sábado, 29 de abril de 2017

Mais de 30 mil gritam “O Brasil parou” e “Fora Temer” nas ruas do centro de Porto Alegre

Foto Marta Resing
A vereadora Sofia Cavedon particpou ativamente das atividades desde as primeiras horas da manhã desse exitoso 28 de Abril de 2017!

A greve geral contra as reformas da Previdência e trabalhista e a terceirização sem limites do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB) uniu as centrais sindicais, parou ônibus e trens em Porto Alegre e levou mais de 30 mil trabalhadores e estudantes tomaram as ruas do centro da Capital, na tarde ensolarada desta sexta-feira (28), após o frio abaixo de 10º na madrugada.  Com alegria e animação, eles gritaram “ô, ô, ô, ô, o Brasil parou” e “Fora Temer”.

Antes da caminhada, as centrais realizaram um ato ao lado da Prefeitura, na Avenida Borges de Medeiros, logo após a vibrante manifestação do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), que também aderiu à greve geral, a exemplo de várias categorias.

“Ladrões de direitos”

Foto Marta Resing
O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, destacou a importância da unidade das centrais e lembrou que “há 100 anos a classe trabalhadora se levantava e fazia a primeira greve geral por direitos trabalhistas e previdenciários. O destino nos reservou que, em 2017, ladrões de direitos que assaltaram o governo querem impor aos trabalhadores um brutal retrocesso e estão saqueando o Brasil”.

“Hoje, porém, nós paramos o Brasil para colocar as coisas em ordem”, salientou Claudir, que criticou também a cobertura tendenciosa da mídia golpista. “Com essa greve geral, tem gente chateada, como donos de meios de comunicação que escondem e manipulam, mas hoje eles tiveram que dizer que os trabalhadores estavam fazendo greve geral”, frisou.

Resistência

Foto Marta Resing
Houve também manifestações da CTB, Força Sindical, UGT, Nova Central, CGTB, Intersindical e CSP-Conlutas. Depois, junto com movimentos sociais e da juventude, todos saíram em caminhada, que percorreu a Avenida Júlio de Castilhos, subiu o viaduto da Conceição, desceu a Rua Sarmento Leite e entrou na Avenida Perimetral, terminando no Largo Zumbi dos Palmares.

A marcha foi recheada de palavras de ordem, como “eu tô na resistência, contra a reforma da Previdência”, “ocupa tudo, greve geral, contra a reforma do governo federal” e “1, 2, 3, 4, 5, mil, ou para a reforma ou paramos o Brasil”. E a marca registrada das mulheres não faltou: “nem recatada e nem do lar, a mulherada tá na rua pra lutar”.

“Estamos no jogo”

Mais do que confirmar a previsão da CUT-RS de que seria a maior greve geral da história recente do Brasil, o saldo da mobilização é que as reformas do governo golpista não estão consumadas. “Estamos no jogo e eles vão ter que nos respeitar porque, se não pararem o trator das reformas, vamos dobrar o movimento”, avisou Claudir. “Não somos palhaços”.

Ele ressaltou que a força da greve geral não se deve somente aos piquetes dos rodoviários nas garagens, que tiveram a presença solidária de várias categorias de trabalhadores. “Muita gente fez greve mesmo e paralisou contra as reformas, o que foi decisivo para o sucesso do movimento”, observou Claudir.

Ato de 1º de Maio

Ao final do ato e da caminhada, as centrais convocaram os trabalhadores e estudantes para o ato de 1º de Maio, que será realizado na próxima segunda-feira, às 11h, junto ao Monumento ao Expedicionário, no Parque da Redenção, na capital gaúcha.

“Todos e todas ao 1º de Maio da resistência. Vamos fortalecer a unidade da classe trabalhadora e reafirmar a importância da luta coletiva para defender os empregos e os direitos e não perder o futuro”, conclamou Claudir. A luta continua.

Acesse aqui e veja o registro fotográfico da participação de Sofia nos atos....

Fonte: Portal da CUT/RS.