quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Aprovada Frente Parlamentar em Defesa da Previdência Pública

Foto Marta Resing
Proposta pela vereadora Sofia Cavedon, líder da bancada do PT, foi aprovada na Câmara Municipal de Porto Alegre a constituição da Frente Parlamentar em Defesa da Previdência Pública. Conforme a parlamentar, a Frente irá defender o Previmpa e lutar contra a retirada de direitos que o governo federal está impondo a classe trabalhadora.

Também na noite de ontem (quarta-feira - 22) Sofia participou da audiência realizada pelo Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), “Previmpa e a reforma da Previdência”, que contou com a presença do deputado federal Pepe Vargas (PT), integrante da Comissão de Reforma da Previdência no Congresso Nacional.

Municipários unidos para defender o Previmpa e a Previdência Social

Foto Simpa
Na noite de ontem (23/2), a categoria municipária esteve presente no painel organizado pelo SIMPA, “Previmpa e a reforma da Previdência”, na Câmara de Vereadores. Após exposição da situação financeira da instituição pelo atuário do Previmpa, Dalvin Gabriel José de Souza, dirigentes das centrais sindicais CUT, CTB e CSP Conlutas afirmaram a necessidade de lutar em unidade contra a reforma proposta por Temer.

O Deputado Federal, Pepe Vargas (PT) integrante da Comissão de Reforma da Previdência no Congresso Nacional, também esteve presente no painel e afirmou: “não é uma mera reforma, mas um desmonte da proteção social ao bem estar social construído na Constituição cidadã de 1988”.

Contra projeto que está sendo tocado a toque da caixa pelo Congresso Nacional, a centrais já avisaram: DIA 8/3 AS MULHERES VÃO PARAR NO ATO 8M E DIA 15/3 HAVERÁ UMA GREVE GERAL CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL!

Previmpa não tem déficit!

Na onda dos governos Temer e Sartori, o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr, já vem criando o caos no serviço público e propagando inverdades sobre o Previmpa, ao dizer que ele é deficitário. O atuário do Previmpa, Dalvin Gabriel José de Souza, afirmou ao contrário durante o painel: “a instituição não tem rombo!”.

“Na verdade, existe uma responsabilidade do município para com os servidores a partir de um regime que mudou, mas que em dez anos voltará a ter um equilíbrio”.

Clique aqui para ver o PDF da apresentação de Dalvin.

Fonte: Portal do Simpa

Reforma da Previdência é debatida na Câmara da Capital

Foto Carolina Andriola/CMPA
Também nesta quarta-feira (22), a vereadora acompanhou o painel A Reforma da Previdência Social brasileira realizado no período de Comunicações Temáticas da sessão ordinária da Câmara Municipal. A discussão sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287 foi solicitada pelo vereador Adeli Sell (PT) e teve a presença do representante da Associação dos Advogados Previdenciaristas de Porto Alegre (APP), Jorge Vidal dos Santos, que afirmou que todas as reformas na Previdência, em nível mundial, nunca foram feitas para beneficiar os segurados.

O advogado explicou as mudanças que irão ocorrer se a PEC 287 for aprovada no Congresso Nacional: a idade mínima para aposentadoria passará a ser de 65 anos com 49 anos de contribuição para garantir a integralidade do salário. Assim, os trabalhadores rurais, que não eram obrigados a contribuir com a Previdência e se aposentavam aos 55 anos (mulheres) e aos 60 (homens), participarão do mesmo sistema dos trabalhadores urbanos. “O pequeno agricultor começa a trabalhar muito cedo, muitas vezes, antes dos 10 anos.  Um homem com 45 anos no campo já está com graves problemas de coluna e não consegue chegar aos 60 anos com saúde”, exemplificou.

Já os funcionários urbanos terão de aumentar o tempo de contribuição (que hoje é de 35 anos para os homens e 30 para as mulheres) para 49 anos ininterruptos para conseguir a aposentadoria ao completar 65 anos. Entretanto, a média de contribuição dos brasileiros é de 18 anos, e, em períodos de crise econômica e recessão, cresce o número de desempregados e de trabalhadores informais. “Aquilo que se conquistou com a Constituição de 1988 está sendo retirado pela PEC”, alertou Santos. O advogado acredita que a idade mínima de 65 anos é só o início, pois, se o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) comprovar que a expectativa de vida do brasileiro irá aumentar, “é possível que essa idade ainda suba”. Para ele, essa reforma pode ser o indício para uma possível privatização da Previdência Social no futuro. “Ainda há tempo do povo brasileiro barrar a proposta porque todos os especialistas apontam que a Previdência não é deficitária.”

Na opinião de Sofia Cavedon (PT), essa Reforma da Previdência está absolutamente errada porque “a igualdade real e material no mundo do trabalho é um equívoco: as mulheres, na grande maioria, trabalham mais horas que os homens, semanalmente, por assumirem as tarefas de casa”.

Leia a opinião dos demais Vereadores/as acessando aqui.