sábado, 31 de março de 2018

Somente com participação popular é possÍvel construir a cidade que queremos

O mandato da vereadora Sofia Cavedon apoiou a Chapa 2, pelo compromisso com a inclusão, sustentabilidade e democracia nas decisões sobre as questões urbanas. Parabéns pela grande vitória e seguiremos juntos na luta por uma cidade mais justa e democrática!

O protagonismo popular e plural na construção da vitória da Chapa 2 (Cidade Crítica – pela transformação de Porto Alegre) na RP1 do CMDUA

A noite de 29 de março próxima passada, consolidou uma vitória extraordinária para a construção da soberania popular na cidade de Porto Alegre.

O protagonismo cidadão expresso por meio do voto direto na recente eleição para os cargos de Conselheiro e Delegados representantes da Região de Gestão do Planejamento 01 (RP1) do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental – CMDUA, revelou não só a grande eficácia que a capacidade de mobilização é capaz de moldar, mas, sobretudo, a força real da articulação popular plural e democrática em nossa cidade.

Esta mobilização articulada e plural acabou por se traduzir em um fato já histórico e sem qualquer precedente em eleições do CMDUA: a vitória arrasadora da Chapa 2 CIDADE CRÍTICA - pela transformação de Porto Alegre por 310 votos, contra 02 votos obtidos pela Chapa 1 e 03 votos obtidos pela Chapa 3, na maior votação/participação da história das eleições do CMDUA. Além disso e elegeu-se a totalidade dos Delegados que apoiam incondicionalmente as propostas da “Chapa 2” vencedora.

Para muito além do resultado das urnas, por si só um fato inédito nesta disputa, como referido, é fundamental destacarmos o simbolismo desta vitória enquanto obra coletiva, dos atores e atoras comunitários, além de entidades do campo popular que a construíram.

Sob o signo da participação democrática e plural, estes atores e atoras, com esforço, doação e ação concreta singulares, levantaram um aparato de resistência, nas ruas e nas urnas, contra o domínio histórico de setores da sociedade que não concebem a cidade de Porto Alegre como um espaço a que todos e todas fazem jus de forma igualitária, exatamente de forma plural, coletiva e democrática.

Estes mesmos setores da sociedade desconsideraram, até agora, que o mandamento constitucional que determina que a política de desenvolvimento urbano tenha por objetivo ordenar o pleno desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem estar de seus habitantes (Art. 182 da CF/88) só será concretizado com o respeito as normas de ordem pública e interesse social que regulam o uso da propriedade urbana em prol do bem coletivo, da segurança e do bem-estar dos cidadãos, bem como do equilíbrio ambiental (Parágrafo único do art. 1° da Lei n° 10.257, de 10 de julho de 2001).

É por esta e por muitas outras razões que é importante reconhecermos a experiência da RP1 como inovadora e central no debate de nossa cidade, além de prática a ser comemorada e principalmente replicada em todas as demais  Regiões de Gestão e Planejamento da cidade de Porto Alegre.

Vamos à luta.  A cidadania e a democracia agradecem!

Março de 2018 – Coletivo A Cidade Que Queremos – Porto Alegre

sexta-feira, 30 de março de 2018

#DireitoÀcidade - Alagamentos e o descaso com as comunidades

Foto Gabinete
Nesta sexta-feira (30), a vereadora Sofia Cavedon esteve no bairro e, junto com a comunidade da Rua 25 de Julho, identificaram os problemas nas bocas-de-lobo.

Sofia questiona: Imaginem cada chuva alagar sua casa - é assim que vivem os moradores da Rua Cerro Azul e arredores. "Por mais reuniões, pedidos de providência e protestos que já fez a comunidade, não há ainda política pública para resolver. Hoje fomos verificar o que causa. E comprovado foi que não há trabalho integrado dos órgãos da Prefeitura, que o planejamento das ações e investimentos não existem ou não escutam a comunidade. Queremos saber onde está indo os recursos da tarifa 3 do Dmae que são enviados ao ex DEP!", ressalta a parlamentar.

Veja também: Sofia denuncia ao MP descaso da prefeitura em relação aos constantes alagamentos 

Assita aqui a manifestação de Sofia durante a visita:

quinta-feira, 29 de março de 2018

Jornada pela Educação - Sofia visita a EMEF Gabriel Obino

Foto Equipe Gabinete
Em visita a Escola Municipal de Ensino Fundamental Gabriel Obino, a vereadora Sofia Cavedon (PT) se emocionou na manhã desta quinta-feira, 29: "ali a EJA viceja, o turno integral vai até 17h30min, garantindo a janta, as e os estudantes repetem o alimento e não desperdiçam, todas as turmas tem algum projeto no contraturno e a escola luta contra o desmonte da carreira e os ataques à educação", ressalta a vereadora.

Foto Equipe Gabinete
Sofia destaca ainda "as valorosas funcionárias da cozinha, mesmo com todos os desrespeitos que tem por serem terceirizadas, por parte da empresa, capricham muito e estavam fazendo bolo de chocolate para celebrar a Páscoa com toda a garotada".

"A escola faz 30 anos e vamos celebrar! Que orgulho!" Comemora Sofia.

#LutoPelaEducação

Conheça mais a EMEF Gabriel Obino acessando aqui.

Eleição do CMDUA - RP1 - #DireitoÀcidade

É HOJE a eleição dos representantes da grande Região Centro - RP1 - Região de Planejamento 1 do CMDUA - Conselho do Plano Diretor

O mandato de Sofia Cavedon apoia a CHAPA 2 pelo compromisso com a inclusão, sustentabilidade e democracia nas decisões sobre as questões urbanas.

*Conselheiro*: Felisberto Seabra Luisi
*1°Suplente* José Romari Dutra da Fonseca (Zé Fonseca)
*2°Suplente* Claucia Piccoli Faganello

*Quem pode votar na RP1*

- Moradores dos bairros: Marcílio Dias, Floresta, Centro Histórico, Auxiliadora, Moinhos de Vento, Independência, Bom Fim, Rio Branco, Mont’ Serrat, Bela Vista, Farroupilha, Santana, Petrópolis, Santa Cecília, Jardim Botânico, Praia de Belas, Cidade Baixa, Menino Deus, Azenha.

- Maiores de 16 anos

*Onde e Quando votar*

- Dia 29/03
- Horário: das 17h às 20h
- Câmara Municipal de Porto Alegre

*Documentos Necessários*
- Carteira de Identidade
- Comprovante de residência

*Como votar*
- Conselheiros: o eleitor deve votar em apenas uma chapa
- Delegados: pode escolher em quantos delegados quer votar
- Entidades delegados: pode escolher em quantas entidades delegadas quer votar.

Mais informações acesse aqui.

A água nossa de cada dia merece ser bem tratada - Por Sofia Cavedon*

Artigo publicado na edição impressa desta quinta-feira, 29, do Jornal Correio do Povo
         
Porto Alegre tem no DMAE, Departamento Municipal de Água e Esgotos, o mais qualificado órgão público, a melhor tarifa - módica e acessível aos mais vulneráveis - superavitário e com capacidade permanente de novos investimentos, de planejamento e inovação técnica, de captação de recursos públicos. Tudo isso, apesar das opções de gestão dos últimos anos já estarem colocando em risco esse importante instrumento, como a terceirização da leitura dos hidrômetros que, a partir de meados de 2014 implicou em perda de receita pública e também em prejuízos ao consumidor com muitas contas emitidas pela média e falta de manejo adequado com o usuário.

Órgão que tem 3.634 cargos criados para servidores efetivos, só conta nesse momento com 1600! Mais de 2000 cargos vagos com concurso de engenheiro e auxiliar administrativo, por exemplo, em vigência!  No limite mínimo de pessoal para manejo dos equipamentos, para o controle da qualidade da água, para respostas às demandas da população, para fiscalização adequada das obras contratadas, certamente despotencializado nos desafios que a cidade apresenta, apesar do compromisso profissional e excelência técnica dos/das servidoras/servidores.

