quinta-feira, 22 de junho de 2017

Um teatro da cidade - Por Sofia Cavedon*

Artigo publicado no jornal Correio do Povo na edição desta quinta-feira - 22 de Junho.

Foto Marta Resing
A força da III Mostra de Artes Cênicas, Música e Dança do Teatro Glênio Peres da Câmara Municipal de Porto Alegre, onde artistas tem a oportunidade de apresentar o seu trabalho, está evidenciada no número de inscritos – 183 projetos culturais da cidade. São espetáculos individuais ou coletivos que, selecionados, serão oferecidos gratuitamente ao público em geral, nos finais de semana, neste espaço que aos poucos vai sendo apropriado e conhecido pela comunidade.

Criado em 1996, o Teatro da Câmara recebeu o nome de Glênio Peres em homenagem ao jornalista, ator, ex-vereador e vice-prefeito de Porto Alegre. A ausência de um projeto continuado, com base legal e orçamento próprio, fez com que este belo espaço ficasse despotencializado, com atividades eventuais e descontinuadas. Foi na construção coletiva com a classe artística, representada por seu sindicato – SATED, pela presença atuante na Câmara na defesa de espaços e recursos para a cultura, que nasceu a Resolução nº 2.294, de 2 de maio de 2013 criando a Mostra Anual. A previsão orçamentária de recursos, o envolvimento do Memorial da Câmara e de funcionários(as) da Casa, e a grande resposta do público, que lota os espetáculos pela qualidade apresentada, estão consolidando este projeto como mais uma política cultural da cidade.

Arte Marta Resing
A insistência em investir na cultura, sem ser este o objetivo central do parlamento, vem da convicção que não há democracia plena, substantiva sem a circulação de ideias, sem o desenvolvimento da condição crítica e criadora da cidadania. Por isso, além de votar leis, orçamentos e políticas para a área, a Câmara Municipal vem progressivamente investindo recursos e espaços próprios para a cultura.
           
A capital dos gaúchos é polo cultural, tanto pela pesquisa permanente de grupos e artistas - sempre com parcos recursos, intermitências, descasos – quanto pela importância político-econômica que compõe sua identidade, marcada pela intensa participação social, pelas inovadoras experiências que já vivenciou, intercâmbios com a América Latina e o mundo. No entanto, convive com espaços culturais fechados, degradados, com a falta de investimentos públicos que façam com que a cultura seja acessível a todas e todos, seja promotora de criatividade e talentos que só se revelam pelo investimento continuado.
           
Assim que a Mostra Teatro Glênio Peres se apresenta para abrir novas oportunidades e chamar a responsabilidade de todos com a arte. Que a cidade venha conferir e valorizar!

*Vereadora do PT de Porto Alegre