quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Transporte público da capital e o veto a emenda do PT

Foto Carolina Andriola/CMPA
TRASPORTE em POA não pode custar mais caro! Já é a terceira capital do país em preço de passagem, não melhorou qualidade e recebeu prorrogação da isenção de ISSQN. Prefeito vetou a emenda da bancada do PT para que todos os recursos do sistema venham para uma conta pública - mais de três milhões dia que estão na mão da empresas privadas. Sofia Cavedon
Foto Equipe Gabinete
Nesta semana, problematizando o "dito" diálogo sobre a tarifa do transporte coletivo por parte da Prefeitura, a vereadora Sofia Cavedon, líder da Bancada do PT, apontou em reunião da Câmara e no Ministério Público de Contas do RS (MPC), em conjunto com o Bloco de Oposição, que o Executivo centra nos benefícios de gratuidade e não mexe nos itens de abuso tanto de preço de combustível quanto lucratividade e custo da administração da Câmara de Compensação que deveria estar na mão da prefeitura.
Em sua manifestação de  Liderança nesta quarta-feira (15), Sofia afirmou que “os números enviados pelas empresas de ônibus não foram questionados pelo novo governo”, disse ela. De acordo com a vereadora, muitos dados que compõem a planilha de cálculo apresentada pelo governo estão equivocados. “Fala-se em passe livre, que não há em Porto Alegre. O programa Vou à Escola, que garante acesso educacional aos estudantes de baixa renda, é custeado pela Secretaria Municipal de Educação”, disse. Sofia também criticou a consulta pública virtual lançada pela prefeitura . “Não há espaço para opinar sobre qualidade, enquanto há uma indução a não se considerar o dissídio dos rodoviários”, completou.
Emenda VetadaA Emenda 04 de autoria da Bancada do PT passa a gestão da Câmara de Compensação Tarifária a administração de todas as receitas advindas do Sistema de Transporte Público de Passageiros de Porto Alegre em conta pública especial e específica da EPTC, em instituição financeira oficial. A Emenda é ao Projeto de Lei Complementar do Executivo (PLCE 015/16) trata da extensão do ISS para o serviço público de transporte coletivo por ônibus.