Essa linha decrescente de pessoal contrasta com a linha crescente de medidores de água, mas revela seu prejuízo na redução de arrecadação se considerarmos os preços constantes (retirada à correção inflacionária) e uma inadimplência de quase 20%. Erros de gestão levaram a inadimplência, historicamente inferior a 8%. Estamos falando de aproximadamente R$ 100 milhões ano que deixam de entrar nos cofres da autarquia. Outro sinal de alerta é a perda de recursos para o caixa único pelo repasse que o DMAE segue fazendo ao antigo DEP, no montante de 53 milhões em 2017, pelo uso da rede pluvial, tarifa 3, água-esgoto pluvial. As funções que eram do extinto DEP têm cada vez mais reclamações, moradias alagadas sistematicamente, ruas onde explodem as redes, bocas de lobo entupidas e, no entanto, os recursos saíram do DMAE! Escolha temerária de gestão de um prefeito que vai tentar até na justiça não ter que perguntar à população (exigência da Lei Orgânica do Município) se pode fazer privatização do órgão tão estratégico para a vida da cidade que trata e distribui com qualidade a água nossa de cada dia.

Nessa Semana Mundial da Água, as intensas atividades da Frente Parlamentar em Defesa do DMAE na parceira com os e as servidoras e a derrubada o veto do prefeito aos recursos para manutenção das piscinas comunitárias - símbolo de uma cidade humanizadora e de sua soberania inalienável sobre a riqueza que garante a vida - foi alentador e alvissareiro: a vida e a democracia são bens que ainda nos move e comove acima das divergências políticas.

Como diz o lema do Fórum Alternativo Mundial da Água – FAMA: água é direito e não mercadoria!

*Vereadora do PT de Porto Alegre

quarta-feira, 28 de março de 2018

Sofia denuncia ao MP descaso da prefeitura em relação aos constantes alagamentos

A vereadora Sofia Cavedon encaminhou, para a Promotoria de Justiça da Habitação e Defesa da Ordem Urbanística do MP/RS, denúncia sobre constantes problemas de alagamentos em Porto Alegre.

A parlamentar exemplificou, com fotos, sete casos em que foram feitos pedidos de providência pela comunidade e pelo mandato sem que tenha havido atendimento por parte da prefeitura. Moradores dos bairros Santa Maria Gorete e São João, que acompanharam a reunião, afirmaram que a prefeitura informa a comunidade que foram executados serviços em locais que sequer existem bocas-de-lobo. Na próxima sexta-feira (30), as 10 horas, a vereadora fara uma visita no local, em conjunto com a comunidade, para identificar os problemas nas bocas-de-lobo. Ponto de encontro na Rua 25 de julho, em frente ao número 335,

Sofia afirmou que: “Com o desmonte do DEP fica ainda mais obscura a aplicação dos recursos que deveriam ser utilizados para resolver os problemas de alagamento. Só em 2017 o DMAE repassou R$ 35 milhões a título de antecipação de receita do DEP, sem que fique claro o destino dos recursos

O promotor Herberto Roos Maciel informou que o Ministério Público decidiu ingressar com várias ações contra o município, no início deste ano, em decorrência do não cumprimento de acordos feitos entre o MP e a prefeitura, em 2017, para a solução dos problemas de alagamentos na capital.

terça-feira, 27 de março de 2018

Jornada pela Educação - Sofia questiona Secretário sobre a EMEF São Pedro e o fechamento do EJA

Os argumentos utilizados pelo secretário justificar o atraso no início do ano letivo são inaceitáveis.

Diante do MP, da nossa denúncia, da posição do Conselho Municipal de Educação, a Smed devolveu ao Conselho Escolar a decisão de retomada do ano letivo, mas tem a coragem de continuar responsabilizando a escola! A Smed que não proveu professores no ano passado, que não permitiu aula aos sábados, que não aceitou qualquer alternativa construída pela comunidade escolar! A questão é que Marchezan governa com vingança, assedia funcionários e seus secretários são autorizados a fazerem assim! E nesse caso são 1400 estudantes sem aulas até agora!" - Sofia Cavedon
Foto Henrique Ferreira Bregão/CMP 

Não há previsão para o início do ano letivo na Escola Municipal São Pedro, localizada no bairro Agronomia. Essa foi a informação do secretário de Educação da Capital, Adriano de Brito, em audiência mantida com os vereadores que integram a Comissão de Educação, Cultura, Esportes e Juventude (Cece) da Câmara Municipal. O encontro realizado a pedido dos parlamentares aconteceu no auditório da Secretaria Municipal da Educação (Smed) no final da manhã desta terça-feira (27).

A vereadora Sofia Cavedon afirmou que: “Os argumentos que o secretário utilizou para justificar o atraso no início do ano letivo são inaceitáveis, pois ele continua não reconhecendo que a Smed faltou ao não prover pessoal, ao não dialogar e encontrar a melhor solução para a escola, seguindo uma linha burocrática que prejudicou toda a comunidade escolar. A Smed não aceitou as propostas que o Conselho Escolar fez de que as duas turmas que ainda tinham dias letivos para cumprir pudessem faze-los aos sábados, com o início do ano letivo junto com as demais escolas municipais. A escola, também, apresentou a alternativa de começar o ano letivo no final de março, com duas semanas de férias para as duas turmas. Portanto o secretário dizer que a escola mão apresentou proposta de calendário não é verdade, a Smed foi inflexível e nós fizemos um apelo para que a Smed não prejudique ainda mais a comunidade escolar e as crianças”, afirmou a vereadora.

Outra pauta levada para o encontro foi a da reclamação de pais e alunos sobre o encerramento de turmas do EJA noturno na Escola Wenceslau Fontoura, no bairro Mário Quintana, que atendeu 130 alunos em 2017. Para manter o EJA na escola foi criado um plano piloto diurno.

Veja também:
Comunidade da Lomba do Pinheiro protesta por início imediato de aulas na EMEF São Pedro

Entrevista com Sofia Cavedon: “Penso a cultura sempre unida à educação e à cidadania.”

Por Cristiano Goldschmidt

Foto Luiza Dorneles/CMPA
Nessa entrevista exclusiva, a vereadora Sofia Cavedon (PT) fala sobre o desmantelamento dos espaços culturais de Porto Alegre, da falta de investimentos nos grupos e nos artistas e do desinteresse de seus colegas vereadores com temas relacionados à cultura. As relações promíscuas entre políticos e empresários, o desmonte na educação municipal, com o desrespeito aos alunos, professores e comunidades, entre outros assuntos, também foram abordados.

1 – Vereadora Sofia, na sua opinião, o que deve ser prioridade numa gestão municipal?

Sofia: A prioridade é o modo de governar através do exercício da democracia participativa. Não há como pensar uma cidade melhor em qualidade de vida se essa não for o resultado da cidadania ativada em diálogo com os gestores. Daí resultam duas dimensões fundamentais: a prioridade do investimento responder ao que majoritariamente demanda a população, e de outro lado, o crescimento da consciência social, do sentimento de pertencimento e de corresponsabilidade com a cidade. Nesse jeito de pensar e encaminhar a cidade, temas fundamentais como o direito à cidade, à educação e à cultura, à saúde, aos direitos ambientais e humanos, serão necessariamente discutidos e se desdobrarão nas políticas públicas, a partir também da intencionalidade humanizadora, inclusiva e democratizadora do gestor ou da gestora.

2 – Como sabemos, o compromisso dos políticos deve ser com seus eleitores, e não com empresários e empresas que investem em suas campanhas. Como a senhora avalia as relações muitas vezes promíscuas entre políticos e empresários? 

