quinta-feira, 18 de maio de 2017

Secretário rejeita contraproposta de Pais/Mães e Direções de Escolas

Em reunião com o secretário municipal de Educação, Adriano Naves Brito, na Câmara Municipal de Porto Alegre, as e os vereadores debateram, nesta quinta-feira (18/5) pela manhã, as mudanças implantadas no ensino fundamental do Município a partir do decreto municipal publicado em fevereiro pelo Executivo.

Sofia Cavedon (PT), que acompanha e apoia a luta da categoria, relatou que diretores de escolas e pais de alunos estiveram, na semana passada, conversando com os/as vereadores/as sobre a contraproposta apresentada à Smed, a partir de discussão com a comunidade escolar.

Segundo ela, o grupo ressaltou que o centro do debate é o aluno e não se trata de uma luta corporativa. Manifestaram preocupação com o fato das crianças ficarem 30 minutos, diariamente, sem acompanhamento de professores. Para ela, a contraproposta feita ao governo “dá conta da demanda sobre a carga horária da quinta-feira”, pois os alunos não sairiam mais antes do final do turno. “É difícil compreender a rejeição à contraproposta”, destacou a vereadora.

Secretário da Educação diz que governo não negocia diretrizes das mudanças

Foto Elson Sempé Pedroso/CMPA
Somos intransigentes a respeito de três diretrizes: a carga de quatro horas/aula por dia, que é a ideal para a aplicação do turno inverso, com períodos de 45 minutos; 17 períodos de aula semanais, e fim das reuniões pedagógicas no horário de aula”, disse o secretário.

Desde março deste ano, o início das aulas passou a ser às 8 horas, com cinco períodos diários de 45 minutos, totalizando quatro horas de aula por dia (240 minutos). Durante as reuniões pedagógicas, os alunos ficam com o professor auxiliar. A carga mínima é de quatro horas/aula por dia e de 800 horas/aula por ano, além da reserva do tempo para as atividades de planejamento do professor. Os professores têm sete horas e 15 minutos de hora/atividade por semana (antes eram sete horas e 30 minutos).

Contraproposta

Há cerca de duas semanas, um grupo de pais de alunos e diretores de escolas apresentou uma contraproposta ao secretário da Smed, que prevê: ampliação das disciplinas de matemática e português no terceiro ciclo; 16 períodos de aulas de 50 minutos por semana, com carga de quatro horas e 30 minutos diárias (270 minutos) e 890 horas/aula por ano.