quinta-feira, 24 de maio de 2018

Arroio da Represa - Tudo igual após um ano da tragédia

Denúncia é levada ao MP

Foto Fredy Vieira/JC
No dia 08 de junho de 2017 o Morro da Cruz, na zona Leste de Porto Alegre, vivia uma tragédia com a inundação do do Arroio da Represa que acabou causando a morte de uma mulher e destruiu cerca de 50 casas na comunidade. Há quase um ano do acontecido, nada mudou. Até agora a Prefeitura não conseguiu fazer o assoreamento do arroio que ameaça em torno de 50 famílias que se encontram em situação de risco iminente caso chuvas torrenciais voltem a cair na capital.

A denúncia foi levada na tarde desta quinta-feira (24/5) ao Promotor de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística do Ministério Público Estadual, Cláudio Ari Pinheiro de Mello, pelas assessora da vereadora Sofia Cavedon (PT) Sandra Ilíbio Braz, Jorge Nunes, e pela representante da comunidade, Maria Elisabete M. Bonis.

Na audiência ficou encaminhada a realização de um levantamento das famílias que se encontram em risco e no dia 29 de maio, terça-feira, o Promotor Cláudio Ari irá às 13h fazer uma vistoria no local.

Também ficou determinada a abertura de inquérito civil público para investigar a existência de risco de vida e à integridade física aos moradores da região do Arroio da Represa, situado na Chácara dos Bombeiros, tendo em vista a existência de risco hidrológico e geológico causado pelo assoreamento do Arroio  da Represa.