Sofia: Uma deterioração da democracia. Pela Constituição Brasileira, todo o poder emana do povo e será exercido por ele diretamente e/ou por seus representantes. Esses últimos, portanto, devem referir-se ao conjunto dos cidadãos e cidadãs ao exercer o poder delegado pelo voto. Nem mesmo restringir-se aos seus eleitores é desejável. As bancadas suprapartidárias que defendem explicitamente setores ou grupos, como as religiosas, do armamento, do agronegócio, indicam esta distorção tanto por recursos que financiaram a campanha quanto por eleitores específicos. A defesa de ideias é legítima e necessária, mas não deve se impor ao todo através do poder econômico.

3 – Poderia nos explicar qual o papel de um vereador e de que forma os eleitores podem intervir em projetos ou decisões contrárias aos interesses da população?

Sofia: É um papel prioritariamente de proteção da soberania popular. Seja na fiscalização do cumprimento dos direitos previstos em lei ou de alargamento das mesmas para chegar a garanti-los; seja através da abertura de diferentes formas de participação direta na produção das políticas públicas, na decisão das prioridades da cidade e na mobilização para a interferência nos demais entes federados também. O Estado e a União acabam por decidir sobre a vida das pessoas por concentrarem grande parte do orçamento público, mas também pelas normas gerais e fundantes do Estado brasileiro, da proteção ao trabalho, à vida e ao desenvolvimento econômico. Por estarmos mais próximos aos cidadãos e cidadãs, nós vereadores temos uma grande responsabilidade na organização da população para exercer seu poder sobre essas esferas. E para que não se sintam impotentes diante das decisões do país. Audiências públicas, moções, formações, debates, informações sobre projetos em andamento, etc, são muitas as possibilidades de promoção da participação direta e de aprendizagem de cidadania.

4 – Porto Alegre está sofrendo com o desaparelhamento dos equipamentos culturais, a exemplo do Teatro de Câmara Túlio Piva, fechado há bastante tempo, e da Usina do Gasômetro, que deixou sem espaço para ensaios e apresentações diversos grupos teatrais e de dança. Como a senhora vem acompanhando essa situação?

Sofia: Eu amo a cultura, nas suas diferentes manifestações artísticas. Sou público permanente e ali me alimento para fazer a luta junto com a classe artística, com os produtores e militantes pela cultura. Penso a cultura sempre muito unida à educação e à cidadania. Desde que assumi como vereadora componho a Comissão de Educação, Cultura, Esporte, Lazer e Recreação, e através dela consigo pautar desde os espaços fechados até o orçamento. Mas como ali os partidos são diversos, apenas nos períodos em que a presidi é que senti mais efetividade, como quando liderei a elaboração da Lei do Artista de Rua, que estabeleceu um marco importante de respeito a esta expressão da cultura. Mas projetos como as Serenatas na frente dos espaços culturais, a Mostra de Artes Cênicas e Música do Teatro Glênio Peres (já na sua quarta edição), os Saraus da Sofia, que faço desde o primeiro mandato; a briga pelo espaço da Banda Municipal no Araújo Vianna e pela democratização do mesmo, são exemplares das muitas ações que proponho para dar força à luta de resistência cultural.

5 – Os constantes atrasos no pagamento dos projetos contemplados pelo FUMPROARTE tem desmotivado a classe artística e contribuído para que artistas e grupos desistam de pleitear o apoio em novos editais. Qual a previsão de investimentos da prefeitura de Porto Alegre para a área cultural em 2018, e de que maneira esse dinheiro está sendo aplicado?

Sofia: A previsão é pífia! A cultura, para o modelo Marchezan, é toda entregue ao patrocínio privado. Estamos lutando nesse momento para que o Conselho de Cultura seja efetivado e respeitado, que o Conselho Municipal do Livro e da Literatura seja reconstituído. Instrumentos que deveriam ser da democratização e da destinação de eventuais recursos. Tivemos que derrotar o veto do prefeito ao programa Adote um Escritor, exemplar da construção de escolas, escritores e editoras de uma política pública que realmente impulsiona a leitura e a circulação de livros.

6 – Como a senhora vê o engajamento dos seus colegas vereadores em pautas e projetos que contemplem as políticas públicas voltadas para a cultura de nossa cidade? Há alguma movimentação conjunta na Câmara de Vereadores para mudar o retrocesso atual?

Sofia: Temos poucos vereadores que atuam com cultura, pouquíssimos eu diria, como uma política pública que deva ser investida e ampliada. Conseguimos parceria na Frente em Defesa do Livro e da Leitura de quatro vereadores, em 36. No tema do hip hop costumam se envolver um pouco mais, por sua inserção comunitária, porém, há que se admitir que, em momentos de votação temos conseguido uma manifestação maior.

7 – No seu entendimento, a que se deve o analfabetismo cultural de parte da classe política? De que forma isso poderia ser mudado?

Sofia: A visão de que cultura é supérflua diante de tantas outras necessidades ainda prepondera na própria sociedade, e a representação política é resultado disso. A educação para fruir e produzir arte, que faz com que ela se torne essencial para uma vida prazerosa e de cidadania, poderia alterar a demanda da sociedade por cultura de qualidade. A oferta em larga escala de entretenimento, através da televisão em especial, alienante e degradante das relações humanas, induz o uso do tempo livre para o descanso na alienação, na distração que não perturba, que não reflexiona.  Além do acesso aos bens culturais de qualidade ser restrito pela distância, pelo preço e pelo pouco espaço nos meios de comunicação. Tudo isso produz representantes na democracia que não aprenderam amar a cultura como seu insumo diário, como parte da cesta básica, como alimento para a sobrevivência, como eu, por exemplo, tenho necessidade e busco.

8 – Que avaliação pode ser feita da atual gestão municipal no que diz respeito às políticas voltadas para a educação, em termos estruturais, de capacitação e valorização dos professores, e principalmente de acesso e permanência das crianças no ambiente escolar?

Sofia: Estamos diante de uma gestão privatizadora, do Estado mínimo, sem projeto pedagógico, gerencialista, autoritária. Desde que iniciou, resistimos à rotina escolar imposta pela secretaria, restringindo os horários das aulas, os horários das refeições e a quantidade de refeições(!), esvaziadas de sua dimensão pedagógica; resistimos aos rígidos parâmetros para a disposição do tempo escolar, impedindo movimentos que reinventam o cotidiano e as estratégias de aprendizagens; reagimos aos calendários impostos, sem escuta às comunidades escolares, restringindo o trabalho aos sábados, definindo início e final, independente da vida das famílias e de suas demandas, retirando do professor e da professora o tempo de planejamento coletivo e o tempo individual fora da escola, em vez de colocar-lhe desafios, aportes e suportes pedagógicos para a evolução;  rejeitamos a redução de projetos culturais e do turno integral, a marginalização e tentativa de extinção da educação de jovens e adultos, de desinvestimento em programas como o Adote um Escritor;   resistimos à destruição da carreira do magistério, que tanta qualificação trouxe ao corpo docente, à falta permanente de professores, aos ataques à Educação de Jovens e Adultos e à redução de recursos de manutenção e custeio. E ainda ao assédio permanente do prefeito e de seu secretário, que chamam os professores de corporativos e resistentes às mudanças “modernizadoras”, os acusam de maus resultados e de displicentes!

9 – Fale um pouco sobre o projeto de Lei Nº 209/17, de sua autoria, que prevê ações contra o machismo nas escolas da rede municipal de Porto Alegre.

Sofia: Ele nasceu de dois anos de debate e de reflexão com as comunidades escolares através da Procuradoria da Mulher na Câmara, que presidi nesse tempo, e de dois grandes Seminários relativos ao tema, bem como da formação da Rede de Educação e Gênero entre instituições que atuam na luta das mulheres e das escolas. Daí ficou muito clara a necessidade de dar suporte ao trabalho docente, estimular e investir na incorporação ao currículo de práticas e intervenções pedagógicas não sexistas – ausência nas políticas educacionais. São diretrizes para balizar o trabalho. Poderão servir tanto para a SMED como diretamente para as escolas pensarem seu currículo. Precisamos investir na formação de meninos e meninas igualitários, democráticos e sem preconceito!

