presidente ilegítimo Michel Temer, desde que assumiu a presidência, liderando o maior desmonte dos direitos sociais e trabalhistas da história recente.

De acordo com a nota, as medidas adotadas para o país se convertem em “propostas que se colocam na contramão de história, na medida em que, enquanto na Europa discutem-se políticas de aumento do salário mínimo, no Brasil, apesar das imensas desigualdades sociais, alvitram-se medidas redutoras de direitos que mais atingem os que mais necessitam da proteção social, sacrificando o trabalho em detrimento do capital e sem qualquer aceno à redução dos juros, a um imposto de renda progressivo que não penalize os assalariados, à tributação da renda e das grandes fortunas”.

Leia a íntegra da nota: Quando o saco de maldades vira presente de natal

Leia também:
- Temer mente: reforma enfraquecerá trabalhador, diz CUT
- Dieese: debate sobre reforma será intenso para evitar precarização