10 – Pra finalizar, na sua opinião, o que precisa ser feito para atingirmos um nível de consciência coletiva no sentido de entendermos como prioridade investimentos em educação e cultura?

Sofia: A boa cultura conquista por si, só precisamos garantir que ela circule, toque nas rádios, ganhe espaço nas redes de TV, tenha salas, auditórios, teatros para investigar, produzir, apresentar-se. Precisamos defender e investir em meios de comunicação compromissados com essas áreas, como a TVE e a FM Cultura, em larga escala. Eu estou com um projeto de Lei tramitando que propõe que os espaços de espera nas instituições públicas ou conveniadas com o poder público passem em suas televisões programas desse tipo, em vez dos financiados pelo poder econômico que transformam o usuário dos serviços públicos em consumidores de lixo e de desejos de consumo. Mas a resistência dos vereadores defensores do livre comércio acima da vida está grande. Fundamentalmente, o que alteraria a consciência coletiva é a mudança do sistema político eleitoral para que a vontade popular não seja direcionada pelo financiamento privado das campanhas, pelo voto influenciado pelos donos dos meios de comunicação de massa, para que as pessoas elejam projetos de sociedade e não “salvadores da pátria”, então defendo o voto em lista partidária, alternada necessariamente homem/mulher. A aposta no aprofundamento da democracia e na educação cidadã é o caminho. Claro que uma depende da outra.

Publicada no Blog de Cristiano Goldschmidt.

segunda-feira, 26 de março de 2018

Por Ieda, por Daniele, por Suzana...

...e por todas e todos que sonham com um mundo mais justo! 

Sofia Cavedon, manifestou nesta segunda-feira, 26, na tribuna da Casa Legislativa da capital, em nome do PT, o "profundo repúdio" do partido pela forma como a caravana do presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi agredida no interior do Estado.

"Pode-se não gostar de Lula e divergir de seu projeto, mas protestamos que o RS tenha sido palco do retorno da violência que caracterizou a ditadura militar. O Rio Grande do Sul, que se orgulha de ser politizado, não pode ter o uso de apedrejamento e chicote e a intolerância. Foi assustador ver mulheres recebendo socos e sendo ameaçadas em sua integridade física." Sofia também criticou a declaração da senadora Ana Amélia Lemos, que parabenizou a atitude dos manifestantes. "É no diálogo e no voto que se resolvem as diferenças." Lembrou ainda que a vereadora carioca Marielle Franco foi assassinada por lutar por direitos humanos.

Conforme Sofia "é preciso ter coragem para ser democrática: ao meu repúdio à violência e intolerância que substituem a Democracia, vereadores do PP e do PMDB reafirmaram que se justificavam e responsabilizam o PT por semear o ódio. Seguem criminalizando o PT por construir espaço para quem sempre foi discriminado. Por seus erros e acertos, faz o Brasil avançar e não vai abrir mão de seu papel histórico de construtor da Democracia, dos direitos e da cidadania!"

Assista aqui a sua manifestação:

sábado, 24 de março de 2018

Caravana Lula pelo Sul - Repúdio a violência política

Foto Ricardo Stuckert/Instituto Lula
O companheiro Lula encerrou nesta sexta, 23, a Caravana Lula pelo Brasil no RS.

O presidente Lula encerrou a Caravana com a Assembleia com o Povo em São Leopoldo/RS. Neste sábado (24) Lula segue para Santa Catarina.
Foto Gabinete

O mandato de Sofia Cavedon repudia os atos de violência política que permeou a passagem do nosso presidente pelo Estado. "O país não é desses que semeiam o ódio.... é com alegria que fazemos política, porque o Brasil transformador, inclusivo é alegre, não tem esse ódio, essa raiva, esse preconceito contra o trabalhador/trabalhadora que estamos vendo aqui", afirma Sofia.

Viva Lula, Viva o Brasil, Viva a Democracia! 
#LulaLivre #LutoPelaDemocracia

Leia aqui a Nota do PT sobre a violência política no RS

Assista a Assembleia com o Povo, último ato da Caravana no RS. 

sexta-feira, 23 de março de 2018

Funcriança - Prefeitura descumpre cautelar do TCE e não repassa recursos para entidades

Foto Luis Carlos Almeida
Em mais uma frente de luta contra o desgoverno Marchezan em Porto Alegre, a vereadora Sofia Cavedon (PT) participou na manhã desta sexta-feira, 23/3, de audiência com o procurador Geral do Ministério Público de Contas (MPC), Dr. Geraldo Costa Da Camino, juntamente com representantes de entidades e Coordenação do Fórum das Entidades que atuam nos Direitos da Criança e do Adolescente da capital.

Desta vez, informa Sofia, é o sério descumprimento da cautelar do Tribunal de Contas do Estado, que determina à Prefeitura o imediato repasse as entidades de atendimento às crianças e adolescentes, tanto os capturados através do Funcriança, quanto os recursos de Edital, que estão atrasados há mais de ano.

A Comissão lembrou na reunião que Porto Alegre já teve, em 2008, um fluxo de apenas dez dias depois do depósito para chegar à mão das entidades. Para Sofia, "é impossível aceitar uma burocratização dessas e, depois da autoagenda da semana passada, onde as entidades cobraram o Prefeito e saíram sem perspectiva alguma de mudança no fluxo, é muito insatisfatório, por isso hoje estamos no MP de Contas solicitando as suas providências com o objetivo de assegurar a efetividade do atendimento das crianças e adolescentes pelas entidades conveniadas com o município", enfatiza a parlamentar.

Conforme a representação protocolada, de um total de 189 entidades que apresentaram projetos para o Funcriança, cerca de 50 receberam recursos, entre os meses de novembro e março; as demais não foram atendidas.

É destaca a inspeção especial do TCE (Processo nº 007040-0200/17-2) que constatou inúmeras irregularidades na gestão do Fundo, como a identificação da fragilidade na estrutura da Secretaria Municipal de Governança Local (SMGL); os recursos do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (Funcriança) não depositados em conta específica, ausência de rendimentos financeiros e atraso nos repasses; ausência de paridade na composição do Conselho Municipal do da Criança e do Adolescente; e ausência de homologação dos Pareceres sobre as Prestações de Contas do Funcriança.

Esses e outros problemas identificados pela inspeção especial do TCE motivou uma medida cautelar do conselheiro Marco Peixoto, determinando que: “o Administrador adote providências no sentido de que todos os recursos de doações sejam depositados diretamente nas contas específicas do Funcriança, gerida pelo Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), com vistas a assegurar a aplicação integral dos rendimentos financeiros nas políticas públicas da Criança e do Adolescente, sem intermediação e sem atrasos nos repasses às entidades vinculadas”.

Passados mais de 30 dias do prazo estipulado pelo TCE, em autoagenda no dia 16 de março e, as entidades reuniram-se com o Prefeito e solicitaram o imediato repasse dos recursos, mas só obtiveram a indicação de que serão realizados até o final de abril, porém sem mudanças na metodologia burocratizada que impediu o acesso aos recursos durante todo o ano de 2017.

Sindiágua/RS é contra possibilidade de privatização do DMAE

Dia mundial da água. Representantes do DMAE defendem a não privatização. 

 Alice Aillon, auxiliar técnica do DMAE/SIMPA, Sandra Darvi, Engenheira do DMAE/SENGE alertaram para encarecimento de tarifas em caso de privatização

Representando o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgotos do Estado do Rio Grande do Sul (Sindiágua/RS), a engenheira do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE) Sandra Darvi e a auxiliar técnica do DMAE Alice Aillon ocuparam a Tribuna Popular na sessão desta quinta-feira (22/3) da Câmara Municipal de Porto Alegre. Aproveitando a passagem do Dia Mundial da Água, apresentaram a posição contrária dos funcionários do DMAE perante a possibilidade de privatização do órgão.

 Foto Luiza Dorneles/CMPA
Sandra lembrou que 2017 foi um ano marcado por ataques do governo ao DMAE. Segundo ela, desde janeiro criaram-se leis que estabeleceram uma reforma administrativa na prefeitura, criando e extinguindo secretarias. Com isso, todos os editais e licitações criados pelo DMAE começaram a passar por revisão de uma comissão que tem atuado de maneira morosa. Diante desta situação, os funcionários chegaram à conclusão de que é necessário reagir, com manifestações nas sinaleiras das avenidas e nas comunidades. A campanha de informação sobre as consequências da privatização do DMAE culminou com apoio de um número considerável de parlamentares, conforme ela.

Sandra afirmou que mundialmente se verifica um processo que busca a "remunicipalização" dos serviços de água e esgoto, consequência do aumento das tarifas e da queda na qualidade dos serviços onde a iniciativa privada assumiu estas funções. A engenheira garantiu que o DMAE possui capacidade financeira para manter sua operação e continuar investindo na rede e no tratamento, visto que apresentou lucro de R$ 133 milhões em 2017. De acordo com Sandra, 100% da água fornecida pelo órgão é tratada, assim como aproximadamente 60% do esgoto, com capacidade instalada para atingir até 80% de tratamento de esgoto.

Ela advertiu que a já referida nova comissão instalada pela prefeitura tem atrasado as compras e os contratos de novos equipamentos, assim como tem impedido o ingresso de novos funcionários. “Só não faltou mais água em Porto Alegre por responsabilidade e capacidade criativa e técnica dos funcionários. Não existe motivo nenhum para que o DMAE seja privatizado. Além de trabalharmos com água, produzimos saúde e satisfação”, garantiu.

Foto Luiza Dorneles/CMPA
Alice Aillon informou que a tarifa tenderá a aumentar caso ocorra a privatização. Ela citou que na cidade de Paris, na França, a tarifa subiu mais de 200% com a privatização do serviço. Buenos Aires, na Argentina, também teve aumentos, com a tarifa subindo mais de 700%. Alice também denunciou a precarização que ocorre no quadro de funcionários do departamento: “Nosso atendimento demanda novas pessoas. Atualmente trabalhamos com um terço da capacidade técnica de cargos ocupados. Esta situação prejudica o atendimento à população”, informou. “Peço que se somem para que derrubemos projetos de leis que prejudiquem o serviço de água de Porto Alegre”, concluiu.

Manifestação de Sofia

Foto Luiza Dorneles/CMPA
Em sua manifestação Sofia Cavedon reafirmou que a partir da terceirização dos leituristas, o DMAE teve queda de arrecadação, pois a terceirização não tem a aplicação, o cuidado e a rigorosidade que os funcionários da autarquia tinham e hoje muitas contas são feitas pela média de consumo...

também salientou que hoje o Departamento tem recursos em caixa, sim, e poderia sanar a falta de recursos humanos hoje em torno de 2 mil cargos....mais... o DMAE agora também assumiu as funções do extinto DEP e pasmem: os 53 milhões de reais passados pelo DMAE para a realização desses serviços sumiram no caixa único determinado pela atual gestão municipal..

Assista aqui a manifestação de Sofia.

Com informações do Portal da CMPA.

quinta-feira, 22 de março de 2018

Jornada pela Educação - MP recomenda que EMEF São Pedro inicie aulas imediatamente

Foto Sandra Ilíbio Braz
Sofia Cavedon está solicitando urgente audiência com Secretário de Educação

Após terem solicitado providências ao Ministério Público Estadual (MP), a promotora de Justiça da Educação, Dra. Daneille Bolzan Teixeira, despachou uma recomendação ao Prefeito para que tome as medidas necessárias para viabilizar a EMEF São Pedro que inicie o calendário escolar de 2018, independente das férias escolares, o quanto antes.

A vereadora Sofia Cavedon destaca ainda que o "descumprimento da Recomendação poderá ensejar o ajuizamento de Ação Civil Pública, para efetiva do direito subjetivo público de acesso e permanência na escola dos alunos e alunas afetados/as pela eventual omissão do governo municipal". O prazo dado à Smed vence na próxima segunda-feira, 26.

Foto Sandra Ilíbio Braz
Em assembleia geral nesta quinta-feira, 22, a comunidade escolar decidiu manter a pressão ao governo municipal para que o início das aulas seja imediatamente. No Sábado, 24, eles farão um abraço à Escola e após seguirão em caminhada até a Parada 16, da Lomba do Pinheiro, bairro onde fica localizada a EMEF.

No dia 09 de março, uma comissão representando Mães e Pais, professores/a e Conselho Escolar e a vereadora Sofia reuniram-se com a promotora Danielle Bolzan, quando apresentaram documento relatando a preocupação com o início das aulas somente em 16 de abril.

Sofia está tentando uma audiência com o Secretário Municipal de Educação, pois o prazo está se expirando. Ela lembra ainda que a falta de Recursos Humanos na Escola durante todo o ano de 2017, e as aulas dessas duas turmas mais atrasadas estarem sendo ministradas por professoras recentemente nomeadas, portanto  sem direito a férias, também foi considerado pelo MP.

Outro ponto ressaltado pela vereadora é o fato de que a legislação educacional  vigente não embasa o critério adotado e tampouco a necessidade de existência de período de intervalo de 30 dias entre o término de um determinado ano letivo e o próximo.

Jornada pela Educação - Fechamento e redução de EJAs e NEEJAs conflita com Metas do Plano Nacional de Educação

As lutas que Sofia Cavedon está fazendo estão ancoradas nas metas do Plano Nacional de Educação

Assine aqui Contra os desmontes dos NEEJAS  no Estado do RS!

Foto Henrique Ferreira Bregão/CMPA
Professora, com um mandato que se destaca na defesa da educação pública e de qualidade, a vereadora Sofia Cavedon (PT) tem lutado contra o fechamento de EJAs e NEEJAs, que os governos municipal e estadual estão promovendo. 

Conforme explica a parlamentar "há conflito na política adotada pelos atuais gestores da Educação, em Porto Alegre e no Estado, pois vão contra as metas 8 - Elevar a escolaridade média da população; 9 - Elevar a taxa de alfabetização da população e 10 - Oferecer, no mínimo, 25% das matrículas de educação de jovens e adultos, nos ensinos fundamental e médio, na forma integrada à educação profissional, estabelecidas no Plano Nacional de Educação".

Nesta quarta-feira, 21, Sofia esteve presente em duas audiências na Promotoria de Educação do Ministério Público Estadual (MP), com a Dra. Danielle Bolzan Teixeira, e representantes de comunidades escolares atingidas pelas medidas de fechamento da EJA e NEEJA que ocorrem na capital.

NEEJAs 

Foto Elisamar Rodrigues
Sofia Cavedon, representantes dos NEEJAs, alunos/as e professores/as, protocolaram denuncia na Promotoria de Justiça da Educação do Ministério Público do RS, pois estão por perder a maioria de seus professores/as na Capital, sendo eles o Paulo Freire, Darcy Ribeiro, Darci Vargas e Menino Deus, devido a uma reestruturação que está sendo imposta pela Secretaria Estadual de Educação.

Eles relataram a importância de manter ativos os Núcleos Estaduais de Educação de Jovens e Adultos que contempla pessoas que não tiveram acesso à educação na época própria e que são trabalhadores/as, que necessitam também de apoio pedagógico e de oferta em três turnos. A Seduc está propondo a redesignação e dispensa de professores dos NEEJAS, argumentando a falta de demanda.

Na reunião também foi protocolado um abaixo-assinado da comunidade.

Participaram da audiência Sofia Cavedon; Margareth Rose da Silva Rodriguez, professora do Cardeal Vicente Scherer; Frederico Sommer, professor do NEEJA Darcy Ribeiro; e Gabriel Andrada Bandeira, professor do NEEJA Paulo Freire. Em função do espaço restrito da Promotoria, alunos/as e professores/as que acompanharam a representação ficaram na recepção do MP.

EJA da Wenceslau Fontoura.

Foto Elisamar Rodrigues
Na segunda pauta da audiência com a promotora de Justiça da Educação, Danielle Bolzan, representantes de pais e mães de alunos/as, professores/as e comunidade do entorno da EMEF Wenceslau Fontoura, e a vereadora Sofia, denunciaram o fechamento do EJA, por parte da Smed e da direção, sem qualquer escuta a comunidade escolar. Eles esclareceram ao MP que a demanda é maior do que a levantada pela Prefeitura, tendo em vista que a identificação real da necessidade de atendimento no território não foi feita devido à falta de ação da direção, como a não realização da busca de alunos/as infrequentes. "Também em função do atraso do calendário, a escola não fez o chamamento doas alunos/as da EJA para a rematrícula e tampouco para novas matrículas", relata Sofia.

Outro fator relevante apresentado é a necessidade da manutenção dos três turnos, pois muitos são adultos ou adolescentes que precisam trabalhar, e, destacaram a questão da violência: as escolas mais próximas da comunidade, com EJA, ficam distantes e além de ter que pegar ônibus, a localidade está situada em uma zona de vulnerabilidade.

Participaram da audiência Sofia Cavedon; Ângela Luiza Muller, avó de aluno; Marco Antônio Pires de Oliveira, professor da EJA; Salete Basso de Lima Alminhana, representante da comunidade.

Acesse aqui os documentos gerados no MP.

As metas que Sofia destaca do Plano Nacional de Educação são:

8 - Escolaridade média - Elevar a escolaridade média da população de 18 a 29 anos, de modo a alcançar no mínimo 12 anos de estudo no último ano de vigência deste Plano (2024), para as populações do campo, da região de menor escolaridade no País e dos 25% mais pobres, e igualar a escolaridade média entre negros e não negros declarados à Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

9 - Alfabetização e alfabetismo funcional de jovens e adultos - Elevar a taxa de alfabetização da população com 15 anos ou mais para 93,5% até 2015 e, até o final da vigência deste PNE, erradicar o analfabetismo absoluto e reduzir em 50% a taxa de analfabetismo funcional.

10 - EJA integrada à Educação Profissional - Oferecer, no mínimo, 25% (vinte e cinco por cento) das matrículas de educação de jovens e adultos, nos ensinos fundamental e médio, na forma integrada à educação profissional.

Todas as Metas do PNE poder ser acessadas aqui.

Sofia Cavedon e Municipários/as pedem intervenção no Dmae alegando déficit de servidores/as

Foto Luis Carlos Almeida
Servidores e servidoras e a vereadora se reuniram hoje com o procurador-geral do Ministério Público de Contas

Municipários e Municipárias de Porto Alegre e a vereadora Sofia Cavedon (PT) ingressaram com representação junto ao Ministério Público de Contas (MPC) denunciando a diminuição do número de funcionários no Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) e a relação com a queda na arrecadação da autarquia.

Conforme a denúncia, inúmeros problemas na leitura das contas de água vêm ocorrendo devido à má prestação do serviço por funcionários terceirizados pelo Dmae. O Simpa garante que existem dois mil cargos vagos enquanto há concurso válido aberto para a função de engenheiro. Em contrapartida, dizem que cargos comissionados foram empossados em janeiro na autarquia.

Já nos casos de serviços de leitura, manutenção e operadores de subestações, concursos não são realizados há mais de cinco anos. Em contrapartida, o departamento teve redução de 545 servidores nos últimos dez anos, sem qualquer reposição.

Na denúncia, ainda foram apresentados dados mostrando queda na arrecadação com as tarifas de água e esgoto a partir da contratação de leituristas terceirizados, em 2015. Até janeiro daquele ano, o lucro médio do Dmae era de cerca de R$ 380 milhões ao mês. A partir da terceirização, a arrecadação caiu para R$ 360 milhões.

O procurador-geral do Ministério Público de Contas, Geraldo Da Camino, recebeu a denúncia na tarde dessa quarta-feira e pode fazer recomendação cautelar ao município. O Dmae ainda não se manifestou a respeito da denúncia.

Matéria publicada no Portal da Rádio Guaíba.

Veja também: 
Sofia e Municipários/as ingressarão com representação contra o desmonte do DMAE

Assista:
Semana da Água - Sofia luta contra as privatizações e a mercantilização da água e em defesa do DMAE público!

quarta-feira, 21 de março de 2018

Derrubado veto à Emenda de Sofia que garante 400 mil reais para as piscinas comunitárias

Foto Ederson Nunes/CMPA
Último veto do Prefeito as emendas parlamentares ao Orçamento Municipal 2018 foi derrubado por 22 votos a 9 nesta quarta-feira, 21, na Casa Legislativa.

De autoria da vereadora Sofia Cavedon (PT), a Emenda 147 garante  R$ 400 mil para a manutenção das piscinas comunitárias de Porto Alegre.

Para Sofia a derrubada do veto foi uma conquista das comunidades e da sensibilidade dos vereadores e vereadoras que garantiram as comunidades mais empobrecidas o direito ao esporte, ao lazer e à recreação. "O nosso verão é muito forte aqui e quais são as possibilidades que têm meninos e meninas que moram em locais carentes de fazer natação se não for numa piscina pública? É um recurso pequeno, que não atenderá questões como as duas piscinas comunitárias que estão com problemas estruturais e precisam de um investimento maior, que são o Cegeb e o Cecove, na Zona Norte, mas as outras cinco Cecopam, Cecloflor, Cecores, Ceprima e Cevi já contam com recursos para a manutenção de suas piscinas", comemora a vereadora.

Foto Ederson Nunes/CMPA
Sofia lembra que este ano o Cecopam, no Parque Madepinho, estava escolhida para não abrir, por contenção de custos da Prefeitura, só abrindo após a comunidade usuária ter se manifestado fortemente contra a ideia. "Foi importante o movimento que a comunidade fez, que contou com nossa intermediação, resultando a sua inclusão no aditamento do contrato, tendo sido aberta na metade de janeiro".

Veja aqui como votaram Vereadores e Vereadoras.

Sofia e Municipários/as ingressarão com representação contra o desmonte do DMAE

O DMAE está hoje com 1.600 funcionários e mais de dois mil cargos vagos

Atuando para que o DMAE não seja desmantelado, como deseja a atual gestão no Paço Municipal, Sofia Cavedon, vereadora do PT da capital, e representação de municipários e municipárias, terão audiência na tarde desta quarta, 21, com o Procurador-Geral do Ministério Público de Contas (MPC), Geraldo Costa da Camino, quando protocolarão representação para que o órgão investigue o que está acontecendo na autarquia: sucateamento geral; redução de pessoal - mais de dois mil cargos vagos; redução da sua condição técnica e a retirada de sua autonomia.

A audiência será  às 18h desta quarta, 21, na sede do MP de Contas -  Rua Sete de Setembro, 388, Centro.

Foto Marta Resing
Para Sofia o DMAE, hoje também com os serviços do extinto DEP, tem capacidade técnica e financeira de contratar as obras que ainda faltam do Plano Municipal de Saneamento e que, até 2025, chegarão ao tratamento total dos esgotos de Porto Alegre."Portanto, um órgão que planeja, um órgão que avalia,um órgão que atua, e um órgão que dialoga com a cidade, com uma tarifa social justa", destaca a parlamentar.

O DMAE, diferentemente do que alguns acreditam, afirma Sofia, é uma empresa pública de qualidade, e, se tem problemas, como na Lomba do Pinheiro, é porque os gestores erram, porque houve em Porto Alegre, por exemplo, a centralização das decisões da retirada da autonomia do Departamento para fazer as contratações previstas, rotineiras para os insumos e investimentos para dar continuidade ao seu trabalho. O DMAE está hoje com 1.600 funcionários. Sabem quantos cargos vagos há no DMAE? Dois mil e cinquenta e três cargos vagos, afirma a parlamentar.

Assista também a manifestação de Sofia por ocasião da Semana da Água.

terça-feira, 20 de março de 2018

246 anos - Defenda Porto Alegre!

Triste de uma cidade administrada por um governo que busca destruí-la. Porto Alegre está abandonada. Faltam políticas públicas que garantam a qualidade de vida da sua população, sobram buracos, descaso e medidas da atual gestão na Prefeitura para beneficiar empresários do transporte - Fórum em Defesa da Cidade

Porto Alegre completa 246 anos nesta segunda-feira - 26 de Março

E no dia do seu aniversário nós vamos comemorar protestando pelas péssimas condições da nossa cidade, que o governo Marchezan está deixando.



segunda-feira, 19 de março de 2018

Sindicato pede apoio da Câmara em defesa da Procempa

Reprodução Vídeo
... a empresa que tem em seu maior acionista o seu principal antagonista, com poderes plenos para cercear os recursos da instituição, se torna cada vez mais difícil de continuar servindo o município de Porto Alegre com a qualidade histórica que ela teve...

essa é a grande denúncia que vocês trazem: quem está boicotando a Procempa é o Governo Municipal....

... nós não admitimos que hoje o Prefeito se aproveite para vender uma rede de dados poderosa, de uma capacidade técnica qualificada ... nós vamos defender a Procempa sim!

Foto Ederson Nunes/CMPA
As manifestações são  trechos da fala de Sofia Cavedon, vereadora do PT, por ocasião da Tribuna Popular ocupada pela diretora-coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados do RS, Vera Guasso, na sessão desta segunda-feira (19/3) da Câmara Municipal, para pedir apoio dos vereadores e vereadoras contra uma suposta intenção do prefeito Marchezan Júnior de privatizar a Companhia de Processamento de Dados do Município de Porto Alegre (Procempa). Vários servidores da empresa e de outros órgãos municipais acompanharam o pronunciamento no Plenário Otávio Rocha.

Vera falou que, no ano passado, começou uma forte mobilização em defesa da Procempa, lembrando que a empresa tem 40 anos de história e serviços prestados ao Município. “Desde 2016, ela vem sendo colocada na mira”, lamentou. “Antes da posse, o prefeito já falava que a Procempa era cara, e, há cerca de um mês, disse, em uma reunião de empresários, que ela tinha um déficit de R$ 90 milhões.” Segundo Vera, isso não corresponde aos fatos. De acordo com a diretora, o valor citado por Marchezan equivale, na verdade, ao custo da empresa para fazer seu serviço por um ano.

Leia mais no Portal da CMPA.

Assista aqui a intervenção de Sofia:

Semana da Água - Sofia luta contra as privatizações e a mercantilização da água e em defesa do DMAE PÚBLICO!

Sofia Cavedon destacou, em sua manifestação nesta segunda, 19, a importância da Semana da Água, comemorada em março. 

Em seu discurso, a vereadora afirmou que hoje na Câmara acontece uma exposição que qualifica o debate e a história do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) da cidade. Em sua visão, o setor possui capacidade técnica e financeira de extrema relevância nos serviços prestados à população. Além disso, ela ressaltou também que o órgão trabalha com uma tarifa acessível para pessoas de baixa renda.

Sofia ainda disse que é preciso questionar a possibilidade de privatização do departamento. “O Dmae vem sendo sucateado. Isso é gravíssimo”, apontou a vereadora. Para ela, a Semana da Água é dedicada em defesa do setor público.

Assista a sua manifestação:

#AulasComSofia - Educação

Reserve 15 minutos e assista a palestra de Sofia Cavedon em encontro de Educação neste domingo, 18, em Santana do Livramento.

"Apresento um pouco de como percebo os ataques à educação brasileira e o que denunciamos - o golpe na democracia!"

 #LutoPelaEducação 

 Assista aqui:

domingo, 18 de março de 2018

Exposição Educação contra o Machismo - Inscrições para trabalhos estão abertas

Com o apoio do mandato da vereadora Sofia Cavedon, estão abertas a partir desta segunda-feira, 19, as inscrições para a Exposição Educação contra o Machismo, que apresentará trabalhos pedagógicos produzidos pelas comunidades escolares da Rede Municipal de Ensino e Creches Comunitárias conveniadas com a prefeitura.

A abertura da Exposição será dia 26 de Março na Câmara Municipal de Porto Alegre. Podem ser inscritos trabalhos feitos por alunos, alunas e professores e professoras que tratam da temática. A exposição irá até o dia 29/03, integrando a programação do mês da mulher organizado pela Procuradoria Especial da Mulher.

Curadoras: Rosane Dalsasso e Vanessa Gil

Os trabalhos devem ser inscritos através do e-mail : exposicaoescolasemmachismo@gmail.com até as 12 horas do dia 23 de março, sexta-feira.

Informações pelo fone: 3220.4265

Sofia Cavedon é autora da proposta que tramita na Casa Legislativa da capital que prevê ações contra machismo nas escolas da rede municipal - Saiba mais acessando aqui.

sábado, 17 de março de 2018

Palestra de Sofia Cavedon na Conae de Arroio dos Ratos/RS

Sofia Cavedon, professora da Rede Municipal de Ensino e Vereadora do PT em Porto Alegre, palestrou na manhã deste Sábado, 17, na Conferência Nacional de Educação - Conae 2018, etapa municipal de Arroio dos Ratos/RS. 

... O Fórum Nacional de Educação é uma conquista de monitoramento do Plano Nacional de Educação que não é um Plano pra ficar na gaveta, é um Plano pra mudar a Educação! 

... vamos mudar a Educação brasileira, vamos garantir democracia, e viva a luta das mulheres!... a maioria na Educação Básica é de mulheres, de educadoras, e porquê será que a Educação é tão desprestigiada, porque ainda o lugar da mulher é secundário nesse Brasil... ...a mulher que é atingida pela violência, pelo assédio, pela discriminação.. a Educação é feminina e ela tem que ser feminista, transformadora, guerreira, lutadora e democrática! 

 Assista aqui:

sexta-feira, 16 de março de 2018

Sofia prestigia a colheita do arroz orgânico em Viamão

Foto Estela Vilanova
O arroz orgânico que chega a nossas mesas vem majoritariamente dos assentamentos da Reforma Agrária. 

Sofia Cavedon, junto com Miguel Rossetto, esteve na manhã desta sexta-feira, 16, no início da colheita do arroz, em Viamão, no assentamento Filhos de Sepé, onde vidas constroem vidas, seja na produção, na preservação ambiental, na partilha de trabalho e de produtos. Mais de 100.000 sacas serão colhidas, saúda a parlamentar.

Foto Estela Vilanova
E é a parceria da pesquisa e projetos entre Instituto Federal, Irga, ETA - Escola Técnica Agrícola e os/as assentadas/os, que vão garantindo qualidade e produtividade. Mesmo com a redução de recursos do Governo Federal do presidente ilegítimo Temer, esse trabalho resiste, comemora Sofia.

#LutoPelaVida

Caravana de Lula no RS inicia dia nesta segunda,19

Começa nesta segunda-feira, 19, a Carava Lula pelo Brasil no RS.

Nos cinco dias que permanecerá no estado, o ex-presidente Lula percorrerá diferentes regiões passando por 10 cidades. O roteiro combinará visitas a locais símbolos de políticas públicas dos governos federais petistas e atos temáticos.

O roteiro também visa reforçar a mobilização dos Comitês Populares em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato.

Confira o roteiro:

Segunda-feira, 19 de março de 2018
- Bagé - 10h30 – Visita ao campus da UNIPAMPA
- Santana do Livramento - 15h30 – Conversa pública com Pepe Mujica

Terça-feira, 20 de março de 2018
Santa Maria 
- 15h – Reunião com reitores e diretores de Institutos e Universidades Federais na Universidade Federal de Santa Maria
- 19h – Ato  da Reforma Urbana na Nova Santa Marta

Foto Ricardo Stuckert
Quarta-feira, 21 de março de 2018
São Borja - 14h – Visita ao Museu de Jango e Getúlio, seguido de atividade pública em frente ao Mausoléu de Getúlio Vargas

Quinta-feira, 22 de março de 2018
Passagem por São Miguel das Missões e Cruz Alta
Palmeira das Missões - 18h – Ato da Agricultura Familiar e da Reforma Agrária

Sexta-feira, 23 de março de 2018
Passagem por Ronda Alta
Passo Fundo - 13h – Visita aos cursos de saúde no campi de Passo Fundo da Universidade Federal da Fronteira Sul
São Leopoldo - 19h – Ato da Classe Trabalhadora na Região Metropolitana

Fonte: Portal do PT/RS

Calam uma, seguimos encorajando muitas mais! #SomosTodasMarielle

Foto Estela Vilanova
"Em Osório nessa noite triste de quinta-feira, mas de luta, debatendo, homenageando Marielle e exigindo justiça!"

Sofia Cavedon, vereadora do PT de Porto Alegre e representando a Marcha Mundial das Mulheres do RS, participou nesta quinta-feira (15), dia que assassinaram a vereadora Marielle, do PSOL, no Rio de Janeiro, do Sarau Feminista Quem Somos Nós. "Da resistência a consciência do tamanho dos ataques nos põe em marcha", afirma a parlamentar.

O encontro foi promovido pelas Mulheres Bancárias do Litoral e contou com a participação de representantes do Juizado Trabalhista, Mulheres Negras e Indigenas.

Em sua fala, Sofia qfirmou: "Nosso LUTO é em LUTA, empoderando as mulheres, denunciando a violência cometida pelo estado público quando as retira das políticas públicas, quando humilha e agride as professoras, quando retira a proteção do trabalho!"

#LutoNaLUTA #SomosTodosMarielle

Jornada pela Educação - Sofia visita a EMEF Chico Mendes no início do ano letivo na capital

Foto José Porto
No segundo dia - Quinta,15 - do calendário escolar da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre, a vereadora Sofia Cavedon (PT), professora da Rede e membro da Comissão de Educação da Câmara, visitou a EMEF Chico Mendes, localizada no bairro Mário Quintana. Na quarta-feira (14), dia que as aulas começaram, Sofia esteve na EMEF Ildo Meneguetti, no bairro Rubem Berta (Veja matéria aqui).

Assim como na Ildo Meneguetti, a inconformidade dos e das professoras/es é com a imposição por parte da Secretaria Muncipal de Educação (Smed) do calendário escolar e ingerência na autonomia da gestão da Escola para definir os tempos de formação e de planejamento. E para agravar a a situação, a Secretaria também não presta assessoria e nem apresenta uma proposta para a formação e planejamento da docência, ressalta Sofia.

Outra determinação da Smed foi a integralização de uma turma de turno integral no 3º ciclo, a A10, que, devido a falta de professores/as estão sem aulas no turno da tarde. Além disso, informa a vereadora, a enturmação gerou uma classe de 45 alunos/as que não tem mesa e cadeira para todos/as. Na escola está faltando professores/as para 20h de Artes; 20h de Educação Física; professor volante para todo o 2º ciclo; 10h de Português e 10h de História.

Outra situação que preocupa a comunidade escolar da Chico Mendes é a segurança. Conforme Sofia, recentemente (08/Março) foi assassinado um jovem na frente da escola. "É uma comunidade bastante empobrecida e com muitas situações de violência, e a Escola, que atende nos três turnos - manhã, tarde e noite com EJA - ainda está com a câmera de vídeo do portão de entrada sem funcionar", diz Sofia.

Assim como na Ildo, a Chico Mendes também tem duas lousas digitais. Só que sem recursos nem para colocar a infraestrutura, as lousas continuam encaixotadas. Outros problemas também foram relatados para a vereadora como: dos dois pontos eletrônicos instalados, apenas um funciona: tem geladeiras estragadas; a rede elétrica está esgotada, não suportando nem mesmo a colocação de mais um microondas. Sofia lembra a necessidade dessa infra para a comunidade escolar, pois no entorno da escola não exitem restaurantes, tendo os e as professoras/es ter que levar a sua alimentação diária.

A EMEF Chico Mendes tem 1.189 alunos/as, 87 professores/as, estes sem sala de estudos - usam a sala de prpfessores/as para realziarem todas as suas tarefas fora de aula; a sala de Informática, que tem no máximo seis computadores funcionando, atende todos os alunos/as, e, para completar, o esgoto no pátio transborda. "A comunidade tentou consertar, mas não conseguiu, e o Governo não responde a demanda e nem disponibiliza recursos para a Escola fazer a obra", informa Sofia.

#MandatoNaCidade - Sofia no Beco do Império/Vila Nova

Foto José Porto
A vereadora Sofia Cavedon (PT) esteve esta semana acompanhando mais uma obra abandonada na cidade pela gestão Marchezan.  Desta vez a obra inacabada está localizada no número 430 do Beco do Império, no bairro Vila Nova, em Porto Alegre.

Conforme a parlamentar, a obra dada como pronta pela Prefeitura foi deixada incompleta. "Foi feita inadequadamente e o sistema de esgoto permanece sem ter como usar, pois acaba transbordando e enchendo a rua de contaminação em dias de chuva", informaram os e as moradoras/es.

Sofia comprometeu-se com a comunidade, que paga em dia os impostos de esgoto, inclusive, de interceder junto ao Governo para sabe quem recebeu a obra? Por que a Prefeitura não ouve os moradores? Que engenheiro é responsável? Vamos tirar a limpo, afirma a vereadora.

quinta-feira, 15 de março de 2018

#MariellePresente! - Bancada do PT presta solidariedade à bancada do PSOL

A bancada do PT de Porto Alegre composta pelos vereadores Adeli Sell, Oliboni, Marcelo Sgarbossa e pela vereadora Sofia Cavedon manifestam a indignação pelo assassinato com características de execução por motivos políticos da vereadora Marielle Franco.

A Bancada prestou solidariedade à família, amigos, militantes sociais e defendeu a liberdade e a democracia, através da carta que foi lida nesta quinta-feira (15/3), pelo líder na Tribuna da Câmara Municipal de Porto Alegre.

"Companheiros(as) do PSOL!

A longa noite do terror ainda não terminou. Mas seja pelas lamparinas ou pelas tochas da luta social e democrática, temos que cruzá-la para chegar ao amanhecer.

Estamos juntos, lado a lado. Ombreando a carga e o peso do duro combate sem tréguas, esmagaremos a serpente solta e rastejante do fascismo.

Ela terá que ser e será detida.

Os primeiros passos serão nossas manifestações de hoje, amanhã e outros atos, gestos, movimentos que faremos até que se acabem as trevas.

Estaremos juntos nas ruas, nas praças, nos parlamentos, nos fóruns do que resta da Justiça neste país. Como também estaremos juntos na construção coletiva de um novo "Iluminismo" moderno, ousado, inclusivo, participativo, numa nova sociedade solidária e democrática.

Neste triste momento de dor que nos tolhe o peito, há de sobrar voz e força a para gritar por liberdade, fraternidade e igualdade.

Bradaremos aos ventos o grito da JUSTIÇA para ecoar o planeta.

Vamos aos fóruns internacionais para garantir os DIREITOS FUNDAMENTAIS, a dignidade da pessoa humana contra os crimes e os massacres dos povos e de suas bravas lideranças.

Marielle Franco.

Teu nome, tua história, tua luta não foram em vão. Serás lembrada sempre como uma mulher que dignificou a civilização humana.

Dos(as) colegas,

Adeli Sell, Aldacir Oliboni, Marcelo Sgarbossa e Sofia Cavedon.
Bancada Municipal do PT de Porto Alegre"